Anos 90: Puritanismo

Anos90Perfume é como roupa: cada década tem a sua moda. Saturado pelos excessos da década de 80 e restrito por novas regulamentações, o mercado de perfumes dos anos 90 viu-se obrigado a apelar para o minimalismo das composições transparentes e inofensivas. Novos sintéticos começaram a ser usados, especialmente o calone (aroma aquático com nuance frutada) e musks. Designers americanos e japoneses, seguindo o caminho do conforto, apostaram nos florais frescos e aquáticos como Kenzo pour Homme, CK One, L’Eau d’Issey, Tommy Girl, Hanae Mori, 212, Happy, entre outros. Seguindo uma rota mais lúdica, designers europeus apostaram no estilo gourmand com fragrâncias como Angel, Casmir, Lolita Lempicka, Hypnotic Poison, Bvlgari Black, Rochas Man e Pi. Nomes de perfume que inspirassem estados de humor elevados ou com a palavra “dolce” se tornaram frequentes. Propagandas ilustrando a inocência ou o joie de vivre eclodiram nos meios de comunicação. Os perfumes dos anos 90 são marcados por um aspecto limpo (sem a oleosidade da década de 80) e macio (com muito musk no lugar de bases carregadas). São perfumes mais prazerosos do que belos, mais seguros do que revolucionários.

Nota: Alguns perfumes lançados antes de 1990 constam nesta lista por já terem trazido o estilo dos anos 90. Marcas de cosméticos e nacionais têm sua página dedicada: Cosméticos e Nacionais. Veja também a página de Descontinuados.

(ordem cronológica por ano de lançamento)

Cool_Water_presentation11. Cool Water (Davidoff, 1988). Segundo o crítico Luca Turin, este é o perfume mais copiado do mundo depois de Chypre de Coty. Criado por Pierre Bourdon no final dos anos 80, Cool Water incorporou o sintético dihidromircenol, que ampliou o efeito fougère da fragrância. O sintético produz um efeito de refrescância e limpeza, numa mistura de notas cítricas, especiadas, lavanda, cedro, musgo de carvalho e cumarina. As notas originais de lavanda, menta e tabaco seriam agora “anabolizadas” e com vibe de homem moderno. Esta receita foi tão bem-sucedida no universo masculino que se tornou onipresente em academias, escritórios e transporte público nos anos 90.

Eternity2. Eternity (Calvin Klein, 1988). Diferente do provocante Obsession, a campanha de Eternity focava nos valores familiares, com um fundo etéreo e romântico. O perfume é composto em torno da flor de cravo, com notas frescas verdes e cítricas de um lado e polvorosas de heliotrópio e musk de outro. Um acorde rosa-muguê-íris no coração produz uma aura soapy e confortável. Eternity é um perfume versátil que pode ser usado no verão e no inverno, por mulheres liberadas ou pudicas.

Sun3. Sun (Jil Sander, 1989). Composto por Pierre Bourdon, Sun de Jil Sander é basicamente um protetor solar ou creme hidratante em formato perfume. Com um topo de cítricos, frutas e folhas verdes, a composição aos poucos desenvolve um centro floral atalcado e cremoso à base de ylang-ylang, flor de laranjeira, jasmim, rosa, cravo, heliotrópio e íris. Seu fundo rico em fava tonka, benjoim e musk (além de sândalo, patchouli, âmbar, baunilha e estoraque) é o segredo para a doçura e o calor desta confortável fragrância de verão.

EternityForMen4. Eternity for Men (Calvin Klein, 1990). Dois anos depois do lançamento da popular versão feminina, Eternity for Men foi introduzido por Calvin Klein na forma de um fougère aromático. Altamente sintético, o perfume abre com um acorde aromático de cítricos e lavanda, anunciando um centro herbáceo e soapy de manjericão, sálvia, zimbro, coentro, néroli, jasmim, muguê e gerânio. Para manter a fragrância seca durante toda sua evolução, Eternity for Men incorpora uma base amadeirada e musky. Um perfume limpo e refrescante que dificilmente ofende alguém.

Egoiste5. Égoïste (Chanel, 1990). Chanel surpreendeu quando lançou Égoïste – um perfume amadeirado especiado com personalidade, diferente do que havia disponível na época. Esta é uma fragrância com um marcante acorde rosa-sândalo em sua composição, produzindo um ar romântico, mas sustentado pela virilidade do tabaco. Notas de baunilha e canela completam a estrutura de Égoïste, conferindo um ar sério e chique, sexy e inovador ao homem que o veste. Não confundir com Égoïste Platinum, que é bom mas completamente diferente.

Safari6. Safari (Ralph Lauren, 1990). Como o próprio nome indica, o foco aqui é a natureza. Safari tem uma potente abertura verde e amarga de gálbano, tagetes (primo do girassol), jacinto, narciso folha de cassis, groselha e notas cítricas. O coração consiste de notas de íris, jasmim e rosa cobertas de aldeídos. Na secagem, revelam-se tons de âmbar e madeiras nobres. Apesar dos assustadores quinze minutos iniciais, Safari é uma ótima opção de perfume refinado para mulheres que sentem falta de um aroma mais terroso à moda antiga.

1881Homme7. 1881 pour Homme (Cerutti, 1990). Complexo e subestimado, 1881 pour Homme ficou esquecido nos anos 90. Trata-se de um fougère aromático com lados herbáceo e soapy bem equilibrados. A combinação de gálbano, rosa, cravo, lavanda, cipreste, zimbro, cassis, vetiver, agulhas de pinho, patchouli, cedro e musgo de carvalho propicia um verdadeiro clima florestal e relaxante. O aspecto quente e cremoso fica apenas para as últimas horas do dry-down com uma base de sândalo, pimenta, fava tonka e musk.

WhiteMusk8. White Musk (Jovan, 1990). White Musk é o epítemo do floral almiscarado, trazendo o melhor da combinação entre indol e musk. Hoje vendido em farmácias nos Estados Unidos a preço irrisório, o perfume um dia já foi um hit com seu inebriante buquê de jasmim, madressilva e ylang-ylang, apoiado sobre uma base de madeiras nobres, âmbar e almíscar sintético. A marca, de propriedade do grupo Coty, é totalmente desconhecida nos Brasil.

Jaguar9. Jaguar for Men (Jaguar, 1990). A luxuosa e exclusiva marca de carros foi pioneira no mercado de perfumes com um rico e complexo aromático especiado. Jaguar for Men abre com um topo fresco e revigorante de notas cítricas e herbáceas com um toque de anis e aldeídos. Aos poucos, a composição vai esquentando e mostrando um lado floral especiado, contrastando o quente (especiarias e ervas finas) e gelado (agulhas de pinho e gerânio). O perfume ganha uma atmosfera viril graças à sua base de couro, fava tonka, tabaco, patchouli e madeiras nobres. Pura classe. 

destiny10. Destiny (Marilyn Miglin, 1990). Destiny é um floral de traços verdes e frutados. Com uma saída aromática, o perfume desabrocha um imenso buquê de narciso, orquídea, rosa, osmanthus e lírio-do-vale, mostrando uma certa delicadeza e transparência. Almíscares sintéticos foram usados na base para não interferir no aroma ao mesmo tempo em que proporcionassem fixação.

laguna11. Laguna (Salvador Dalí, 1991). Este é um floral frutado com nuances aquáticas que vai fazer você se sentir de férias. Laguna é uma mistura de abacaxi, coco, baunilha, musk e madeiras nobres, cujo resultado é um aroma tropical delicioso de piña colada com sorvete de creme. A baunilha aparece mais na secagem, sem tirar o efeito fresco e frutado da fragrância. O grande mérito de Laguna é conseguir manter em perfeito equilíbrio seu lado aquático e translúcido com seu lado resinoso e denso.

EscapeForHer12. Escape (Calvin Klein, 1991). Dois anos antes do lançamento do sucesso comercial Escape for Men, Calvin Klein propunha este floral aquático para as moças americanas. Com um topo de cítricos, frutas e notas marinhas, Escape desenvolve um centro floral especiado de rosa, cravo, jasmim, muguê, coentro e cravo-da-índia. Para concluir, a fragrância conta com uma base de musgo de carvalho, vetiver, cedro, sândalo, âmbar, baunilha e musk. Infelizmente o estilo não emplacou entre o público feminino.

KenzoPH13. Kenzo pour Homme (Kenzo, 1991). Nostalgia pura. Esta fragrância me lembra os tempos de colégio. As notas aquáticas misturadas a um melão bem marcante lembra férias na praia. O aspecto translúcido é preenchido com notas aromáticas, especiadas e amadeiradas diversas. Kenzo pour Homme é um daqueles perfumes muito discretos, feitos para quem só usa loção pós-barba. Agradou muita gente na década de 90 e depois caiu no esquecimento. Talvez essa seja a desvantagem de um perfume que não quer ser perfume.

Dune14. Dune (Dior, 1991). Multifacetado e único, Dune emula o aspecto seco, quente e transparente da brisa de um deserto. O interessante nesta fragrância é o equilíbrio entre tantas notas que se complementam do início ao fim – o acorde revitalizante de aldeídos, mandarina e musgo de carvalho, o acorde romântico de flores (rosa, jasmim, ylang-ylang e peônia) e o acorde carnal de madeiras e resinas (pau-rosa, patchouli, sândalo, âmbar, benjoim, baunilha e almíscar). Dune consegue ser sedutor e confortável ao mesmo tempo.

Wrappings15. Wrappings (Clinique, 1991). Com seu peculiar nome que significa “embrulhos”, este perfume é oferecido pela Clinique somente na época do Natal e todo um mito foi construído em torno dele. Wrappings é um chipre verde que abre fresco e vívido (lavanda, artemísia e aldeídos), para então revelar um coração floral complexo (rosa, cíclame, jasmim, íris e jacinto). Sua base é bem seca e amadeirada (cedro, patchouli, musgo de carvalho e couro). O resultado é uma fragrância polvorosa agradável com nuances sintéticas de calone e musk.

HerreraMen16. Herrera for Men (Carolina Herrera, 1991). Com o fabuloso sucesso da franquia 212, este excelente perfume de Carolina Herrera ficou esquecido e hoje se encontra nas lojas em promoção. Herrera for Men abre herbáceo com notas de lavanda e alecrim, além de aldeídos e cítricos. A fragrância começa a exalar um aroma de tabaco e cravo-da-índia, com um fundo floral discreto. Na secagem, sândalo, âmbar e musgo de carvalho concluem a composição maravilhosamente.

Globe17. Globe (Rochas, 1991). Resgatando um estilo popular nos anos 70, Globe é um perfume masculino bastante old school e com um público bem definido. O perfume vai agradar os fãs de Kouros, Antaeus e Tsar com sua combinação de notas herbáceas (artemísia, pinho), especiadas (alcarávia, cravo e coentro) e saponáceas (gerânio, rosa, jasmim) embebidas em cítricos e apoiadas sobre uma base chipre de couro. Lembranças de uma época distante…

rapture18. Rapture (Victoria’s Secret, 1992). Muito antes da famosa linha de peças íntimas femininas ficasse conhecida por suas criações olfativas florais frutadas para o público feminino mais jovem, eis que surge Rapture – um inusitado oriental especiado. Hoje praticamente esquecida, esta primeira fragrância de Victoria’s Secret tinha um quê oitentista com seu coração de flor de laranjeira, jasmim e rosa apoiado sobre uma base de heliotrópio, âmbar, baunilha e almíscar. Vale mais pela curiosidade.

Casmir19. Casmir (Chopard, 1992). Casmir é uma fragrância que vai se revelando em três fases totalmente distintas. A saída é frutada e lactônica (pêssego, damasco, coco, manga, groselha e morango), o coração é floral-especiado (cravo, canela, gerânio, jasmim e lírio-do-vale) e a base é amadeirada e balsâmica (sândalo, patchouli, benjoim, fava tonka, opoponax, âmbar, baunilha e almíscar). A potência dessas três fases torna Casmir um perfume lindamente incongruente, exótico e polarizante.

nd-1431820. L’Eau d’Issey (Issey Miyake, 1992). Depois da exaustão dos perfumes à base de tuberosa e notas animálicas dos anos 80 como Poison e Opium, consumidores pediam por perfumes mais frescos, especialmente nos Estados Unidos, onde se iniciou uma fase de puritanismo. L’Eau d’Issey (um trocadilho com L’Odissey) é um buquê de flores brancas brilhante, limpo e macio, quase funcional, engarrafado num frasco translúcido e minimalista. Hoje existem inúmeros flankers com temas de flores específicas. L’Eau d’Issey inaugurou o gênero dos florais aquáticos e permanece até hoje como sua maior referência.

10427279_404297736400498_4379506390105296495_n21. Angel (Thierry Mugler, 1992). A inspiração de Angel veio das lembranças de infância de Mugler, especialmente repleta de caramelo e outras guloseimas. Para tanto, os perfumistas decidiram revisitar a molécula usada no algodão doce – o etil maltol. Para suavizar seu forte aroma doce, foi incorporado à fórmula óleo de patchouli com uma concentração incomum de 30%. Seu segredo estava na combinação do acorde masculino e obscuro de patchouli-caramelo com o acorde feminino e luminoso floral-frutado, que produzia um efeito andrógino (anjo não tem sexo) bastante sensual e inovador. 

SafariMen22. Safari for Men (Ralph Lauren, 1992). O frasco em estilo barroco já entrega: este é um perfume para o vovô. Mas as aparências enganam. Apesar de ter um ar nostálgico, Safari for Men é bem atemporal, porém mais adequado para homens maduros. Suas notas de saída são verdes, canforadas e cítricas e logo dão espaço às notas florais, amadeiradas e especiadas. Ou seja, esta fragrância começa refrescante para desembocar na marca registrada da casa Ralph Lauren – uma secagem à base de cedro, patchouli, sândalo e musgo de carvalho.

ParfumdEte23. Parfum d’Été (Kenzo, 1992). Lembrando um pouco de Diorissimo e Cristalle, Parfum d’Été segue a tentativa de interpretação do lírio-do-vale com um tom levemente amargo e herbáceo produzido pela nota de jacinto. Como o próprio nome indica (été significa verão em francês), Parfum d’Été é perfeito para dias úmidos de verão em que uma fragrância verde e efervescente cai bem. Com uma construção simples porém potente, este é um perfume indicado para quem aprecia atmosferas arejadas.

Lalique24. Lalique (Lalique, 1992). Criada pela renomada perfumista russa Sophia Grojsman, a fragrância assinatura de Lalique é de difícil classificação. Com uma saída verde e frutada de cassis e pera, a composição evolui para um coração atalcado e picante de íris, rosa, jasmim e cravo-da-índia. Notas de sândalo, baunilha e musk compõem a base. O resultado final é um floral romântico delicado e macio, com nuances doces e frutadas, muito apropriado para senhoras elegantes e austeras.

Minotaure

25. Minotaure (Paloma Picasso, 1992). Minotaure é quase um gourmand. É um perfume daqueles de querer passar uma tarde cheirando no frasco de tão gostoso. Na pele ele requer certa disciplina, pois o que tem em gostosura carece em versatilidade. Embora sua saída seja frutada e especiada e seu coração floral, o que mais sentimos é a base de fava tonka, âmbar, sândalo, cedro e almíscar. Cai bem tanto para balada quanto para encontro romântico.

Volupté26. Volupté (Oscar de la Renta, 1992). Composto por Sophia Grojsman, este é um potente floral verde que representa a transição entre a década de 80 e 90. Ao mesmo tempo em que contém notas pesadas como cravo, acácia, ylang-ylang, tuberosa, âmbar, patchouli, baunilha e incenso, Volupté também mostra uma faceta aquosa e ozônica com notas frescas e suaves de melão, cíclame, frésia, osmanthus, muguê e flor de lótus. Devido ao seu contraste entre o verde-amargo e o amarelo-doce, Volupté é uma daquelas fragrâncias que dividem opiniões.

Classique27. Classique (Jean-Paul Gaultier, 1993). Um dos perfumes mais vendidos no Brasil e no mundo, Classique é ultrafeminino, glamouroso e sexy, com um frasco icônico que representa o torso nu de uma mulher. A fragrância abre cítrica e anisada antes de revelar um coração floral intenso de rosa, ylang-ylang, tuberosa, flor de laranjeira, íris e orquídea. A bomba floral recebe notas sedutoras de gengibre e canela. Finalmente, Classique conclui com um rastro quente e cremoso de âmbar, sândalo, baunilha e almíscar. A versão EDP foca mais na rosa e na baunilha, além de introduzir uma inebriante nota de rum.

XS28. XS (Paco Rabanne, 1993). Paco Rabanne apresentou neste perfume sua primeira composição moderna. XS combina o melhor do estilo amadeirado (pau-rosa) com o melhor das notas florais, aromáticas e cítricas, além de uma forte injeção de musk. Ao aplicar, surgem as notas cítricas e herbáceas (alecrim e menta), em perfeito equilíbrio. Depois elas dão lugar a notas florais (gerânio e rosa) e especiadas (coentro e sálvia). Sua base fica por conta de notas de baunilha, âmbar, cedro, patchouli, sândalo e almíscar.

Yvresse29. Yvresse (Yves Saint Laurent, 1993). O curioso deste perfume é que ele costumava se chamar Champagne, mas, devido a novas regulamentações da Organização Mundial do Comércio, só poderia ser chamado de champagne a bebida genuída da região de Champagne. Yvresse é um chipre frutado com uma saída marcante de anis, menta e nectarina. O coração é um buquê floral quente e atalcado, seguindo para uma base oriental de bálsamos e madeiras nobres. Imponente e sofisticado, Yvresse é uma excelente opção para festas e eventos noturnos.

EscapeMen30. Escape for Men (Calvin Klein, 1993). Perfume da adolescência para quem nasceu no final dos anos 70, Escape for Men traz o frescor do mar por meio de melão (calone) e outras notas frutadas como manga, zimbro e toranja. A intensa saída herbácea de eucalipto, ervas finas, agulhas de pinho e musgo de carvalho pode assustar um pouco. Notas de sândalo, vetiver, patchouli e âmbar dão o acabamento final, mantendo a fragrância limpa e refrescante durante muitas e muitas horas.

UngaroIII31. Ungaro III (Ungaro, 1993). Este é um perfume polarizante, divide opiniões. Alguns dizem que tem cheiro de inseticida, outros que tem muita personalidade. De qualquer jeito, é melhor evitar comprar às cegas. Notas de limão e gerânio são as mais reconhecidas no início, mas logo a fragrância é dominada pelas notas de vodca e rosa. Sua base amadeirada e especiada dá porte à estrutura do perfume, que vai bem tanto no calor quanto no frio. É a fragrância assinatura do Conde Drácula.

Eden32. Eden (Cacharel, 1994). Quando alguém compra um perfume verde, espera que ele seja fresco e seco. A Cacharel resolveu quebrar esse paradigma ao compor Eden – uma fragrância polarizante que combina notas herbáceas e aquáticas com notas melífluas e frutadas. De um lado o aspecto fresco e suave de frutas cítricas, flores brancas e notas aquáticas; de outro o aspecto doce e denso de acácia, pêssego, abacaxi, fava tonka, patchouli e sândalo. A flor de acácia, aqui em destaque, é a responsável pelo efeito plástico e melado que tanto divide opiniões.

s78717-main-lhero33. CK One (Calvin Klein, 1994). Este perfume inaugurou a tendência das fragrâncias unissex ou compartilháveis. Era tempo de simplificar e de ser cool. Um coquetel de notas florais, frutadas, especiadas e amadeiradas recebeu uma tonelada de almíscar para produzir a sensação de roupa limpa, fresca e macia. O sucesso de CK One só foi possível graças a uma intensa campanha publicitária mostrando modelos andróginos, sempre em preto e branco. O frasco era minimalista e desmontável, remetendo a um cantil portátil de bebida. CK One se tornou ícone dos perfumes funcionais.

BvlgariFemme34. Bvlgari pour Femme (Bvlgari, 1994). À primeira vista Bvlgari pour Femme parece um floral aldeídico, com uma saída de flor de laranjeira, especiarias e frutas (pêssego, morango e maçã verde). Logo aparece a violeta, que suaviza a fragrância e prepara o terreno para as notas de íris, rosa, heliotrópio, jasmim e muguê. Bvlgari pour Femme poderia ser um floral buquê se não fosse pela predominância do aspecto atalcado produzido por violeta e musk. O perfume finaliza doce e cremoso com resinas e madeiras nobres, conquistando muitos fãs com sua versatilidade e elegância.

Tocade35. Tocade (Rochas, 1994). Se você curte um perfume à base de rosa mas não suporta baunilha, nem perca seu tempo. Tocade foi a primeira criação que tomou como base a rosa para compor um acorde gourmand com baunilha (Angel havia sido lançado dois anos antes). As notas de cabeça de bergamota e gerânio desaparecem em poucos minutos, dando lugar a um coração apaixonado de rosa, íris, magnólia, jasmim e lírio-do-vale. A base é feita de âmbar, cedro, patchouli, almíscar e toneladas de baunilha.

L'eaud'IsseyPH36. L’Eau d’Issey pour Homme (Issey Miyake, 1994). Esta é a fragrância referência do mundo aquático e faz bom uso da molécula sintética calone. L’Eau d’Issey é um dos aquáticos mais completos, reunindo em sua composição flores (flor de lótus, gerânio e lírio-do-vale), frutas cítricas (limão, laranja, bergamota e yuzu), especiarias (açafrão, noz moscada, coentro e canela) e herbáceas (sálvia, verbena e estragão), além de vetiver e almíscar. Um clássico.

DolceVita37. Dolce Vita (Dior, 1994). Como seu nome sugere, este é um perfume doce e intenso. Os perfumistas envolvidos na criação de Dolce Vita não economizaram em luxo e glamour. Na saída, a fragrância revela um acorde fresco e suculento de magnólia e pêssego, já indicando a que veio. O coração consiste de notas de damasco, amêndoas e canela, que conferem uma aura de saborosa sofisticação. Finalmente, a base de Dolce Vita é composta por notas de baunilha, coco e madeiras nobres. É puro cheiro de mulher rica.

D&GHomme38. Dolce & Gabbana pour Homme (Dolce & Gabbana, 1994). O primeiro perfume masculino dos designers Dolce & Gabbana sofreu a influência dos perfumes frescos que se tornaram a marca dos anos 90, a exemplo de CK One. A fragrância assinatura da casa é aromática, mesclando notas cítricas de tangerina, bergamota e néroli com notas bem masculinas como lavanda, tabaco, pimenta e cedro, além de fava tonka. Dolce & Gabbana pour Homme figura frequentemente nas listas dos perfumes que mais lhes atraem num homem.

SMS39. Sun Moon Stars (Lagerfeld, 1994). Este oriental floral de Sophia Grojsman segue o estilo doce e polvoroso da perfumista também criadora de Trésor e Paris. Na saída, um coquetel de abacaxi, pêssego, morango e lichia preparam a composição para o coração atalcado de cravo, rosa, orquídea, íris e flores brancas. Uma camada de heliotrópio e musk propicia um aspecto esfumaçado e aveludado, enquanto âmbar, sândalo e baunilha finalizam com um toque gourmand. Sun Moon Stars é mais apropriado para eventos noturnos.

CashmereMist40. Cashmere Mist (Donna Karan, 1994). Imagine um perfume que fosse feito sem a pretensão de ter um cheiro chamativo e provocante, mas sim uma textura macia e sedosa de tecido. Esse perfume é Cashmere Mist de Donna Karan. Reunindo notas como bergamota, jasmim, lírio-do-vale, sândalo e baunilha, além de sintéticos como cashmeran, musk e camurça, a composição produz um efeito suave, limpo e polvoroso como um creme luxuoso. Uma fragrância de pele, literalmente.

Havana41. Havana (Aramis, 1994). Na contramão do estilo limpo e puritano, Aramis aposta numa fragrância intoxicante com notas marcantes de tabaco e especiarias quentes. Havana abre com um acorde herbáceo e pungente de mandarina, manjericão, artemísia e cominho. Mais à frente, notas geladas de agulhas de pinho e gerânio passam a interagir com notas quentes de tabaco e canela. Para a base, ingredientes secos e terrosos como vetiver, musgo de carvalho, patchouli e sândalo foram selecionados, concluindo a atmosfera boêmia do perfume.

Dalissime42. Dalissime (Salvador Dalí, 1994). O perfumista Mark Buxton persiste na assinatura frutada da grife e oferece este floral frutado de aura doce e cremosa. Com um topo suculento de abacaxi, damasco, lichia, ameixa e pêssego, Dalissime desabrocha em seguida um buquê retrô de narciso, tagetes, jasmim, lírio-do-vale e rosa. Tudo isso é sustentado por um fundo encorpado e adocicado de sândalo, fava tonka, baunilha, âmbar e musk. Dalissime caminha do boozy ao polvoroso harmoniosamente.

VanillaMusk43. Vanilla Musk (Coty, 1994). Vanilla Coty virou um clássico moderno nos Estados Unidos durante os anos 90, captando a essência da década com um acorde simultaneamente limpo, macio e doce de cedro, sândalo, baunilha e musk. Depois de uma saída adstringente de vanilina, a composição se assenta e propicia uma atmosfera limpa e aconchegante, como uma nuvem de marzipã. Mas não se engane, Vanilla Musk não tem nada de gourmand.

BurberryForMen44. Burberry for Men (Burberry, 1995). Seguindo o gênero amadeirado aromático, Burberry for Men é uma obra do renomado perfumista Michel Almairac. Intensamente aromático (bergamota, tomilho, lavanda, menta) no início, Burberry for Men vai se tornando na evolução mais verde e soapy com seu acorde central de gerânio, jasmim, musgo de carvalho, cedro e sândalo. A base fica a cargo de uma acolhedora combinação de âmbar, baunilha e musk. Um perfume elegante e seguro.

RomaUomo45. Roma per Uomo (Laura Biagiotti, 1995). Um tributo aos homens italianos elegantes e sedutores que só podem ser encontrados na cidade eterna, Roma per Uomo é um distinto oriental amadeirado. Com uma saída verde e efervescente de bergamota, toranja, gálbano e manjericão, o perfume parte para um centro herbáceo e luminoso de zimbro, agulhas de pinho, jasmim e heliotrópio. Um fundo quente e envolvente de patchouli, sândalo, cedro e benjoim compõe a faceta mais sexy da fragrância. Exímia harmonia entre o fresco e o quente.

CheapChic46. Cheap and Chic (Moschino, 1995). O frasco com silhueta de Olívia Palito sugere uma fragrância retrô. Assim, Moschino aposta num floral com notas especiadas e amadeiradas. Com uma difícil saída de bergamota, petitgrain e marmelo, Cheap and Chic logo exibe um acorde central de violeta, peônia, rosa, jasmim, orquídea e lírio aquático. Na evolução, o perfume ganha um aspecto mais masculino devido à infusão de madeiras (vetiver, sândalo, pau-rosa), amenizado com notas polvorosas de fava tonka, orris, baunilha e âmbar gris. O resultado é polvoroso, levemente picante.

Hugo47. Hugo (Hugo Boss, 1995). Este discreto e inofensivo perfume de Hugo Boss há anos figura na lista dos dez mais vendidos mundialmente. Seu aroma é resultante da combinação de um acorde aromático fresco de toranja, menta, lavanda, maçã verde e manjericão com um acorde floral luminoso de gerânio, jasmim e cravo. Para a base, nada melhor que um acorde de agulhas de pinho, cedro, patchouli e musk. Hugo vende muito porque agrada quase todo mundo, apesar de ser sintético e não durar muito na pele.

nd.43048. Le Mâle (Jean-Paul Gaultier, 1995).  A composição trata-se de um fougère oriental carregado de flor de laranjeira, lavanda, menta, canela e baunilha. O contraste entre o extremo frescor do acorde lavanda-menta e o extremo calor do acorde canela-baunilha, além de um toque floral, produziam esse choque interessante e audacioso. Impulsionado pelo frasco homoerótico, Le Mâle ganhou logo de cara simpatia do público gay, logo seguido dos heterossexuais incentivados por suas namoradas. Com apelo andrógino, o perfume transmite uma aura viril de barbearia com nuances doces e sensuais.

HanaeMori49. Hanae Mori (Hanae Mori, 1995). O que acontece se você juntar morango, amora e mirtilo com sândalo, baunilha e amêndoas? Você terá uma deliciosa torta de frutas do bosque. Adicione jasmim, ylang-ylang e rosa e você terá um perfume. Complemente com madeiras nobres e você garantirá seu desempenho. A beleza desta composição é o equilíbrio entre tantas notas de personalidade forte sem se tornar doce e enjoativa. Hanae Mori ainda é pouco conhecida no Brasil e vendida a um preço mais do que razoável.

188150. 1881 (Cerruti, 1995). Este perfume tem seus méritos por ter sido o primeiro a explorar a rosa de maneira tão simples e despretensiosa. As notas de acácia, camomila, gálbano e bergamota arrebentam logo na saída e constroem juntas um aroma fresco e terroso. O coração de 1881 é composto por um buquê floral (rosa, gerânio, íris, violeta e flores brancas) e coentro. A base cremosa de sândalo, baunilha e almíscar completa uma fragrância delicada e feminina, feita para mulheres de pés no chão e coração quente.

BurberryFemme51. Burberry Woman (Burberry, 1995). Burberry Woman chama atenção por ser um perfume frutado com uma boa base amadeirada. As notas de saída formam uma verdadeira salada de frutas (maçã, pera, ameixa, damasco e groselha) que esconde um coração robusto amadeirado com notas de sândalo e musgo de carvalho. Na secagem, Burberry Woman tem uma vibe atalcada devido às notas de baunilha, cedro e musk. É fácil de achar e barato.

OpiumPH52. Opium pour Homme (Yves Saint Laurent, 1995). Acompanhando o sucesso da versão feminina (que se tornou o primeiro blockbuster da perfumaria), YSL lançou em 1995 a versão pour homme. É uma fragrância que faz jus ao nome, ou seja, bastante intoxicante e que pode assustar nos primeiros quinze minutos depois da aplicação. Se você superar as notas iniciais de anis e pimenta, Opium evolui para um aspecto mais adocicado e atalcado devido às notas de baunilha e bálsamo tolu. Um clássico que se mantém sempre atual.

AdGWomen53. Acqua di Gio (Armani, 1995). Esta fragrância é uma das referências do gênero floral aquático, lançada no início da tendência do efeito fresco e translúcido da década de 90. A ideia era engarrafar toda a atmosfera lúdica e revigorante do Mediterrâneo. Desta forma, Acqua di Gio reúne notas cítricas, frutadas (abacaxi, melão e pêssego) e florais (jasmim, lírio-do-vale, peônia, jacinto, rosa, frésia e ylang-ylang). Na secagem, o perfume mostra um lado mais quente e confortável devido às notas de âmbar, almíscar e cedro.

24Faubourg54. 24 Faubourg (Hermès, 1995). O nome se refere ao local da sede da Hermès na rua Faubourg St. Honoré – um dos endereços mais exclusivos de Paris. Complexo, delicado e sofisticado, 24 Faubourg é um chipre melífluo feito à moda antiga, com muitas camadas. As notas de saída são terrosas e amargas, com um toque de laranja. Já o coração se torna macio e polvoroso com notas florais (íris, gardênia, ylang-ylang, jasmim, flor de laranjeira e jacinto). O âmbar na base é bem marcante e traz conforto e maciez. Complexo sem ser complicado, 24 Faubourg é uma das fragrâncias mais elegantes já criadas.

Booster55. Booster (Lacoste, 1996). Booster é uma excelente pedida para os amantes de perfumes gelados. Abrindo com um acorde aromático e refrescante de cítricos, lavanda, menta e eucalipto, Booster segue com um centro verde e picante de manjericão, noz moscada, gálbano e pimentão vermelho. Tudo isso é harmonizado e sustentado com um fundo crispy e elegante de madeiras nobres. O estilo está hoje fora de moda por ter sido explorado em demasia pela indústria de produtos de limpeza.

AMen56. A*Men (Thierry Mugler, 1996). Impossível deixar de colocar o A*Men em uma lista dos melhores gourmands. A versão masculina de Angel difere-se apenas na nota de menta e um pouco mais de patchouli. Este é um perfume que merece nota 10 em todos os quesitos: aroma, projeção e fixação. A*Men é uma mistura de doce de leite, chocolate, café e mel, com um fundo amadeirado e mentolado. E se você gostar dele, pode ainda comprar as versões tabaco (Pure Havane), malte (Pure Malt), café (Pure Coffee), menta (Pure Energy), couro (Pure Leather), madeira (Pure Wood) e pimenta (Taste of Fragrance).

Allure57. Allure (Chanel, 1996). Classificado como oriental floral, Allure é um perfume complexo e multifacetado. Sua saída é frutada e fresca com notas de limão, bergamota, mandarina, pêssego e maracujá. Para manter o caráter leve e brilhante da fragrância, o coração é composto por flores delicadas como lírio aquático, madressilva, peônia, flor de laranjeira, magnólia e frésia. Allure conclui com uma base de madeiras nobres, baunilha e âmbar. A versão EDP é bem mais carregada de baunilha e indicada para uso noturno.

02728933_zi58. Acqua di Gio pour Homme (Armani, 1996). Acqua di Gio pour Homme não foi criado para ir a uma festa e marcar presença; foi uma fragrância feita para se sentir confortável e energizado, com um aspecto muito mais funcional que estético. O perfume é um aquático completo, inovador para sua época, pois não se limitava somente ao aspecto translúcido e aquoso. Acqua di Gio contém notas cítricas, frutadas e florais, além de especiarias, vetiver, musgo de carvalho e calone (a molécula aquática). Seu sucesso se deve em grande parte ao seu poder de projeção e fixação. Acqua di Gio pour Homme é um dos perfumes mais copiados do mundo.

Organz59. Organza (Givenchy, 1996). Sem pudor algum, Organza é aquela fragrância que veio para “causar”. O cerne da composição é feito de flores brancas (gardênia, tuberosa, flor de laranjeira, madressilva, peônia e jasmim) combinadas a uma pitada marcante de noz-moscada e outra de íris. A secagem fica por conta de madeiras nobres, âmbar e baunilha. Quente e doce, Organza exala horrores e passa um pouco a impressão de uma mulher voluptuosa que fala alto e caminha batendo o salto no chão.

LEauParKenzo60. L’Eau par Kenzo (Kenzo, 1996). Kenzo é um designer que sempre valorizou a natureza, portanto não é surpresa que boa parte de sua linha de fragrâncias siga a linha aquática. L’Eau par Kenzo é uma homenagem à água, que simboliza a fonte de saúde, pureza vida, juventude e eternidade. Trata-se de uma fragrância simples e minimalista construída ao redor da flor de Lótus, acompanhada de pêssego, menta, pimenta e flores polvorosas. L’Eau par Kenzo é uma ótima pedida para mulheres dinâmicas.

CoolWater61. Cool Water for Women (Davidoff, 1996). Quase uma década depois do estrondoso sucesso da versão masculina, Davidoff lançou o Cool Water para mulheres. A ideia central foi mantida – a aura calma, limpa e translúcida da brisa marinha é agora enriquecida com notas de rosa, íris, jasmim, lírio-do-vale e flor de lótus (lavanda e menta não entram na versão feminina). A saída é exuberante e irradia notas cítricas, aquáticas e frutadas (pêssego, melão, abacaxi e frutas vermelhas). Na secagem, sentimos notas macias de sândalo e musk envelopando o aroma.

BvlgariPH62. Bvlgari pour Homme (Bvlgari, 1996). Apesar de ser um excelente perfume, Bvlgari pour Homme já pode ser detectado em qualquer lugar Brasil afora. O preço reduzido da casa Bvlgari (pelo menos na linha de fragrâncias) colaborou para sua popularização. Este perfume é elegante sem forçar a barra e isso é obtido por meio do acorde chá-vetiver e uma boa dose de aldeídos (limpeza) e almíscares (maciez), além de bergamota (frescor) e pimenta (energia). Esta é uma opção segura, porém já batida.

Jungle63. Jungle l’Éléphant (Kenzo, 1996). Kenzo lançou duas fragrâncias diferentes inspiradas na vida selvagem: Jungle le Tigre e Jungle l’Éléphant – a primeira foi descontinuada e a segunda é hoje conhecida simplesmente por Jungle. Construído basicamente em cima das notas de manga e cravo-da-índia, Jungle realça o coração da fragrância com cominho, cardamomo e alcarávia para dar uma sensação de suor animálico; ylang-ylang, patchouli e âmbar para trazer frescor e vitalidade; e manga, alcaçuz e baunilha para conferir um efeito lúdico. Jungle é controverso e extremamente forte.

Dreamer64. Dreamer (Versace, 1996). Sempre vejo este perfume vendido a preços irrisórios em diversas lojas virtuais no Brasil e exterior. Isso faz com que tenhamos uma impressão ruim dele, mas posso garantir que Dreamer é um perfumaço. A casa Versace inovou ao combinar o acorde clássico fougère de lavanda e cumarina com notas de tabaco e lírio-do-vale. Não se assuste com a saída de xixi de gato e espere pelas notas de corpo e base. Os machões podem não gostar de cara, pois Dreamer tem um lado sensível e romântico, mas se aceitarem o desafio vão fazer vários pescoços femininos girar.

AimezMoi65. Aimez-Moi (Caron, 1996). Aimez-Moi é um moderno oriental floral de Caron, com nuances polvorosas e anísicas. Um acorde refrescante de bergamota, anis, menta, violeta e cardamomo abre a composição, que logo dá caminho a um buquê de rosa, jasmim, magnólia e íris, recortado por uma nota de pêssego. Nesse ponto, Aimez-Moi começa a desenvolver uma secagem quente, cremosa e macia de sândalo, âmbar, baunilha e musk. Dominique Ropion conseguiu conceber um floral ao mesmo tempo romântico e assertivo.

Champs-Elysées66. Champs-Elysées (Guerlain, 1996). Uma das criações de Mathilde Laurent enquanto perfumista da casa Guerlain, Champs-Elysées é um floral frutado intensamente doce e powdery. Construído em torno do acorde de mimosa e amêndoas, a composição abre com um acorde de pêssego, melão, cassis, violeta e anis. Na evolução, Champs-Elysées se torna atalcado devido à combinação das notas principais com rosa, peônia, lilás e hibisco. O perfume conclui com um fundo boozy de sândalo e benjoim. Polêmico, é amado por uns, odiado por outros.

LanvinLHomme67. Lanvin l’Homme (Lanvin, 1997). Limpo e inofensivo, a fragrância assinatura masculina da casa Lanvin é um suave fougère aromático de nuances especiadas. Abrindo fresco e efervescente com notas de cítricos, néroli e lavanda, Lanvin l’Homme segue com um centro gelado-quente de cardamomo, menta, pimenta preta e sálvia. Uma base cremosa e musky completa a estrutura fougère, transmitindo uma sensação de conforto e bem-estar. Simples e elegante.

HugoWoman68. Hugo Woman (Hugo Boss, 1997). Este floral frutado de traços aquáticos foi lançado com o slogan “não imite, inove”, que talvez na época tenha convencido o público feminino. Trata-se de uma composição transparente e adocicada, fácil de agradar. Hugo Woman conta com um topo de maçã, cassis, melão, pêssego e mamão, centro de jacinto, íris, orquídea, jasmim e lírio aquático, e fundo de cedro, sândalo, âmbar e baunilha. Discreto e inofensivo, Hugo Woman pode ser uma boa opção para o escritório.

WeekendForMen69. Weekend for Men (Burberry, 1997). Concebido para ser uma fragrância masculina informal e lúdica, Weekend for Men abre intensamente fresco com um acorde de bergamota, limão, mandarina, toranja, melão e abacaxi. Na sequência, notas verdes de hera e musgo de carvalho propiciam uma aura mais seca e arejada, anunciando uma inusitada base adocicada de sândalo, mel, âmbar e musk. Weekend for Men vai do luminoso ao escuro de forma harmoniosa e equilibrada.

21270. 212 (Carolina Herrera, 1997). Este perfume, juntamente com seus flankers VIP e Sexy, figura na lista dos dez mais vendidos no Brasil há anos. 212 foi inspirado na mulher jovem que mora em Nova Iorque ou em qualquer outra grande cidade. Ela é moderna e descolada, curiosa, ambiciosa e usa uma fragrância de aspecto sintético e limpo. Depois da abertura cítrica, 212 evolui para um aspecto polvoroso e soapy de rosa e flores brancas, com fundo metálico e plástico. Uma boa dose de musk traz a sensação de conforto para o dia a dia.

DunePH71. Dune pour Homme (Dior, 1997). Quem gosta de perfume chique e despretensioso, porém único, vai adorar esta criação da casa Dior. Por outro lado, sua aura rançosa e seca pode desencorajar muitos. Dune pour Homme começa translúcido e natural devido às notas de folha de figo e cassis e se acomoda na pele com um aspecto doce e soapy devido às notas de sândalo e rosa. Uma pena não ter caído no gosto dos homens brasileiros, pois é uma fragrância perfeita para nossas condições climáticas.

Lolita72. Lolita Lempicka (Lolita Lempicka, 1997). Lançada cinco anos após Angel, esta fragrância ajudou a fomentar a tendência dos gourmands e conseguiu o feito sem plagiar. Lolita Lempicka também tem uma base de patchouli e baunilha – que cria o efeito bombom –, porém traz um acorde floral-anisado de íris, violeta, anis-estrelado e alcaçuz. Uma nota de cereja também aparece para ressaltar a fava tonka, assim como o vetiver entra para suavizar o perfume. Lolita Lempicka é atrevida e malandra, perfeita tanto para mulheres quanto homens.

HM73. Hanae Mori HM (Hanae Mori, 1997). Apesar de HM ser vendido como cítrico aromático (lavanda e cassis), considero-o como um quase floral. A nota escancarada de limão siciliano vai aos poucos dando lugar às flores (íris, jasmim, rosa e lírio-do-vale) e às notas mais doces (âmbar, sândalo, baunilha, fava tonka). Acho este perfume perfeito para o trabalho e a versão EDP cai muito bem no inverno, época em que o frio diminui a projeção da fragrância.

Wish74. Wish (Chopard, 1997). Considerado por muitos uma versão mais sutil de Angel, Wish de Chopard é uma alternativa mais usável e também mais em conta. O perfume é um gourmand de aspecto leitoso e caramelizado, construído sobre uma base de patchouli e âmbar, com um toque de incenso. A saída é cítrica e frutada (morango, coco, pera e groselha) e o coração floral e polvoroso (heliotrópio, violeta, orquídea, jasmim, muguê, osmanthus e magnólia), mas quem domina mesmo é a base melada e açucarada. Apesar disso, Wish não chega a ser enjoativo.

LaliqueLion75. Lalique pour Homme Lion (Lalique, 1997). Cinco anos depois do lançamento da assinatura feminina da casa, Lalique apresenta um amadeirado aromático com traços polvoroso e ambarado. Lalique pour Homme é uma fragrância discreta e agradável, com atmosfera fresca e limpa. O perfume abre com um acorde clássico de colônia com cítricos, lavanda e alecrim, antes de revelar um acorde floral macio de íris e lírio-do-vale. Lalique pour Homme tem uma secagem adocicada, mas mantém-se seco e crispy durante sua evolução.

Weekend76. Weekend (Burberry, 1997). Vencido o preconceito contra o frasco sem graça, pode-se provar uma agradável composição floral frutada concebida para os finais de semana. A saída de cítricos e ervas finas encaminha a fragrância para um acorde atalcado e suculento de pêssego, nectarina, rosa, íris, violeta e jacinto. Weekend ganha maciez e leveza com uma base feita de cedro, sândalo e musk. Trata-se de um perfume inofensivo e confortável, predominantemente fresco e floral, todavia um pouco comum e sem personalidade.

LeRoySoleil77. Le Roy Soleil (Salvador Dalí, 1997). Hoje difícil de ser encontrado, Le Roy Soleil de Salvador Dalí é um oriental especiado que persiste na assinatura frutada da casa. A lista de notas é enorme, mas o perfume é basicamente um chipre clássico com poderosa base oriental (âmbar, fava tonka, baunilha) e especiada (cravo, canela), enriquecido com um acorde floral (rosa, orquídea, jasmim, muguê) e tropical (abacaxi, mamão, damasco, maçã verde). 

RoySoleilHomme78. Le Roy Soleil Homme (Salvador Dalí, 1998). A versão masculina de Le Roy Soleil segue o gênero amadeirado aromático, focando no acorde gerânio-jasmim. A composição conta com um topo refrescante de bergamota, toranja e melancia e uma base cremosa de pau-rosa, cedro, âmbar e musk. O tema solar acaba sendo concretizado graças ao efeito marinho e cremoso de protetor solar que a fragrância proporciona. Perfeito para as férias de verão.

Noa79. Noa (Cacharel, 1998). Noa é um perfume menosprezado por ser muito barato, mas é um verdadeiro achado. Com notas centrais de rosa e flores brancas, ele abre verde e frutado, evoluindo para uma base de musk, café, baunilha e sândalo. O resultado é um aspecto de sabonete com hidratante, porém com um toque suado de coentro para ter mais cara de perfume. Suave e despretensioso, Noa é uma fragrância intimista que faz você se sentir bem.

JaipurPH80. Jaïpur Homme (Boucheron, 1998). Da marca joalheira Boucheron, Jaïpur (cidade indiana) é carregado de canela, cravo e cardamomo. É mais docinho que os outros perfumes especiados por conta das notas resinadas de fava tonka e benjoim. Para acrescentar ainda mais complexidade, este perfume exala discretas notas florais e cítricas. É uma daquelas fragrâncias feitas à maneira antiga, repletas de camadas que vão se revelando aos poucos. Excelente para o trabalho em dias mais frios.

Black81. Black (Bvlgari, 1998).  Esquisitíssimo no bom sentido, Black não é aquele perfume à base de couro com cheiro de luva chique de madame. Alguns dizem que ele tem aspecto de borracha, outros que ele remete a asfalto recém-colocado. As notas de âmbar, sândalo e chá suavizam a receita que resulta em algo bem incomum na perfumaria: um aroma constante na pele, desde o momento da aplicação até o cheiro de baunilha no travesseiro no dia seguinte. Compartilhável.

Declaration82. Déclaration (Cartier, 1998). Um oriental amadeirado e picante, Déclaration foi concebido pelo atual perfumista da Hermès Jean Claude Ellena, que deixa suas duas marcas registradas bem evidentes: cominho e bergamota. O mais interessante é Ellena conseguir transformar um dueto tão anticlímax (ou não) em chique – os dois juntos cheiram a virilha antes do banho. A explicação provavelmente se deve à adição de íris, chá, couro e vetiver, entre outras coisas que têm aroma de riqueza.

Pi83. Pi (Givenchy, 1998). Há muito tempo desisti de entender o nome deste perfume e o porquê de um frasco tão enigmático. Motivo? O líquido pra mim já basta. Pi foi um dos primeiros perfumes gourmands (talvez por isso o design futurístico?) e tornou-se muito vendido mundo afora. Pense em amêndoas açucaradas em formato líquido e que possam ser aplicadas na nuca sem atrair formigas. E pense também que esse aroma dura mais de oito horas a fio.

Romance84. Romance (Ralph Lauren, 1998). Limpa e fresca, essa é uma fragrância com uma abertura de limão, camomila e gengibre, tão exótica que chega a assustar. A saída picante evolui para um coração saponáceo fresco com um tom aquático de flor de lótus. Rosa, violeta e cravo compõem um acorde romântico e sensual. Graças a uma potente base de musk e madeiras nobres, Romance tem ótima projeção e longevidade na pele. Não é um perfume para chamar atenção e sim para curtir sozinha ou com alguém querido.

Bottled85. Boss Bottled (Hugo Boss, 1998). A fragrância mais popular de Hugo Boss é amadeirada especiada, com um acorde marcante de maçã com canela. Abrindo cítrica, a composição vai aos poucos revelando um aspecto picante e frutado, com uma nota mentolada de gerânio por trás. Boss Bottled se aquece depois de algum tempo e se torna levemente doce e picante, porém nada enjoativo. É um perfume fácil de dar de presente por ser agradável à maioria das pessoas.

KenzoHomme86. Jungle Homme (Kenzo, 1998). Este é um perfume praticamente desconhecido. Seu frasco é um dos mais originais que já vi – a tampa tem um pedaço de escova, imitando algum artefato indígena. O conteúdo é bastante agradável, com notas pronunciadas de noz moscada e sândalo, dando um aspecto cremoso à composição. As notas de canela, cardamomo e coentro são coadjuvantes importantes, assim como as notas cítricas. É uma deliciosa fragrância que consegue ser sensual e carinhosa ao mesmo tempo.

Uomo87. Uomo (Moschino, 1998). Este divertido e relaxante floral musky de Moschino caiu no esquecimento. Talvez por ser feminino demais para um homem e intimidante demais para uma mulher. Uomo abre com aldeídos, kumquat, pau-rosa e coentro, antes de revelar um acorde central de sálvia, canela, orquídea e labdanum. Na base, notas de absinto, cedro, âmbar gris e musk concluem a composição. O resultado é limpo, balanceado e arejado como um luxuoso sabonete.

Contradiction88. Contradiction (Calvin Klein, 1998). Apresentada como uma fragrância para a mulher urbana e ativa que quer ser tudo e nada ao mesmo tempo, Contradiction é um floral oriental de traços herbáceos e atalcados. Com um topo verde de eucalipto e folha de cassis, a composição imediatamente revela seu enorme buquê de rosa, peônia, orquídea, lilás, jasmim, muguê e gardênia. Na secagem, Contradiction traz à tona uma aconchegante combinação polvorosa de sândalo, fava tonka e musk. Apesar de suave, o perfume pode enjoar devido ao seu aspecto altamente sintético.

ContradictionMen89. Contradiction for Men (Calvin Klein, 1998). Seria ele fresco ou quente? Arejado ou picante? Eis a contradição. Por um lado, Contradiction for Men exibe uma aura leve e energizante com um acorde de cítricos, lavanda, ervas finas e cardamomo. Por outro, o perfume aquece com um acorde de pimenta preta, noz moscada, vetiver, sândalo, ébano e musk. Apesar de não ser uma fragrância inovadora, Contradiction for Men funciona bem, deixando um rastro esfumaçado, sem ser pesado, por onde passa.

Rocabar90. Rocabar (Hermès, 1998). Este perfume pouco conhecido de Hermès é um amadeirado especiado com um aspecto levemente old school. Com uma saída picante e herbácea de lavanda, coentro, zimbro, cardamomo, noz moscada e agulhas de pinho, Rocabar evolui para um centro seco e amadeirado de cedro e cipreste com nuances de violeta e cravo. Finalmente, a composição conclui com um acorde balsâmico de musgo de carvalho, patchouli, âmbar e baunilha. Rocabar acabou perdido no tempo, mas deve ainda agradar quem curte um estilo mais retrô.

TouchForWomen91. Touch for Women (Burberry, 1998). Herbáceo, floral, amendoado e frutado são adjetivos oportunos para descrever este perfume. Feito para ser suave e informal, Touch for Women abre com notas frescas de laranja, cassis, amora, cranberry, pêssego e framboesa. Minutos depois, a composição exibe um delicado buquê de rosa, peônia, jasmim, lírio-do-vale e tuberosa, sustentado por um fundo macio e confortável de cedro, musgo de carvalho, fava tonka, baunilha e musk. Como o próprio nome sugere, Touch for Women é um perfume de pele.

RochasMan92. Rochas Man (Rochas, 1999). Talvez com a ajuda de seu frasco sugestivo, Rochas Man é um best-seller e um belíssimo exemplo de fragrância com vibe de café. Suas notas de sândalo e baunilha reforçam sua cremosidade, enquanto a lavanda aromatiza e masculiniza a composição. Notas de lírio-do-vale e de jasmim podem ser sentidas uma hora após a aplicação, deixando-o com um aspecto romântico. Este é um perfume gostoso de cheirar no frasco.

DKNYWomen93. DKNY Women (Donna Karan, 1999)Efervescente como um bom espumante, esta fragrância da linha mais popular de Donna Karan é um floral aquático carregado de notas cítricas e folha de tomate no topo. O acorde de lírio aquático e folha de cassis no coração mantém a composição fresca e brilhante por horas. Uma pena que na secagem o encanto se perca e DKNY Women se torne amargo e apagado. Excelente opção para o verão, sem esquecer de levar na bolsa para ser reaplicado.

212Men94. 212 Men (Carolina Herrera, 1999). Best-seller absoluto no Brasil, 212 Men tem uma série de flankers. O aroma de grama recém-cortada neste perfume é simplesmente irresistível. Somado a ele, imagine notas florais de violeta e gardênia, especiadas de gengibre e pimenta, e frescas de lavanda e toranja. Seu volume de vendas confirma um desempenho infalível tanto em projeção quanto fixação, mas também em popularidade. 212 Men pode ser sentido em todo o território nacional, de ônibus de linha a camarotes de boate.

AllurePH95. Allure pour Homme (Chanel, 1999). Um dos últimos grandes perfumes lançados no milênio passado, Allure apresenta várias camadas, que vão revelando dezenas de notas uma a uma, como um espetáculo de atos bem definidos. No geral, Allure pour Homme é um perfume oriental amadeirado com um toque cítrico, mas também quase um gourmand por conta das notas de fava tonka, coco, baunilha, benjoim, pêssego e âmbar. Tem notas florais (rosa, jasmim, gardênia e frésia), amadeiradas (vetiver, cedro, sândalo, musgo de carvalho e patchouli) e especiadas (anis, pimenta e gengibre), além de lavanda e couro.

FerrariBlack96. Ferrari Black (Ferrari, 1999). Claramente facilitado pelo poder da marca, Ferrari Black é um dos perfumes mais vendidos no Brasil. Seu sucesso é também motivado pela sua versatilidade, já que se trata de uma composição aromática fougère picante e adocicada no ponto certo para poder ser usada tanto no escritório quanto na balada. Ferrari Black tem uma saída bem fresca e frutada, evoluindo para uma base oriental de âmbar, canela e baunilha, além de muito musk.

Iris97. Hiris (Hermès, 1999). A íris de Hermès não é simplesmente uma íris: é uma “hiris”. Concebido por Olivia Giacobetti, o perfume apresenta de imediato um aroma polvoroso e especiado de íris, cravo, âmbar e coentro. Na evolução, um acorde de néroli e rosa confere uma atmosfera floral mais densa e soapy, enquanto notas de mel, amêndoas e baunilha compõem uma atmosfera doce, cremosa e intimista na base. Do verde e elegante, Hiris vai lentamente se tornando gourmand e sensual.

leaukenzohomme98. L’Eau par Kenzo pour Homme (Kenzo, 1999). Esta original fragrância de Kenzo reúne notas de yuzu, menta, flor de Lótus, pimentão verde e muito musk. Fresco, agradável e inofensivo, L’Eau par Kenzo pour Homme abre com um aroma cítrico efervescente com um fundo sintético aquático e floral. O perfume logo revela um coração de notas verdes e picantes, seguindo para uma secagem herbácea e amadeirada limpa e fresca.

3911955_000099. J’Adore (Dior, 1999). No final dos anos 90 a Dior lançou J’Adore – um potente floral (rosa, jasmim, tuberosa e lírio) com notas frutadas (pera, ameixa, melão, pêssego e amora), fazendo despontar nos anos 2000 um novo gênero: os florais frutados. J’Adore se diferenciou dos florais tradicionais por ser mais doces e, portanto, mais lúdico e casual, mantendo a feminilidade das notas florais enquanto traziam a suculência das frutas. J’Adore, além de ter sido o precussor do gênero, é também o mais vendido até hoje.

DreamAngelsHeavenly100. Dream Angels Heavenly (Victoria’s Secret, 1999). Imagine um buquê atalcado com notas de peônia, orquídea, íris e violeta. Esse mesmo buquê é agora refrescado com um acorde de mandarina, cardamomo e hera, depois apoiado sobre uma manta sedosa e adocicada de sândalo, baunilha e musk. O resultado é um perfume limpo e quente que simula o cheiro de um hidratante de luxo descansando sobre a pele. Dream Angels Heavenly foi um grande sucesso de vendas na época de seu lançamento.

Anterior: Anos 80

Próximo: 2000-2005

25 pensamentos sobre “Anos 90: Puritanismo

  1. Já usei e ainda uso tantos perfumes desta lista… Analisando o meu estilo, já vi que amo baunilha, patchoulli e rosas brancas… òtimo texto Daniel, já pinei no pinterest minha lista de “usando” ou “usados” – PERFUMES.

  2. Super fantástico êste Post!É um deleite viajar pela perfumaria que tanto amo!Tive e tenho alguns destes perfumes que você postou Daniel!A perfumaria para quem gosta é apaixonante! É o meu vício e tenho que me controlar para não comprar tudo que vejo!Haja cartão de crédito,kkkkk!Parabéns suas publicações são maravilhosas!

  3. boa noite.. pessoal tem um perfume que eu senti pela primeira vez aproximadamente em 1990 (as vezes sinto essa fragrancia na rua)… eu descreveria como um floral verde acho q também um pouco frutado.. uma fragrancia muito boa de sentir… ano passado eu senti essa fragrancia quando passei por um casal a noite aqui na orla… passei umas tres vezes pelo casal so pra sentir a fragrancia… ha muito tempo procuro descobri qual o nome desse perfume pesquisando pela data de lançamento e notas, compro amostras mas ainda nao consegui descobrir… se alguem tiver alguma dica que possa me ajudar a decobrir qual perfume é eu fico muito agradecido.

      • Olá Daniel! obrigado pela resposta! acredito que nao seria esse perfume pela data de lançamento (1997)… e o perfume que me refiro eu senti pela primeira vez no inicio da década de noventa por volta de 90 a 92… como eu disse ele é um floral suave com toque verde/refrescante, (não é herbal e nem aquatico!) muito gostoso de sentir… infelizmente nao sou bom em descrever as notas, as vezes passo em alguns locais com jardins e sinto o aroma floral semelhante ao do perfume mas nao consegui confirmar de qual planta era… continuo a minha busca kkk um dia ainda descubro! da ultima vez que eu senti eu quase parava o casal pra perguntar kkkkk

  4. Oi Daniel, delicioso artigo, parabéns! Quanto ao perfume Pi (Givenchy, 1998), que você não achou justificativa para o nome, creio que ele se refere ao símbolo matemático “pi”, um número irracional que não pode ser escrito como um número finito ou repetindo decimais. O valor aproximado é 3,1416 (definição básica). Inclusive ele tem no rótulo o símbolo do pi, que é a 17a. Letra grega π. Abraço.

  5. Adorei a página! Sou do tipo que compra vários perfumes, às vezes até no escuro para experimentar, só consigo ser fiel ao Coco Mademoiselle e ao Eternity.
    Daniel, pergunta: há uns vinte anos atrás provei uma amostra de um perfume que veio na revista Claudia da minha mãe, na verdade estava pregada no papel da revista, e, gostei tanto do perfume que esfregava a revista no meu pescoço. Eu era criança rs, aquela fragrância marcou tanto que nunca esqueci, porém, nunca vi o perfume em nenhuma prateleira e me parece que era importado. Tinha simbolo de girassol mas não é aquele da Elizabeth Arden, O frasco era menor, redondo estilo do Chance da Chanel. Você conhece algum perfume parecido com esta descrição?
    Parabéns pela página 🙂 um abraço.

  6. Até hoje me pergunto por que o kenzo jungle le tigre foi descontinuado,deixando o insuportável “elefante”(um verdadeiro elefante branco).Só tive um fransco do le tigre (hunpf) e nunca mais o encontrei! Alias,todos perfumes que mais gostei,saíram de linha,como o “Gió”(liquido amarelo forte) de Giorgio Armani…..o “ÔUI” de Lâncome(bárbaro,sensacional,o melhor perfume que ja usei e todo mundo que conheço,gostava).

  7. Gente, na década de 90 só gente rica usava importado! Rs. Até hj tento descobrir em qual deles a Água de Cheiro se inspirou para fazer o CANDICE! Quem lembrar, me avise!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s