Entrevistas com Blogueiros

AdrianoAdriano Guimarães | Perfumólatras O jovem mineiro de Belo Horizonte é o que eu chamo de blogueiro multimídia e multifuncional. Além do site Perfumólatras, Adriano tem fan page no Facebook, canal no YouTube e contas no Instagram e Twitter, todos atualizados com regularidade. Por outro lado, sua coleção de perfumes é enxuta, só com os melhores dos melhores. O blogueiro/vlogueiro tem um estilo direto e incisivo, sem muitas papas nas línguas. COMO É A SUA COLEÇÃO E COMO ELA COMEÇOU? Minha coleção é bem pequena. Tenho apenas 7 perfumes. Meu primeiro importado foi o Kouros de Yves Saint Laurent. Foi muito legal: era minha primeira experiência com importados, eu me sentia bem e as pessoas ao meu redor elogiavam bastante. De nacional, uso desde criança. O primeiro que me recordo foi H204XY da L’acqua di Fiori. QUANDO E COMO VOCÊ SE TORNOU UM BLOGUEIRO? COMO PESSOAS PRÓXIMAS LHE VEEM? Escrevo sobre perfumes desde 2009, migrando para o blog em 2010. Ajudava pessoas em lojas virtuais e comunidades do Orkut. A demanda e o reconhecimento foi tanto que criei um blog para atender a todos. A família vê como loucura. Amigos acham o máximo. QUAL O SEU PÚBLICO? O QUE ELE BUSCA? Escrevo para todo e qualquer tipo de pessoa que goste de perfume, no máximo três vezes por semana. Faço artigos, resenhas e consultorias. Tudo para manter o leitor bem informado e com seu problema resolvido. As postagens mais vistas são as listas (top 10 e similares) como os perfumes masculinos mais elogiados e os femininos que deixam rastro. QUAIS OS SEUS PERFUMISTAS E CASAS FAVORITOS? Jacques Cavallier e Jacques Polge. Além de narizes espetaculares, eles não criam apenas perfumes. Criam, também, identidades. Minha casa comercial favorita é a Yves Saint Laurent. De nicho é Amouage. QUAL O MELHOR E O PIOR PERFUME DO MUNDO? O melhor comercial é o M7 (YSL), hoje descontinuado. De nicho é o Jubilation XXV de Amouage. Quanto aos piores, não cito nomes, mas estilos: os mais doces possíveis e os que lembram excreções. Perfume tem que ter cheiro de perfume, e não de doce, gourmandises. É muita falta de criatividade! Quanto às excreções, não preciso comentar. Um que me marcou muito foi o Allure Édition Blanche de Chanel. Ele esteve comigo nos meus últimos relacionamentos que deram certo, além de conquista de empregos e metas. QUE PERFUME DEU MAIS TRABALHO DE CONSEGUIR? Kingdom, de Alexander McQueen. Foi uma indicação de grandes conhecedores e colecionadores, e eu nunca encontrava. Em um belo dia, passando por uma loja de Belo Horizonte, a gerente disse que iria se desfazer de alguns testers e iria me posicionar sobre eles. Por sorte, um deles era o Kingdom. A busca de alguns anos foi recompensada! QUAL O PERFUME MAIS SUBESTIMADO E O MAIS “HYPADO”? O mais subestimado é o Polo Black. Dizem ser aguado, não fixar e ser caríssimo. Concordo com a parte do preço. Mas comigo, nunca tive problemas dessa natureza. Sempre fui elogiado e tive experiências muito boas com ele. Nada a reclamar. Sempre tenho e sempre indico. Os mais “hypados” são o L’Instant de Guerlain Extrême, Dior Homme Intense e similares. Não vejo graça cheirar a chocolate ou a estojo de maquiagem. Não valem o que custam, jamais. Já tive ambos, não falo isso da boca pra fora. COMO VOCÊ VÊ A SI MESMO E A PERFUMARIA EM 5 ANOS? Com solidez maior do que dos últimos 5 anos anteriores, deixando de ser uma ferramenta pessoal para ser meu trabalho pelo resto da vida. O maior desafio da perfumaria é criar algo diferente, que dure na pele, e que venda muito. Na parte dos comerciais, vejo bem confusa. Na parte dos nichos, mais acessível. Ser “exclusivo” não será mais um privilégio. A perfumaria nacional tem sido fraquíssima até a década passada; poucos se salvavam. Hoje, com a nova geração de perfumistas e tendências, melhorou demais. Destaque maior para Natura e Boticário, com lançamentos cada vez melhores e com qualidade notória. 

CaioCaio Mecca O paulistano, com apenas 20 anos, foi pioneiro no Brasil ao fazer vídeos sobre perfumes no seu canal no YouTube, motivado pela própria escassez de conteúdo sobre o tema. Sua ferramenta de divulgação é o Facebook, especialmente em grupos de aficcionados. Caio admite que já pensou em escrever, mas seu negócio mesmo é a câmera. De fato, tive a oportunidade de conhecê-lo pessoalmente e atesto o seu carisma. COMO É A SUA COLEÇÃO E COMO ELA COMEÇOU? Atualmente eu possuo uns 55 frascos, exclusivamente designers (perfumaria de massa). Não tenho nicho por enquanto. Meu primeiro perfume foi o Dimitri, de O Boticário. Era o perfume do meu irmão, e eu adorava o cheiro nele. Quando ele se casou, eu tive que comprar um para mim e isso me fez ir atrás de muitos outros, e cá estou eu hoje (risos). QUANDO E COMO VOCÊ SE TORNOU UM BLOGUEIRO? COMO PESSOAS PRÓXIMAS LHE VEEM? Comecei em meados de 2010, quando eu procurava arduamente por vídeos de perfumes masculinos e não achava nenhum. Daí pensei: por que não fazer os meus próprios vídeos? E a surpresa foi eternamente grata com enorme reciprocidade e velocidade de crescimento. As pessoas próximas adoram meu hobby e o acham super diferente. Falam que eu sou “rico” por ter tantos perfumes. Quando você sabe onde comprar, os perfumes nem saem tão caros. QUAL O SEU PÚBLICO? O QUE ELE BUSCA? Meus vídeos basicamente são dedicados a quem não tem acesso a lojas de perfumes e quer comprar pela internet, por exemplo. Tento atingir todo tipo de público, não sendo nem tão técnico nem tão coloquial. Faço de tudo! Meus vídeos são sobre resenhas de perfumes masculinos, lugares para serem conhecidos referentes ao mundo da perfumaria, entre outros assuntos exclusivos ao universo da perfumaria masculina. Mas penso em expandir, visto que eu acho esse padrão estabelecido de gênero muito clichê. Eu mesmo uso vários perfumes femininos. Os vídeos de maior sucesso têm sido os rankings, onde eu faço comparativos com uma ordem de preferência sobre um tema específico. QUAIS OS SEUS PERFUMISTAS E CASAS FAVORITOS? Jean-Claude Ellena, por ser tão assertivo, pensar diferente e tentar mesclar o natural com algo único, e Jacques Polge, por sua obra como um todo dentro da Chanel. Essa é, aliás, a minha casa comercial preferida. Para mim, Chanel me passa a sensação de exclusividade e luxo extremo. De nicho eu não conheço muito, mas diria que me encanto muito pela Amberfig e Amouage. Do pouco que eu conheci, gostei muito. Me passam a sensação de algo muito natural e incrível. QUAL O MELHOR E O PIOR PERFUME DO MUNDO? Os meus dois amores comerciais são o Diamonds for Men, de Emporio Armani, e o Allure Homme Édition Blanche, de Chanel. O Diamonds esteve comigo em momentos difíceis da minha mudança da vida adolescente para adulta, além de estar totalmente ligado ao meu amor pelo cacau e vetiver. De nicho, eu simpatizo muito com o Luminescencia da Amberfig e com o Beloved da Amouage. Eu simplesmente odeio o Azzaro pour Homme. Acho ele super “old school” e reconheço sua qualidade, porém ele me remete a um velho caquético e bilionário que mora em Mônaco. E eu não quero ser esse tipo de pessoa (risos). QUE PERFUME DEU MAIS TRABALHO DE CONSEGUIR? Para mim, foi bem difícil achar o A*Men Pure Malt de Thierry Mugler. Eu quis um perfume exclusivo para a minha formatura da faculdade, e nada menos que ele para suprir essa sensação de dever cumprido. Por ser edição limitada, é bem difícil de encontrar, mas tive ajuda de muitos amigos e finalmente consegui! QUAL O PERFUME MAIS SUBESTIMADO E O MAIS “HYPADO”? Acho que o Blue Seduction de Antonio Banderas é muito menosprezado por ser barato e de celebridade. Acho um aquático super usável e muito confortável, com cheiro de perfume caro. Um perfume bastante bom e esquecido é o Arpège pour Homme de Lanvin, um oriental de qualidade com ótima fixação e projeção. Acho o “hype” do Invictus bastante exagerado, bem ao estilo de Paco Rabanne. É um bom perfume para o dia a dia, mas não é o perfume do “gladiador gostosão” como mostra sua propaganda. COMO VOCÊ VÊ A SI MESMO E A PERFUMARIA EM 5 ANOS? Espero atingir 1 milhão de views e, no mínimo, 10 mil inscritos. Espero poder viajar e falar de perfumes nas viagens, além de conhecer os diversos vlogueiros e fazer vários vídeos com eles. Basicamente eu diria que o desafio da perfumaria para o futuro é ser exclusiva. O que se tem hoje em dia é mais do mesmo, nada que fuja dos padrões, que seja diferente e arrisque… E nem acho que seja falta de criatividade dos perfumistas. Infelizmente as pessoas que compram perfumes procuram esse tipo de cheiro, e as obras-primas exclusivas acabam ficando esquecidas. Entendo que, além de criar algo diferente, as campanhas devem ser melhor trabalhadas. Eu gosto bastante da perfumaria nacional, porém falta exclusividade. Entendo também que a questão de impostos é bastante complicada, entretanto existem perfumes excelentes, como a linha da Amberfig, ou até mesmo a Natura, que tem me surpreendido muito ultimamente.

CrisNobreCris Nobre | Templo dos Perfumes Cris foi uma das pessoas que mais ajudou a me desfazer da minha coleção pessoal, especialmente adquirindo os grandes clássicos e os retrôs, ignorados pela maioria. Imediatamente, detectei o perfil sério e engajado da blogueira, sempre muito cuidadosa na escolha (e até pronúncia) dos termos corretos. Seu blog Templo dos Perfumes é uma das maiores fontes de conhecimento em perfumaria para quem realmente se interessa pela arte. COMO É A SUA COLEÇÃO E COMO ELA COMEÇOU? Tenho cerca de 400 perfumes. Tirando as experiências infantis, o primeiro perfume que me pareceu adulto e feminino foi Rive Gauche de Yves Saint Laurent, que pude desfrutar aos dez anos. De alguma forma, aquelas rosas metálicas e distintas foram uma experiência muito significativa que iriam direcionar futuramente meu gosto olfativo e meu ideário sobre o feminino. A descoberta do romântico Chloé Narcisse na adolescência assim como o floral branco elegante que é o White Diamonds ou a convivência antiga com o calor doce e animálico do Tabu foram montando o que eu poderia chamar de um sólido estilo pessoal. QUANDO E COMO VOCÊ SE TORNOU UMA BLOGUEIRA? COMO PESSOAS PRÓXIMAS LHE VEEM? O blog foi criado em 2014, um pouco depois da criação do canal no YouTube com a mesma proposta. A motivação foi puramente passional. Fui digamos motivada pelo autodidatismo e a vontade imensa de fazer com que minhas descobertas olfativas “conversassem” com outrem. Havia uma premência de dividir impressões e conhecimentos adquiridos. Não muito depois de começar minha coleção comecei a escrever no blog e a fazer vídeos sobre o tema. Nem todos do meu círculo mais imediato me compreendem. Digamos que continue um amor solitário. QUAL O SEU PÚBLICO? O QUE ELE BUSCA? Meu público tenho descoberto ser bastante variado. Percebo uma fidelidade e uma ânsia não apenas por saber minhas preferências mas também sobre tendências. É muito comum receber pedidos de resenhas e ajudas. Fico feliz que tantas pessoas venham por vezes tirar dúvidas ou desejem saber minha visão sobre um perfume, mesmo que ela seja estritamente pessoal. Acredito que o meu texto busque o informativo, mas a forma que escrevo também acaba passando uma imagem contemplativa e passional. O resultado acaba sendo, acredito, espontâneo, informativo e tendo fazer sempre um texto cortês. O foco mormente são as seleções de perfumes para dadas ocasiões e os famosos rankings. QUAIS OS SEUS PERFUMISTAS E CASAS FAVORITOS? Gosto de Jean-Claude Ellena e Michel Roudnitska por serem criadores com convicções amorosas assim como também gosto muito de Sophia Grojsman por afinidade. Ela tem uma tendência criativa inconfundível em seus perfumes que casa perfeitamente com meu gosto pessoal. E as criações de Michel Roudnitska para DelRae têm me fascinado bastante pela força expressiva e sensível de suas criações. Gosto de Hermès e Guerlain pela tradição e elegância. QUAL O MELHOR E O PIOR PERFUME DO MUNDO? Tenho fidelidade a alguns perfumes comerciais como White Diamonds, Rive Gauche, Tabu e Ô de Lancôme. Meus nichos favoritos são: Amoureuse, Début e Bois de Paradise (todos de DelRae), além de Arabie de Serge Lutens. Alguns perfumes me incomodam ou não me chamam a atenção, mas não consigo sinceramente eleger algum como o pior. QUE PERFUME DEU MAIS TRABALHO DE CONSEGUIR? Vivo numa busca incansável por perfumes antigos. Tenho certa dileção por esses antigos tão difíceis de achar, especialmente os em bom estado de conservação. É difícil avaliar qual foi mais difícil de conseguir. Para mim são muito preciosos porque foram conseguidos com muito sacrifício, seja financeiro ou de tempo. QUAL O PERFUME MAIS SUBESTIMADO E O MAIS “HYPADO”? Tabu e os clássicos que ainda são fabricados pela Avon são aqui no Brasil os mais injustamente desprezados. Estou sempre na defesa desses perfumes que trazem sim grandes virtudes, além de terem uma importância na história das penteadeiras perfumadas das brasileiras. Mas no geral os perfumes “vintage” costumam ser bastante desprezados pelos mais jovens, o que também considero assaz injusto. Alguns perfumes Tom Ford e Serge Lutens são os que poderia chamar de superestimados. Deixo como recomendações de perfumes a serem descobertos: Coriandre (Jean Couturier), chipre dos melhores. Também recomendaria A Scent de Issey Miyake, floral verde primoroso. COMO VOCÊ VÊ A SI MESMA E A PERFUMARIA EM 5 ANOS? Espero que o blog continue ativo e vivaz, e em conectividade com outros blogs de perfumaria brasileiros. Acredito que eu possa ainda escrever muito, pois no momento tenho parado para estudar e me aperfeiçoar sobre o tema. Em relação à perfumaria, acredito que haverá um confrontamento entre o marketing e o espírito assim como crescerão os problemas em torno das restrições em torno das matérias-primas. A tendência da natural perfumery e o ingresso na perfumaria independente farão parte do atiçamento da cultura de nicho versus popularesco. Com grande público consumidor e perspectivas promissoras carecemos, porém, de maior e melhor investimento na criatividade. Necessita-se de maior engenhosidade. pois vejo infelizmente uma tendência a ceder sempre ao fácil e comerciável, sem grandes arroubos de espirituosidade nas criações. 

DianaDiana Alcântara | A Louca dos Perfumes Diana foi uma das primeiras pessoas que eu conheci no mundo dos perfumes. De uma extrema humildade, autencidade e simpatia, a blogueira prontamente aceitou o desafio de ser uma das minhas cobaias, com e-mail diários de feedback, super bem-elaborados. Para a felicidade de todos nós que amamos perfumes, sua longa experiência perfumística encontra-se disponível em seu blog rico, irreverente e honesto, sem mimimis. COMO É A SUA COLEÇÃO E COMO ELA COMEÇOU? Tenho aproximadamente 300 frascos. O primeiro foi o Joop Femme. É curiosa a história do meu primeiro encontro com ele… Quando eu tinha uns 10 anos, saí um dia para arrecadar prendas para a festa junina da escola (sabe, você pega na secretaria da escola aquele ofício carimbado e vai no comércio local pedir contribuição para a festança). Nesse dia, eu entrei em uma perfumaria onde nenhuma outra criança entrou, afinal, era óbvio que não ganharíamos um perfume “francês” de prenda para a pescaria… Mas eu, munida de toda minha insolência (e esperança), fui lá… E não é que ganhei uma amostrinha do Joop Femme? Lá na hora, na perfumaria mesmo, abri o frasquinho e cheirei… Fui aos céus! E ainda tive a ousadia de falar para o rapaz da loja que tinha acabado de fazer a quermesse mais cheirosa: “ah, não vou levar ele na escola não, vai ficar pra mim!” A infância e sua sinceridade… E sim, fiquei com o frasquinho, com a aprovação risonha e simpática do dono da perfumaria! E sim, assim que tive dinheiro comprei um Joop Femme, devia ter uns 16 anos. QUANDO E COMO VOCÊ SE TORNOU UMA BLOGUEIRA? COMO PESSOAS PRÓXIMAS LHE VEEM? Escrevo no blog desde agosto de 2012. Outros blogs me inspiraram a dar o passo de escrever, de colocar em palavras o que os perfumes representam para mim. Entre amigos e familiares, uns me admiram, outros me acham demente. Muitos me perguntam se eu não deveria comprar roupas ou qualquer outra coisa ao invés de tantos perfumes. Mas, no final, minha coleção é “atração” para todos que frequentam minha casa. QUAL O SEU PÚBLICO? O QUE ELE BUSCA? Escrevo para fãs da perfumaria em geral, em média duas vezes por semana. O foco são resenhas sobre perfumes, porém gosto de escrever artigos sobre matérias-primas, passagens históricas que remetem a perfumaria e buscar textos de escritores, poetas, e até estudos científicos sobre o assunto. O pessoal curte mais as resenhas. E já teve gente que ficou brava se não elogiei perfumes que seriam de seu gosto. Os mais lidos e curtidos são dois: uma vez falei sobre a história da Avon e sua importância para o mundo da perfumaria e para o papel da mulher no mercado de trabalho; outra vez um post sobre o polêmico perfume Tabu de Dana. QUAIS OS SEUS PERFUMISTAS E CASAS FAVORITOS? Não tenho perfumistas favoritos. Acho que quase todos já criaram obras-primas e grandes abacaxis. Gosto muito do Serge Lutens pela qualidade, ousadia e, por que não dizer, preço. Entre os nichos são uns dos mais acessíveis. QUAL O MELHOR E O PIOR PERFUME DO MUNDO? Os da Molinard, Guerlain, Lolita Lempicka, Thierry Mugler, Jacomo, Les Néréides, Serge Lutens, Nez à Nez, entre tantos outros. Gosto de tanta coisa… Não existe um pior perfume. O que não me agrada por ser objeto de adoração de outros, então ele não pode ser considerado o pior. QUE PERFUME DEU MAIS TRABALHO DE CONSEGUIR? Perfumes vintage. O extrait do Arpège, o My Sin, ambos da Lanvin. Também foi difícil de encontrar foi o Tabu da década de 50. Consegui lacrado no eBay alemão. Perfumes vintage, no geral, dão trabalho e custam caro. QUAL O PERFUME MAIS SUBESTIMADO E O MAIS “HYPADO”? Perfumes de preço menor, em geral, são os mais subestimados. As pessoas têm a triste mania de associar preço baixo com má qualidade. O mais “hypado” é o La Vie Est Belle. Tanta festa pra pouca novidade. Como indicação de perfumes ignorados e maravilhosos deixo a Art Collection da Jacomo, todos os três. Desconhecidos, criativos, surpreendentes! Vale muito a pena conhecer. E o belíssimo e pioneiro Nirmala da Molinard, pai dos gourmands, nascido na década de 50. COMO VOCÊ VÊ A SI MESMO E A PERFUMARIA EM 5 ANOS? Espero que o blog cresça, receba patrocínios e eu fique rica! Mentira, quero mesmo é continuar tendo meu espaço para escrever sobre essa paixão e dividir com outros apaixonados! Olha, acho que a perfumaria comercial deveria parar de visar tanto o lucro através de perfumes fáceis de agradar as massas e buscar originalidade. Quem sabe olhar um pouco para a perfumaria do passado e resgatar conceitos. Acredito que nos próximos anos as marcas comerciais lançarão cada vez mais perfumes para agradar grandes parcelas da população e as marcas de nicho se afastando cada vez mais desse sentido. Uns cada vez mais baratos, outros cada vez mais caros, e com razão, em ambos os lados. Mas torço fortemente para estar enganada. Vejo a perfumaria nacional engatinhando. Grandes marcas deviam parar de se inspirar em criações internacionais e tentar algo novo de fato. 

BethElisabeth Casagrande | Perfume Bighouse Com um site que faz referência ao seu sobrenome em inglês, Beth é uma das maiores veteranas entre os blogueiros de perfumes do Brasil. Seu estilo é único e artístico, descrevendo apaixonadamente fragrâncias com seus aspectos positivos, sensações e características úteis ao leitor. A blogueira não perde tempo com composições que não lhe agradam; críticas ácidas e desagradáveis não fazem seu perfil. COMO É A SUA COLEÇÃO E COMO ELA COMEÇOU? Praticamente há 10 anos como “acumuladora de perfumes”. Tenho muitos na aromateca: frascos, miniaturas e infinitas amostras. Não me preocupo em contar. Desde que me lembro uso perfumes da minha mãe. Marcante foi o primeiro importado que comprei com meu salário aos 17 anos: um Payot, muito doce, cujo nome não consigo lembrar (risos). QUANDO COMO VOCÊ SE TORNOU UMA BLOGUEIRA? COMO PESSOAS PRÓXIMAS LHE VEEM? Comecei em 2007, descrevendo meus preferidos nas redes sociais; o blog surgiu em 2009. A motivação foi a procura de um substituto para meu “parfum signature”, Mystère de Rochas, descontinuado. Inicialmente, houve uma rejeição profunda por parte de amigos e familiares (risos). Como uma pessoa de formação superior, meia idade e bióloga/professora poderia dedicar tanto tempo à atividade “tão fútil”? Com o passar dos anos, a restrição foi se perdendo. QUAL O SEU PÚBLICO? O QUE ELE BUSCA? Sem qualquer rotulação. A perfumaria é democrática. Para gostar basta ter sensibilidade e olfato. No momento, esse grupo ampliou, porém o objetivo básico continua: compartilhar minhas impressões com quem gosta de perfumes. Alguns se envolvem no literário, outros procuram informações concretas. Também pedem dicas para o uso ou listas de perfumes e similaridades. Resenhas especiais sobre perfumes clássicos ou descontinuados são muito consultadas. QUAIS OS SEUS PERFUMISTAS E CASAS FAVORITOS? Gosto de muitos, entretanto, admiro em especial o trabalho de Michel Roudnitska pela sua extensa pesquisa, aromas de qualidade/diversidade irrefutáveis e personalidade artística. Aprecio igualmente as casas inglesas que conheço. Suas fragrâncias apresentam uma aura de elegância e abstração. A lista é extensa e está no blog em “Magníficos“. QUAL O MELHOR E O PIOR PERFUME DO MUNDO? Na verdade o pior é o perfume oxidado, rançoso. De maneira geral, tenho alguma restrição às saladas de frutas aromáticas e as notas muito proeminentes de zimbro nos masculinos. Os que mais marcaram foram da minha mãe, durante a minha infância. Ela usava de Chanel a Avon, passando pelos clássicos de Vigny, Coty, Rubinstein. Dos 20 aos 30 anos, Mystère parecia definir minha essência; hoje talvez ele não fosse tão especial. Gosto muito do Bois de Paradis. QUE PERFUME DEU MAIS TRABALHO DE CONSEGUIR? Mystère. Depois que me dei conta do seu desaparecimento, vasculhei a web e acabei encontrando num vendedor chinês. Guardo com carinho; é a recordação de uma época de vida. QUAL O PERFUME MAIS SUBESTIMADO E O MAIS “HYPADO”? Tabu (Dana), que marcou um momento da nossa história, é classificado “perfume de pobre” por ser barato num elitismo despropositado. Não me interesso pelos revestidos apenas do luxo monetário. Durante um período, fiquei decepcionada com o aspecto artificial de Serge Lutens, que era uma verdadeira idolatria entre os amigos colecionadores. Entretanto, gosto de Arabie e Chergui. COMO VOCÊ VÊ A SI MESMA E A PERFUMARIA EM 5 ANOS? Não sei se os blogs terão esse mesmo formato, contudo me vejo no circuito, escrevendo mais e mais. Talvez Perfume Bighouse se torne um clássico com público fiel, uma referência por antiguidade e confiabilidade. A perfumaria mundial terá o desafio de escapar dos interesses capitalistas que direcionam as criações e também descobrir um aroma novo neste universo quase totalmente explorado. Vejo os caminhos extremados: megagrupos dominarão mais e mais, determinando atitudes e mercado; por outro lado, cresce o número de pequenos perfumistas voltados ao natural, às raízes da alquimia, pouco conhecidos, consumidos regionalmente. A perfumaria nacional parece que estagnou, seguindo tendências sazonais, apostando em sucessos garantidos. Nós temos recursos técnicos, investidores, o melhor e mais ávido consumidor. Temos o capital e o retorno. Poucos perfumistas e escolas de perfumaria, mas eles existem. Falta a ancestralidade artística que impulsiona o lado criador como na Europa e no Oriente. Outros países do continente americano encontraram caminhos. Com algumas exceções, parecemos um mercado que segue tendências, que não determina ou cria.

RickHenrique Perrella | PDD – Perfume do Dia O jovem paulista de 27 anos, nascido em São Bernardo do Campo, é uma das grandes referências de perfumaria no Brasil e já até recebeu o carinhoso apelido de “enciclopédia de perfume” entre amigos físicos e virtuais, sem contar ter um dos maiores acervos de raridades do país, de valor inestimável. Rick escreve com frequência diária sobre quase tudo no mundo dos perfumes, dos populares e artesanais aos mais luxuosos e raros do mundo, passando por moléculas, perfumistas e tendências. Ele procura, em seus textos ricos e altamente descritivos, passar as sensações que cada perfume lhe proporciona, divulgando seu trabalho no Facebook. COMO É A SUA COLEÇÃO E COMO ELA COMEÇOU? No mínimo 300 frascos. Meu primeiro nacional foi o Avon Class Act e o primeiro que eu comprei com o meu dinheiro foi o Natura Atmos. O primeiro importado foi M7 de Yves Saint Laurent, que acabou despertando o interesse mais profundo pela perfumaria. A cada compra eu ampliei meus horizontes. Foram grandes conquistas para um adolescente que não trabalhava e não tinha uma mesada grande. QUANDO E COMO VOCÊ SE TORNOU UMA BLOGUEIRO? COMO PESSOAS PRÓXIMAS LHE VEEM? Já escrevia meus textos nas comunidades do Orkut a partir de 2005. O PDD – Perfume do Dia começou em 2010. Comecei a escrever para registrar minhas impressões dos perfumes que eu testava. Além do fato de que a apreciação das pessoas pelo que eu escrevia me motivou a continuar. Minha família me apoia e vê como algo que deveria me levar a seguir carreira profissional na área. QUAL O SEU PÚBLICO? O QUE ELE BUSCA? Eu escrevo primeiramente para mim. Como cubro perfumaria nacional, comercial, de nicho e artesanal, não me vejo com um público específico. Em geral, os leitores curtem as avaliações dos perfumes que são mais conhecidos. Normalmente, a avaliação de perfumes masculinos, como M7, L’Instant de Guerlain pour Homme e Bleu de Chanel estão entre os mais visualizados de todos os tempos. As últimas mais vistas são do Natura Homem Madeiras, Essencial Masculino Estilo e Dior SauvageQUAIS OS SEUS PERFUMISTAS E CASAS FAVORITOS? Jean-Paul Guerlain, Mathilde Laurent, Bertrand Duchafour, Paul Kiler, Shelley Waddington e Vero Kern. O que os torna tão especiais é um estilo bem definido que não parece ceder a ideias comerciais genéricas. Casa comercial favorita: Guerlain, pois os clássicos são atemporais e a assinatura olfativa sofisticada e apaixonante. De nicho, Serge Lutens, pela diversidade dos conceitos artísticos. QUAL O MELHOR E O PIOR PERFUME DO MUNDO? Difícil definir, são muitos, mas além do citado M7, sou apaixonado pelo Dior Homme, Bois d’Arménie (Guerlain) e o Nu de YSL (original). O pior é o Sécrétions Magnifiques (État Libre d’Orange) – o cheiro é pavoroso, me remete a sangue, ovo e vômito de cachorro. QUE PERFUME DEU MAIS TRABALHO DE CONSEGUIR? Must de Cartier Vert Anis. A busca foi feita por um amigo, que me deu de presente de aniversário. Passei anos procurando esse perfume sem nunca conseguir encontrar. QUAL O PERFUME MAIS SUBESTIMADO E O MAIS “HYPADO”? Os mais “hypados” são praticamente todos os perfumes da Creed – parecem criações comerciais. Os frascos são feios e o preço é abusivo. Os subestimados são muitos, mas eu indicaria os perfumes da casa indie Smell Bent, que tem um bom preço e são divertidos nos nomes e cheiros. COMO VOCÊ VÊ A SI MESMO E A PERFUMARIA EM 5 ANOS? Comecei a ser blogueiro como algo que deveria me levar a seguir carreira profissional na área e vejo meu blog no futuro como uma grande base de dados de avaliações de perfumes. Esse sempre foi o meu foco. O maior desafio da perfumaria mundial nos próximos anos será encontrar um equilíbrio entre inovação e a batalha pelo custo baixo. Vejo ainda presa em um momento de aversão a riscos. É provável que nesse tempo vejamos o mercado independente ganhar ainda mais força. A nacional tem evoluído com o tempo, tentando se adaptar às tendências olfativas e oferecer criações mais luxuosas.

LucianaLuciana Marques | Floral & Amadeirado Não a conheço pessoalmente, mas sei que partilhamos de algumas paixões: além da escrita, perfumaria e psicologia, ambos temos um estilo digamos “ácido, obscuro e melancólico”. Além do seu maravilhoso blog Floral & Amadeirado, Luciana também usa o YouTube para postar vídeos esporadicamente, mas essa não é a sua praia (aliás, como eu, a blogueira também não curte praia). COMO É A SUA COLEÇÃO E COMO ELA COMEÇOU? Hoje eu tenho pouco mais de 15 frascos. Dizimei a coleção antiga (fruto de puro vício) e recomecei do zero em agosto de 2014. Qualquer compra leva muito tempo para ser realizada. Me lembro de ter ganhado no meu aniversário de 13 anos um Anaïs Anaïs (Cacharel) e ter odiado na pele, mas amava borrifar dentro do armário, pois as roupas ficavam com um cheiro sutil e maravilhoso. Logo depois, ganhei um Timeless da Avon, do vidro com tampa dourado, e daí o encantamento foi pleno! QUANDO E COMO VOCÊ SE TORNOU UMA BLOGUEIRA? COMO PESSOAS PRÓXIMAS LHE VEEM? Eu tive o impulso de criar o blog em 2009 e o mantive até 2010. Retomei as resenhas somente em janeiro de 2015 e estou tentando me manter ativa! Eu sempre amei perfumes e, na época em que comecei a “colecionar”, passei bons finais de semana pesquisando sobre perfumes. A ideia do blog surgiu como uma possibilidade de interação, onde eu poderia falar sobre a minha experiência com outros bloggers e leitores. As pessoas mais próximas no começo viram isso como algo de consumismo louco. Hoje em dia aceitaram um pouco mais e chegam a fazer brincadeiras como “você precisa começar a ganhar dinheiro com isso e não só gastar, hein”. QUAL O SEU PÚBLICO? O QUE ELE BUSCA? Eu acredito que escrevo para quem gosta de mergulhar no texto e viajar lado a lado com quem o escreve! Gosto de partilhar sensações. Posso dizer que o texto amadureceu em relação ao primeiro ano do blog. Hoje não me detenho apenas ao perfume, pois compreendo a experiência olfativa como algo mais amplo e vivencial. Envolvo cultura, música, literatura e alguns ideais que esbarram no contexto social. Vejo o blog como meu escapismo e lá meu devaneio abarca o perfume, um pouco do meu olhar sobre o mundo que ajuda a compreender a fragrância. As mulheres preferem as resenhas em combo, onde discorro sobre 3 ou 4 perfumes. Já o público masculino prefere meus textos mais irônicos, onde alguns padrões são colocados em questão. Minha publicação mais acessada é a Família J’Adore, o que não me é surpresa, pois J’Adore é um dos perfumes mais vendidos. Logo atrás vem a publicação Borrifando em 50 Tons de Cinza, onde o tom irônico do blog é acionado e eu realizo escolhas perfumísticas para os momentos BDSM que vive a personagem do livro. QUAIS OS SEUS PERFUMISTAS E CASAS FAVORITOS? Jacques Polge e toda concretização de um ideal Chanel de ser. Minhas casas comerciais favoritas são Narciso Rodriguez e Chanel por sua sobriedade, elegância, simplicidade e qualidade olfativa. Em perfumaria de nicho, minha experiência ainda é muito pequena para eleger uma casa favorita, mas posso nomear Keiko Mecheri e Tauer como queridinhas. QUAL O MELHOR E O PIOR PERFUME DO MUNDO? Meus favoritos, sem ordem de preferência: Narciso Rodriguez For Her EDT, Essence (também de Narciso), Chanel No. 5 Eau Première, Chanel No. 19 EDP, Attar de Roses (Keiko Mecheri), Rose Flash (Tauer), Stella EDP (Stella McCartney) e L’Instant de Guerlain EDP. Um que me tocou recentemente foi o Eau de Charlotte de Annick Goutal: algo muito emocional, um sentimento adormecido há tempos que foi remexido e que me trouxe lágrimas. Eu o uso quando me sinto mal, pois ele me traz a paz de um abraço, como se nada de ruim pudesse acontecer! Quanto ao pior, escolha difícil, mas posso apontar o Egeo Dolce de O Boticário. Não pelo perfume em si mas com seu mau uso. A massificação que cansa o olfato e a ausência de personalidade que carrega um grande hit. QUE PERFUME DEU MAIS TRABALHO DE CONSEGUIR? Não tenho nenhuma raridade comigo, mas foi difícil conseguir qualquer nicho até me familiarizar com os grupos do Facebook e bons vendedores. QUAL O PERFUME MAIS SUBESTIMADO E O MAIS “HYPADO”? Sem dúvida o mais injustiçado é o Eden de Cacharel: um clássico com cheiro de cabaré tropical que é massacrado constantemente. Ele é denso, cheio de facetas e creio que os narizes de hoje tenham dificuldade em compreendê-lo. O Coco Mademoiselle é um dos maiores hypes que já vi surgir. É sem dúvida um bom perfume, mas não é a oitava maravilha do mundo. COMO VOCÊ VÊ A SI MESMA E A PERFUMARIA EM 5 ANOS? Vejo o meu blog como algo estável, talvez com novo layout, pois nunca estou feliz com o que uso, e com resenhas mais amadurecidas pela experiência olfativa que o tempo trará. Perfumaria mundial: de um lado tentando vender e cada vez mais menos complexa, previsível e chata; de outro, intencional, fechada em si e com um alto crescimento de marcas independentes que tentem fugir às tendências. O maior desafio é não cair na mesmice. Perfumaria nacional: ah, um potencial imenso e um medo de tentar inversamente proporcional! Nisso se detém a reprodução de conceitos já consagrados, ondas da moda e qualidade mediana, salvo um ou outro perfume mais ousado que fatalmente sairá como edição limitada.

PriscilaPriscila Lini | Parfumée Morando em Foz de Iguaçu, Priscila tem uma vantagem estratégica: pode facilmente cruzar a fronteira e garimpar perfumes no paraíso consumista de Ciudad del Este, no Paraguai. Foi a própria geografia que levou a moça a escrever sobre perfumes em seu blog Parfumée, hoje uma das maiores referências para os aficionados. COMO É A SUA COLEÇÃO E COMO ELA COMEÇOU? Na minha última contagem, são 114 frascos, fora miniaturas e flacons. O meu primeiro perfume foi um delicioso, que até hoje não me perdoo por não o ter guardado. Chamava-se Quiquinette Quiquinous, lindo de viver. Foi minha primeira experiência sensorial olfativa. Um que me marcou foi o Opium de Yves Saint Laurent, porque usei no meu casamento, num frio de zero grau. QUANDO E COMO VOCÊ SE TORNOU UMA BLOGUEIRA? COMO PESSOAS PRÓXIMAS LHE VEEM? Como moro em Foz do Iguaçu, e já trabalhei com comércio exterior, conheço bons fornecedores em Ciudad del Este. Com este conhecimento, amigos e conhecidos vinham perguntar onde comprar perfumes. Assim comecei o Parfumée há dois anos. Todos amam! Incentivam, pedem resenhas e dicas, e já sabem como me presentear. QUAL O SEU PÚBLICO? O QUE ELE BUSCA? Pessoas interessadas em comprar um bom perfume, no Brasil ou em Ciudad del Este. Gosto de uma linguagem descontraída e atual, como uma conversa entre amigos. Vejo um feedback positivo nas dicas de compras em Ciudad del Este (o que é confiável e o que não é) e como comprar perfumes importados (cálculo de custos e impostos). QUAIS OS SEUS PERFUMISTAS E CASAS FAVORITOS? Jacques Cavallier, para os doces, e Olivier Cresp, o melhor para limão, incenso e madeira. Quanto às casas, adoro Kenzo e suas fragrâncias criativas e bonitas, e Guerlain com todas as suas obras primas e a inconfundível ‘guerlinade’. De nicho, Bond nº 9, por sua identidade e alta qualidade, Annick Goutal, por sua poesia e romance, e État Libre d’Orange, por sua irreverência que beira o absurdo. QUAL O MELHOR E O PIOR PERFUME DO MUNDO? São tantos! Amo vintages como Poison (a versão EDP de 85 a 88), Opium (de 83 a 87), Shalimar e Eden. Entram na lista também o Kenzo Jungle l’Éléphant, Chinatown e Eau de New York, ambos de Bond nº 9, e o sabonete delicioso do Écoute Moi da Molinard. Não sei se existe algo como pior, porque há a questão da pele, da memória envolvida na percepção de cada um. Um que não funcionou comigo foi o famosíssimo Angel, que fica com cheiro de cacau azedo. QUE PERFUME DEU MAIS TRABALHO DE CONSEGUIR? Um Diorama, que me deu uma dor de cabeça danada até chegar em minhas mãos. Também teve a saga por um tester Escada S, quando soube que foi descontinuado. QUAL O PERFUME MAIS SUBESTIMADO E O MAIS “HYPADO”? Acho triste quando um perfume se afoga no próprio sucesso, e aí começa um certo preconceito… Aconteceu com Azzaro, Ted Lapidus, LouLou e 212 Sexy. Aí começa uma guerra entre fãs e haters, e um certo menosprezo, porque ficou batido. Também tem a injustiça com nacionais e Avons da vida, só por causa do preço e da popularidade. Alguns me fascinam justamente pelo exagero como as sufocantes flores brancas do Arpége de Lanvin, o soco de aldeídos de White Diamonds de Elizabeth Taylor e o drama do Paloma Picasso… COMO VOCÊ VÊ A SI MESMA E A PERFUMARIA EM 5 ANOS? O blog é um projeto muito pessoal, e não quero que se perca por tendências comerciais excessivas, parcerias sufocantes, resenhas encomendadas… Gosto de poder misturar esse estilo espontâneo com a sofisticação que envolve o universo das fragrâncias. Acredito que em 5 anos o blog terá crescido de maneira lenta, gradual. O desafio da perfumaria é a equação exclusividade x preço. Todos querem uma sofisticação exclusiva, e ao mesmo tempo, rendem-se às tendências de mercado. Também tem o aspecto da adequação às matérias-primas, que vem exigindo adaptações à indústria de maneira muito rápida, principalmente nos quesitos ética e sustentabilidade. O marketing será mais próximo, com uma abordagem mais pessoal e dinâmica, que ‘falará’ com o consumidor. O brasileiro, no geral, teve contato com bens de consumo mais sofisticados graças a uma abertura de mercado recente, de uns vinte anos para cá. Também tem a questão do clima quente, do cotidiano, e da questão tributária absurda. Então o que acontece: o mercado nacional exige uma qualidade grande, mas que nem sempre se mostra viável na questão de custo. Fora as estratégias equivocadas de marketing. Não acho que a perfumaria nacional seja ruim, ou falte qualidade. Mas às vezes mostra-se bastante inadequada à realidade local.

SimoneSimone Shitrit | Mais Que Perfume Simone escreve sobre perfumes há sete anos em seu blog Mais Que Perfume. Com textos em português e inglês, a blogueira tem presença internacional e é uma das nossas maiores formadoras de opinião. Suas postagens são muito variadas, de dicas e conceitos básicos a artigos complexos sobre o universo olfativo, passando por entrevistas com perfumistas e relatos de viagens mundo afora. Simone tem um perfume favorito para si e outro para o marido, e só me revelou depois de muita insistência e promessa de não divulgar ao público (ela os preserva como “segredo íntimo”). Só posso dizer que ambos são incríveis. COMO É A SUA COLEÇÃO E COMO ELA COMEÇOU? Atualmente a minha coleção está reduzida, mas já tive uma muito grande. Hoje vejo que não consigo usar tantos perfumes. Por isso dei vários para não estragarem sem serem admirados. A coleção começou quando uma conhecida tinha acesso aos perfumes num preço muito reduzido. Comprei vários. Foi antes de começar a escrever. Acho que nos anos 90. QUANDO E COMO VOCÊ SE TORNOU UMA BLOGUEIRA? COMO PESSOAS PRÓXIMAS LHE VEEM? Comecei a escrever em 2008. Foi durante uma fase em que eu estava estudando perfumaria. Meus amigos são fascinados pelo meu conhecimento e adoram meus artigos. Meus familiares acham que eu escrevo bem, mas acham uma perda de tempo porque não ganho dinheiro com isso. Meu marido acha maravilhoso que eu tenha uma paixão e que eu não ligue para a opinião das pessoas que acham que eu perco o meu tempo. Ele me dá muito apoio. QUAL O SEU PÚBLICO? O QUE ELE BUSCA? Meu público é estrangeiro, homogêneo e mais maduro. Como o blog tem muitos artigos sobre marketing, tendências, pesquisas, projetos etc, interessa a ambos os sexos. Não escrevo sobre perfumes que interessam ao público adolescente. Meus leitores querem ir além das resenhas, gostam de artigos, principalmente se forem polêmicos. QUAIS OS SEUS PERFUMISTAS E CASAS FAVORITOS? Adoro Jean-Claude Ellena. Gosto de muitas casas. Atualmente estou usando uma marca nova: NANA.M. QUAL O MELHOR E O PIOR PERFUME DO MUNDO? O melhor perfume é aquele que te deixa brilhar, só que com mais glamour. O pior perfume é aquele que abafa a sua personalidade. Gosto muito de perfumes da família Chipre. Adoro notas salgadas, minerais, íris, patchouli, âmbar. Detesto oud e perfumes com notas de frutas doces muito intensas. Um perfume que me marcou muito foi Poison da Dior. Todo mundo usava! Eu gostava mais do Tendre Poison. Detesto Sécrétions Magnifiques da État Libre d’Orange. Apesar de Luca Turin ter classificado como 5 estrelas, eu acho que ele deve ter sido usado como método de tortura (risos). QUE PERFUME DEU MAIS TRABALHO DE CONSEGUIR? Nenhum perfume me deu trabalho para conseguir. Conquistei uma posição que me permitiu conseguir tudo que quis. Acho que o mais difícil foi o que estou desenvolvendo agora. Está difícil de conseguir chegar lá.  QUAL O PERFUME MAIS SUBESTIMADO E O MAIS “HYPADO”? Acho que as pessoas dão muito valor para os perfumes de Serge Lutens. Não acho que são tão bacanas assim. Não consigo pensar em algum subestimado. Não vejo nenhum como incrível e que outras pessoas não adorem … Amo os perfumes da marca CB I Hate Perfume, mas são perfumes conceito, difíceis de usar. Gosto de abrir os frascos e ficar cheirando… COMO VOCÊ VÊ A SI MESMA E A PERFUMARIA EM 5 ANOS? Em 5 anos me vejo fiel ao meu gosto pessoal. Experimento muita coisa, mas volto sempre para os meus perfumes favoritos. Vejo a perfumaria de nicho precisando se reinventar. Voltar a ser criativa, luxuosa é exclusiva. Ou que se crie uma nova classe para esses perfumes. Chamamos eles de “indie” (independentes). Hoje a perfumaria de nicho está se transformando. A quantidade de blogs sobre perfume aumentou em números exponenciais. Reflexo disso talvez. Muito conteúdo. Muitas pessoas escrevendo, muitas marcas surgindo. Eu procuro escrever num volume mais reduzido de artigos, pois acho difícil achar perfumes que realmente apresentam um algo mais que merecem a atenção do meu público. A perfumaria nacional provavelmente sofrerá com a crise, com o dólar alto as matérias-primas também encarecem. Seria interessante investir mais em matérias-primas locais de qualidade. A Natura já vem fazendo isso. Precisamos de uma identidade mais brasileira. As criações daqui imitam muito as internacionais. 

Próximo: Reflexões

37 pensamentos sobre “Entrevistas com Blogueiros

  1. Não poderia ter escolhido blogueiro melhor para iniciar a série, dentre os muitos que hoje temos por aqui e nos outros grupos. O Condé foi uma referência para muita gente nos comentários que fazia nos sites de compra. Era o que havia de referência na época e realmente alguns comentários ajudavam muito a fazer uma ideia sobre o perfume. E dessa forma alguns nomes se tornaram bem conhecidos, como o Condé, Alfaron, Shark, só para citar alguns. Bom que a Internet acabou dando ferramentas para que pessoas com conhecimento em diversas áreas pudessem se mostrar ainda mais. E com isso O Perfumístico se tornou referência. E o Fábio Condé uma referência em nosso grupo, como um dos fundadores, administrador, mas principalmente companheiro de Net e amigo.

  2. o caminho da “perdição” começa qdo vc vai digitar no Google “melhores perfumes”, depois, cair num tal de Operfumistico, começar a pegar as dicas e comprar perfumes. a cousa começa tomar proporções maiores e qdo vai ver não tem mais volta. alguém por aqui conhece algum ex-viciado em perfumes? rsrs. depois do primeiro frasco um alento ao usuário: “bem vindo ao clube”. 😎

  3. Fábio Condé é o maior culpado por ter encontrado esse mundo maravilhoso dos perfumes. Seu Blog me instigou a pesquisar, garimpar e encontrar perfumes que fizeram parte do início da minha coleção. Grande pessoa e irmão!!

  4. O Condé de fato foi o responsável por muita gente – e eu me incluo aí – ter tomado gosto pela coisa e um dos motivos disso, a meu ver, é que, no meio de tantas marcas e tantas criações de cada uma sendo vendidas nas lojas – são centenas -, sendo a maioria dessas criações apenas medianas, ele nos dá uma direção, um ponto de partida pra começarmos as buscas pelo que gostamos. Antes, quando eu era mais noob no assunto do que ainda sou hoje – e me sinto mais noob cada vez que leio um post do Daniel Barros nos grupos de perfumes -, me sentia perdido quando entrava numa loja cheia de perfumes e com vergonha de pedir por algo já que nem sabia o que pedir – eu não conhecia nada, só o “polo verde” rs – e tudo que os vendedores me mostravam eu não curtia o suficiente a ponto de levar, daí eu ficava com vergonha de ficar uma hora testando uma pancada de coisa, não gostar muito de nada e sair de mãos vazias por causa disso. Depois que conheci o blog do Condé, quantas vezes fui a perfumarias já sabendo o que procurar: com um pedaço de papel no bolso e nele escritos os tops dele ou perfumes que ele tinha rasgado elogios em suas resenhas. E foi só aí que comecei a encontrar perfumes de que eu gostava de verdade e fui, com o tempo, pegando gosto pelo hobby. Resumindo: o Condé é o responsável por eu, hoje, andar todo rasgado na rua – já que não me sobra dinheiro pra comprar roupas – e cheirando a perfumes que a maioria não entende, quase todos fecais.

  5. Um trabalho de mestre… a mestre… (Condé e Daniel Barros), parabéns aos dois cobras desse nosso mundo de fragrâncias… Lembro que acompanhava os comentários dele, desde os tempos da antiga Sack’s, Free Itália, E desde 2006.. qdo iniciei a minha coleção.. muitas vezes e até hj, abri mão, de comprar outras coisas em prol dos perfumes.. mas não me arrependo nem um pouco.. pelo contrário.. é sempre prazeroso.. Ótima matéria… Abs!!

  6. Elisabeth é uma querida! o blog dela é uma das coisas mais lindas muito bem feito, administrado e muito rico em história! (gosto muito)
    já esse senhor é por deveras ególatra. Eu particularmente não aprecio e tão pouco gosto do blog dele (desculpem mas gosto é gosto) de conteúdo raso é muito voltado para pessoas que usam gírias como “balada, brow, mermão …” . classe e distinção passam longe desse lugar comum.

  7. Pingback: Entrevista com Blogueiros – Ego in Vitro | Aloucadosperfumes

  8. Muito legal esta iniciativa, Diana e Elisabeth são incríveis ao escrever sobre perfumes, leio tudo. Espero ler também entrevistas com Vanessissima e Srta. Anjos

  9. Está sendo incrível conhecer um lado mais subjetivo em relação aos perfumes, destas pessoas tão renomadas nesse meio aqui no Brasil. Henrique, Fábio e Diana são pessoas pelas quais sempre tive admiração e sempre está presente no meu dia a dia em forma de leitura e pesquisa. Aos que não tive oportunidade de conhecer, está sendo um prazer IMENSO conhece-los e explorar ainda mais o universo perfumístico. Daniel, seu site está aqui no meu notebook como “favoritos”. Acho que o acesso quase que diariamente… parabéns mais uma vez e que você tenha mais sucesso, mais leitores e mais seguidores!!! Abraço.

  10. Daniel fiquei muito feliz de ver uma entrevista com a Simone ( mais que perfume).Ela e Gaelle ( perfumes e etc) são as precursoras dos blogs em português sobre perfumaria. Junto com Cristiane ( perfume da rosa negra), que escrevia em solo nacional, foram as precursoras deste movimento que agora cresce bonito. Lembro bem desta fase maravilhosa em que as três, únicas, deslumbravam os colecionadores no antigo orkut, e cujo exemplo me encorajou a colocar no ar o Bighouse.
    Muito divertido o relato da Diana, arrecadando amostrinhas , ainda criança…hehehehe. Bjocas de Elisabeth

  11. Li muitas coisas no blog “A louca dos perfumes” este ano e posso dizer que aprecio muito a maneira como a Diana Alcântara escreve. Parabéns pelo ótimo blog. Procuro ler muito sobre o assunto a cada dia pois ainda é uma coisa muito nova pra mim (leio há apenas 2 anos). Me lembro de ler muita coisa em um blog chamado “Perfume na pele” também. Quanto aos outros blogs da lista, vou olhar com mais calma daqui pra frente. Mais uma vez obrigado pela série de entrevistas. Você é um gênio.

    P.S.: Entrevista o Denis Pagani, do blog 1nariz. Acho que foi minha primeira referência em blogs de perfumes do Brasil.

  12. Excelente oportunidade! Achei muito bom ter mais referências, conhecer mais de cada um e descobrir novas fragrâncias!

  13. Lembro-me que tinha 2 perfumes importados quando comecei a ver perfumes além da perfumaria nacional, mas depois que comecei a ler as resenhas do Fábio Condé na Sacks, vi que meu amor por perfumes e necessidade por maior conhecimento falavam mais alto, e hoje, já passei dos 100 perfumes, das mais variadas casas (muitos sem reposição e outros repostos até hoje). O Fábio Condé é uma Pessoa incrível, além de ter excelente conhecimento técnico e passar com uma linguagem fácil sua opinião sobre perfumes, é uma pessoa muito gentil e legal, pois sempre me deu dicas de compras como um verdadeiro amigo. Obrigado Condé! Sei que existem várias pessoas com talento em entender de perfumes e falar sobre o cenário atual da perfumaria mundial aqui no Brasil, mas em todos os canais virtuais que se relacione a perfumaria, vejo o seu nome citado como exemplo. Hoje em dia, por seguirem o seu exemplo, vejo muitos outros conhecedores de perfumes terem o seu reconhecimento e trabalhos divulgados. Graças a você conheci, o belo trabalho do Daniel Barros (202 Perfumes), que me tornou o meu conhecimento mais técnico sobre perfumaria. Deixo um grande abraço ao dois e o meu muito obrigado por passarem o seu conhecimento de forma tão singular.

  14. Luciana e seu (maravilhoso) Floral & Madeirado é de uma preciosidade elevados e exponenciais altíssimos! Uma joia, uma joia rara. Muito mais que uma blogueira Luciana é uma escritora! Seus textos além de uma prosa riquíssima possuem um teor único de realismo, subjetividade e um certo lirismo (gótico 😉 que segundo ela é fruto da sua “veia psico social” que o torna um dos blogues mais tocantes e … humano. E tudo isso envolto sobre o tema de perfumaria!

    Sim ela é incrível, e sim sou fã dela 😀

  15. Meu resenhista favorito é o Fábio Condé, que acompanho desde a Sacks..Era muito fã também do Michelão e do Fernando Camargo. Uma pena eles terem parado de fazer resenhas.

  16. Adorei estas intrevistas, sao pessoas que a opinião realmente nos importa muito e nos ajuda a formar nosso próprio gosto perfumistico.
    Obrigado Daniel!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s