Descontinuados Importados Comerciais

perfume-5Por que um perfume é descontinuado? Além dos motivos aos quais todos os demais produtos estão sujeitos (rejeição do público, baixas vendas e alto custo de produção), a perfumaria está muito ligada à saúde e, por isso, sofre inúmeras restrições. Uma fragrância é aplicada na pele e, assim, absorvida. O maior risco que a IFRA (Associação Internacional de Fragrâncias) quer evitar com suas regulamentações é o das dermatites de contato. Matérias-primas naturais ou sintéticas perigosas sofriam menores restrições no passado, o que propiciava a um perfumista maior liberdade de criação. Por exemplo, a maior parte dos ingredientes usados para fixação como os extratos animálicos e os nitromusks hoje são banidos. Novas normas aparecem a cada ano e as casas de fragrâncias recebem um prazo de 10 anos para encontrar um equivalente (natural ou sintético). Perfumaria é um negócio como qualquer outro, então uma decisão tem de ser tomada: reformular ou descontinuar. Os comitês das casas de fragrância analisam, então, se uma reformulação terá um benefício financeiro. Do contrário, o perfume é descontinuado. E quando é descontinuado, só resta garimpar em mercados eletrônicos como eBay ou fazer uma vistoria na casa de tios e avós.

Nota: Perfumes descontinuados anteriores a 1990 encontram-se nas páginas Vintages, Anos 70 e Anos 80, além de Marcas de Cosméticos. Para perfumaria de nicho, consulte Descontinuados de Nicho. Para os nacionais, consulte Descontinuados Nacionais.

(principais fragrâncias por ordem cronológica de lançamento)

CaSentBeau1. Ça Sent Beau (Kenzo, 1990). Precursor de Jungle l’Éléphant, este perfume é um floral picante com ar vintage. Ça Sent Beau (“isso cheira delicioso” em francês) abre animado com uma combinação de mandarina e coentro, antes de evoluir para um seu coração de flores brancas (tuberosa, jasmim, gardênia e flor de laranjeira). Sua base masculina de patchouli, vetiver e âmbar contrasta com a feminilidade do resto da composição. Ça Sent Beau é construído de forma que interaja bem com o odor natural de suor e essa é uma de suas melhores qualidades.

Photo2. Photo (Lagerfeld, 1990). Ainda é possível encontrar este perfume em sua versão editada, mas nada se compara ao “director’s cut”. Photo é um raro espécimen de fougère floral carregado de aldeídos. Depois de uma abertura cítrica e herbácea (gálbano e lavanda), a fragrância revela-se floral e soapy com notas de jasmim, cíclame e rosa, temperadas com coentro, alcarávia e cravo. Um sensual aroma de mel aparece junto à base de resinas, almíscares e madeiras nobres. Photo tem um pé no sexy e outro no sofisticado, lembrando um pouco Van Cleef & Arpels pour Homme.

CestLaVie3. C’Est la Vie (Lacroix, 1990). Logo pelo frasco nota-se que Lacroix tem um senso de humor negro: apesar de o nome da fragrância celebrar a vida, o perfume é desenhado em forma de coração e tampado com duas artérias vermelhas cortadas. C’est la Vie é um oriental floral com um distinto acorde central abacaxi-cravo. Somando-se a ele, a fragrância leva um buquê de flores brancas (incluindo tuberosa e ylang-ylang) e um coquetel de frutas tropicais. C’est la Vie é certamente um perfume de difícil personalidade que merece ser reconhecido por sua ousadia e inventividade.

BalenciagaPH4. Balenciaga pour Homme (Balenciaga, 1990). Com seu ingênuo slogan “o poder dos sonhos”, esta fragrância do designer espanhol Balenciaga é um oriental amadeirado masculino à moda antiga: muita lavanda, canela, patchouli, couro e oud (pela primeira vez usado no ocidente). Recortado por frutas cítricas, ervas finas e especiarias, Balenciaga pour Homme é uma sólida composição com base de madeiras (sândalo, cedro e patchouli), resinas (baunilha, fava tonka e benjoim), incenso e couro. Se não fossem pelos traços adocicados, Balenciaga pour Homme seria um perfume para homens brutos como Yatagan.

MargarethaLey5. Margaretha Ley (Escada, 1990). Este oriental floral de ar tropical foi inspirado diretamente na designer da casa alemã, Margaretha Ley. A composição abre exuberante com bergamota, jacinto, pêssego e coco, anunciando um centro de flores brancas e cravo-da-índia. Margaretha Ley conclui com uma base de orris, sândalo, baunilha e musk. O perfume remete a mulheres poderosas, transitando do atalcado e lactônico para o quente e xaroposo.

Guess6. Guess (Guess, 1990). Numa bela transição entre os anos 80 e 90, Guess (também chamado de Guess Original) adota o gênero chipre floral com nuances adocicadas e cremosas. O perfume abre com um acorde cítrico de mandarina, toranja, limão e cassis, antes de revelar um buquê luminoso de jacinto, íris, lírio-do-vale, flor de laranjeira e jasmim. No dry-down, Guess evolui para um aspecto mais balsâmico do que se espera de um chipre clássico, incorporando também uma marcante nota de baunilha.

L'Arte7. L’Arte di Gucci (Gucci, 1991). Uma original composição de Gucci, este perfume é um chipre floral de couro com aura animálica e misteriosa. A rosa no coração da fragrância não é radiante como num jardim, mas escura como num buquê jogado fora. As notas de base vetiver, musgo de carvalho, patchouli e couro ressaltam o efeito gótico e abafam as notas centrais de flores brancas. Para concluir, coentro e castoreum produzem aquele odor “sujinho” de vibe oitentista. L’Arte di Gucci definitivamente não é para meninas.

Versus8. Versus Uomo (Versace, 1991). Quando decidiu criar uma nova grife para conquistar o público jovem, Versus, Gianni Versace se propôs a lançar fragrâncias específicas para ela como Versus Uomo. Trata-se de um oriental floral para homens com uma saída aromática de lavanda e limão, um coração floral picante de jasmim, rosa, íris, cravo e coentro e uma base quente e cremosa de couro, sândalo, âmbar e musk. Assim como seu “gêmeo” Acteur de Azzaro, Versus Uomo produz faz um gênero praticamente extinto na perfumaria moderna.

PoloCrest9. Polo Crest (Ralph Lauren, 1991). Polo Crest é uma versão “arredondada” do Polo original (verde), preservando a mesma estrutura de notas, porém diminuindo seu aspecto excessivamente viril. O topo é mais claro e suave, enquanto o centro ressalta as notas florais de jasmim, gerânio, rosa e cravo. A maior diferença fica mesmo no dry-down, onde o aspecto escuro e balsâmico dá mais espaço para a elegância seca e macia das madeiras, com um toque de incenso. Polo Crest continua masculino, só que menos “machão”.

Vendetta10. Vendetta Donna/Uomo (Valentino, 1991). Vendetta Donna é um complexo e denso floral frutado com nuances balsâmicas e melífluas. O topo de frutas suculentas (ameixa, pêssego) é amenizado com notas cítricas e verdes, enquanto o centro de rosa e flores brancas ganha um doçura de mel com amêndoas. A composição conclui com um fundo chipre rico em benjoim e fava tonka. Já Vendetta Uomo segue o gênero chipre couro com um topo refrescante de cítricos e ervas finas (coentro, manjericão), um centro soapy e picante de gerânio, jasmim e canela, e um fundo esfumaçado de musgo de carvalho, couro, resinas e almíscar. Ambos muito sofisticados.

Asja11. Asja (Fendi, 1992). No início dos anos 90, a casa Fendi, liderada por Lagerfeld, estava promovendo um look oriental em suas coleções. Asja, tanto em seu frasco imponente quanto em sua fragrância picante e melíflua, foi uma das consequências. O perfume abre frutado e suculento (morango, pêssego e damasco) e evolui para um coração floral e picante (rosa, jasmim, muguê, cravo e noz moscada). Asja desemboca numa base doce e resinosa (benjoim, estoraque e baunilha), conferindo um aroma de torta de maçã quentinha.

D&GFemme12. Dolce & Gabbana pour Femme (D&G, 1992). Este não é o perfume homônimo lançado em 2012 com notas gourmands. Esta original fragrância é um floral aldeídico que faz uma transição para o mundo moderno, deixando de lado as ombreiras da década anterior. A saída de Dolce & Gabbana pour Femme é particularmente interessante devido a uma original combinação de mandarina, frésia, manjericão e aldeídos. O perfume depois segue um caminho floral picante de rosa, cravo, jasmim, calêndula, coentro, sândalo e musk, liberando um aroma soapy e cremoso. Dolce & Gabbana pour Femme é uma fragrância refinada, para eventos noturnos.

Giò13. Giò (Armani, 1992). Este complexo e precoce floral frutado desapareceu completamente do mercado. Giò foi concebido para representar a “Mulher Armani”, com sua inocência, doçura e imprevisibilidade. Na abertura, a fragrância exala uma acorde de tangerina, pêssego e pau rosa. Em seguida, Giò adentra um inebriante buquê de flores brancas como gardênia e tuberosa recortado de cravo-da-índia. A composição finaliza com uma base de sândalo, âmbar, mirra, estoraque e baunilha.

Horizon14. Horizon (Guy Laroche, 1993). Claramente inspirado no ambiente marinho, este perfume de Guy Laroche é um dos que melhor sintetizam a ideia sem cair no clichê do aroma de melão ou fundo de geladeira. Horizon abre herbáceo e amargo com notas de lavanda, toranja, menta e agulhas de pinhos, além das notas sintética de calone e aldeídos. O que era verde e fresco aos poucos se torna picante e amadeirado, com nuances de musk. Horizon tem um aroma verdadeiramente único e original, bem diferente dos aquáticos tradicionais com os quais estamos acostumados.

Insensé15. Insensé (Givenchy, 1993). Este é um raro fougère floral rico em aldeídos. Aldeídos são moléculas sintéticas usadas em fragrâncias para criar um efeito luminoso, elegante. Os que amam dizem que aldeídos cheiram a ferro passando roupa recém-lavada; os que detestam dizem que têm cheiro de esparadrapo. Graças a uma boa dose de notas de lavanda, cassis e lírio do vale, Insensé é único e vibrante. Apesar de ser floral, é bastante masculino e passa uma sensação de homem romântico e misterioso. Nunca foi copiado.

OhLaLa16. Oh La La (Azzaro, 1993). Oh La La carrega o DNA dos anos 80 com sua voluptuosa estrutura oriental floral picante. Na saída, a fragrância revela um aroma inebriante de vodca, folha de figo, mandarina e pêssego, logo apresentando um coração explosivo de rosa, jasmim, ylang-ylang, narciso, osmanthus e canela. Oh La La conclui com uma base oriental clássica de resinas e madeiras nobres. Através de seu frasco icônico em forma de taça, o perfume promove a celebração, ou seja, ele é mais apropriado para festas e ocasiões especiais.

Kashaya17. Kashaya (Kenzo, 1993). Do sânscrito, “amor eterno”, Kashaya é um inusitado perfume composto por Sophia Grojsman. Com sua composição única, a fragrância abre refrescante com notas de bergamota, tangerina, pêssego e damasco, anunciando um buquê de lírio-do-vale, jasmim, tuberosa, jacinto, orquídea, rosa e cravo. Para finalizar, a perfumista guardou para a base um acorde oriental de cedro, sândalo, âmbar, baunilha, benjoim e musk. Quente e confortável.

EveAdam18. What About Adam/Eve (Joop, 1993). Joop fez uma brincadeira e lançou no mesmo ano um perfume inspirado em Adão e outro em Eva. What About Adam é centrado na exótica nota de folhas de tomate. Para valorizar o odor herbáceo e amargo do ingrediente, a composição toma também menta, toranja e cassis como notas iniciais. O coração revela um acorde gerânio-lavanda floral gelado, sustentado por uma base amadeirada seca de sândalo, cedro e musgo de carvalho. What About Adam acrescenta um pouco de baunilha na base e exala um rastro amadeirado levemente doce. Menos interessante, What About Eve é um floral frutado (jasmin/maçã) com toques sensuais de canela e baunilha.

EscadaPH19. Escada pour Homme (Escada, 1993). Com sua marcante nota de conhaque, Escada pour Homme estabeleceu-se como uma fragrância masculina sofisticada com um toque de sensualidade. O perfume remete a uma adega ou sala com lareira onde se sentem aromas de tabaco ou uísque, numa mistura amadeirada, picante e frutada. Tudo isso é proporcionado pelas notas de laranja, canela, lavanda, zimbro e sândalo. Escada pour Homme é o precursos de fragrâncias modernas como A*Men Pure Havane, Tom Ford for Men e John Varvatos.

Elements20. Elements (Hugo Boss, 1993). A melhor fragrância da grife alemã foi inspirada nos quatro elementos da natureza (fogo, ar, terra, água). Apesar da sua ambição e marketing, Elements é na verdade um perfume bem balanceado e descomplicado, feito para criar uma impressão sutil, sem chamar atenção. Seguindo o gênero chipre clássico, a composição é um misto de aldeídos, cítricos, ervas finas, flores (rosa, jasmim, violeta, muguê), especiarias quentes, madeiras nobres e resinas adocicadas. Existiu também na versão Aqua, com uma injeção de menta, abacaxi e chá verde.

TendrePoison21. Tendre Poison (Dior, 1994). Assim como todos os flankers de Poison, este perfume tem pouco a ver com o original. O frasco já indica o que está por vir: notas verdes. A fragrância abre com um aroma herbáceo poderoso e diferente, lembrando um pouco dos antigos chipres frescos. Como notas de coração, Tendre Poison reúne tuberosa, frésia, rosa e mel, invocando polinização e fertilidade. A base é cremosa e polvorosa com notas de sândalo, heliotrópio, baunilha e musk.

Jaïpur22. Jaïpur (Boucheron, 1994). A casa de joias lançou precocemente este floral frutado (um estilo que entraria na moda somente na década seguinte), fazendo um tributo à famosa cidade indiana, conhecida por seu exotismo e mistério. Com uma saída tropical de frésia, ameixa, damasco, pêssego e abacaxi, Jaïpur evolui para um complexo buquê floral de rosa, peônia, cravo, jasmim, lírio-do-vale e orquídea. Para produzir um efeito sensual e powdery durante a secagem, o perfume leva uma base de sândalo, cedro, orris, heliotrópio, benjoim, estoraque, âmbar e musk.

DeciDela23. Deci Delà (Nina Ricci, 1994). A grife Nina Ricci inovou ao lançar um chipre frutado moderno logo no início dos anos 90. Deci Delà (“de um lado para o outro”) abre suculento com um acorde de pêssego, damasco, framboesa e cranberry, anunciando um centro floral de osmanthus, frésia, rosa e jasmim. Na evolução, o perfume traz uma nota verde e amarga de cipreste que “arredonda” a composição. Deci Delà finaliza com um fundo de patchouli, sândalo, labdanum e baunilha. Um frutado para mulheres maduras.

Laura24. Laura (Laura Biagiotti, 1994). Este esquecido perfume de Laura Biagiotti tem a cara da década de 90 com sua aura floral aquosa. Com uma saída refrescante e ozônica de bergamota, folhas verdes, ameixa, lichia, pêssego e melancia, Laura segue com um translúcido buquê de rosa, cíclame, violeta, orquídea, frésia, lírio-do-vale e jasmim. O dry-down fica a cargo de um suave fundo de vetiver, cedro, sândalo, âmbar, baunilha e musk. Discreto e versátil.

Flore25. Flore (Carolinha Herrera, 1994). Com um quê de anos 80, Flore abre com aldeídos, notas cítricas, herbáceas e frutadas, anunciando um buquê atalcado de lilás, rosa, íris, jasmim e lírio-do-vale. Tudo isso é sustentado por um fundo macio e seco de sândalo e musk. A faceta verde e aldeídica da fragrância persiste durante toda evolução, deixando o perfume com um ar vintage. Flore é a antítese da tendência atual da perfumaria feminina.

BabyRoseJeans26. Baby Rose Jeans (Versace, 1995). A grife italiana trouxe de volta ao mercado Blue Jeans e Red Jeans, porém mantém Baby Rose Jeans fora de produção. Construído em torno do acorde clássico rosa-violeta, o perfume leva também em seu centro notas de íris, orquídea, cravo e ylang-ylang. Um topo de bergamota, pêssego, néroli e gálbano traz brilho, enquanto um fundo de cedro, sândalo e baunilha confere maciez. Baby Rose Jeans é basicamente um talco adocicado em formato perfume.

Accenti27. Accenti (Gucci, 1995). Esta complexa criação de Dominique Ropion é um opulento oriental floral de nuances frutadas. Envolvente e sofisticado, Accenti abre com um acorde de tangerina, cassis, artemísia, pêssego e framboesa. Minutos depois, a composição faz emergir um centro floral especiado de jasmim, rosa e cravo-da-índia. No dry-down, uma base encorpada de patchouli, sândalo, vetiver, fava tonka e baunilha deixa para trás um rastro polvoroso e intoxicante. Sem igual.

Innocence28. Innocence (Chloé, 1995). Este é um floral aquático que representa muito bem os anos 90. A partir de um topo de bergamota e jacinto aquático, Innocence apresenta um centro atalcado de íris, violeta, rosa e madressilva. Para manter a composição leve e transparente, o perfume leva como fundo um acorde de vetiver, cedro e musk. Limpo e refrescante, Innocence hoje teria pouco a ver com o DNA floriental da grife e estaria de fato deslocado.

SoPretty29. So Pretty (Cartier, 1995). Feita para uma mulher independente e fina, So Pretty foi um dos primeiros chipres modernos. Sua saída é bem frutada e floral (rosa, orquídea, groselha e pêssego), atenuada por notas de néroli e bergamota. Um buquê de flores compõe o centro da composição, que tem o acorde chipre clássico como espinha dorsal e uma base de sândalo, benjoim e musk. So Pretty consegue ser ao mesmo tempo sofisticado e lúdico, leve e com personalidade – um perfume de princesa.

Blonde30. Blonde (Versace, 1995). Encomendado por Gianni Versace em tributo à sua irmã loira, Donatella, Blonde é um floral bomba à base de tuberosa com traços animálicos. Intensamente narcótico, o perfume consiste de um enorme buquê de flores brancas, cravo, narciso e violeta, suavizado com um topo de bergamota. Já na base, Blonde leva um acorde de benjoim, almíscar e civet. Uma fragrância que exalta a opulência com nuances doces e refrescantes.

YohjiHomme31. Yohji Homme (Yohji Yamamoto, 1996). Descontinuado devido à falência da marca do estilista Yohji Yamamoto, foi relançado com nova formulação tempos depois. Tem um ar de Lolita Lempicka Au Masculin, com notas consideravelmente semelhantes: alcaçuz, anis, baunilha, café, rum e cedro. A diferença está na lavanda, fazendo de Yohji Homme um fougère. O doce do Lolita dá lugar a uma fragrância mais masculina e séria, com incrível projeção e longevidade. Se possível, compre a versão descontinuada.

envy32. Envy (Gucci, 1997). Se Diorissimo tentou capturar o aroma do orvalho de uma floresta nos anos 50, o Envy feminino é um pouco menos ambicioso e tenta reproduzir uma brisa fresca de um parque urbano. Trata-se de um floral verde de estrutura simples, basicamente erguida em cima das notas de lírio-do-vale e jacinto, com algum sintético que dá um tom metálico e limpo. Envy for Men é um oriental amadeirado com incenso, gengibre, pimenta, cardamomo e coentro. Âmbar, tabaco e lavanda são coadjuvantes de uma receita incrivelmente nostálgica e inesquecível.

By33. By Man/By Woman (Dolce & Gabbana, 1997/1999). Primeiro veio By Man, uma fragrância amadeirada especiada de grande personalidade, feita para o macho alfa. O efeito sedutor e envolvente da fragrância se deve a uma combinação de cítricos, lavanda, pimenta, artemísia, noz moscada, sândalo, âmbar, tabaco e couro. Dois anos depois, os designers italianos decidem lançar a versão feminina na forma de um floral musky e polvoroso. Com uma saída bastante original, By Woman abre com notas de bergamota, tangerina, lavanda, cíclame e lírio-do-vale. O acorde floral fresco inicial ganha força com orquídea, violeta e cedro, tornando a composição seca e polvorosa. A base é pura sedução devido ao seu acorde de gengibre, sândalo, café e musk.

VeryValentino34. Very Valentino (Valentino, 1997). A versão feminina é um delicado floral verde de aura polvorosa que infelizmente durou pouco tempo nas prateleiras. O perfume abre com um acorde aromático e luminoso de bergamota, toranja, mandarina, laranja, estragão, cassis, zimbro e magnólia, anunciando um atalcado centro floral de lírio-do-vale, jasmim, rosa e violeta. A fragrância é sustentada por um fundo suave e levemente cremoso de sândalo, âmbar, baunilha e musk. Limpo, fresco e elegante. Já Very Valentino for Men investe no gênero fougère oriental com uma combinação de anis, noz moscada, lavanda, tabaco, madeiras e resinas. Ambos igualmente bons.

PlusPlus35. Plus Plus Masculine/Feminine (Diesel, 1997). Plus Plus Masculine é um oriental de múltiplas facetas. Notas cítricas (bergamota, mandarina), herbáceas (gálbano, coentro, sálvia, musgo de carvalho), florais (violeta, lírio-do-vale, jasmim, heliotrópio), especiadas (anis, cardamomo, noz moscada, canela, cravo-da-índia), amadeiradas (patchouli, bétula, vetiver, cedro, sândalo) e balsâmicas (fava tonka, baunilha) são combinadas para produzir um aroma quente, cremoso e adocicado, com a cara do homem jovem que busca uma fragrância prazerosa. Já Plus Plus Feminine é um tanto controverso com seu coração enjoativo de frutas vermelhas, flores brancas e sintéticos lactônicos.

Mira-Bai36. Mira-Bai (Chopard, 1998). Concebido pelo perfumista Mark Buxton, Mira-Bai é um raro oriental vanilla de traços florais e frutadas inspirado na poeta indiana devota de Krishna. Com uma saída suculenta de bergamota, pêssego, ameixa e cassis, o perfume adentra um centro atalcado de rosa e jasmim. Mira-Bai conclui com um fundo doce e encorpado de cedro, pau rosa, sândalo, âmbar e baunilha. Uma fragrância harmoniosa e acolhedora.

LeBaiser37. Le Baiser (Lalique, 1998). Imagine um cheiro de batom enriquecido com nuances especiadas e cremosas. Le Baiser (“o beijo”) é construído em torno do polvoroso acorde rosa-violeta, recebendo em seu topo cassis e pimenta preta e em seu fundo sândalo, âmbar e musk. O corpo floral é enriquecido com o brilho das notas de jasmim e gardênia. Le Baiser resulta num floral denso e sofisticado, romântico e nostálgico, com um quê vintage.

Theorema38. Theorema (Fendi, 1998). Mostrando o que hoje é possível praticamente apenas no mercado de nicho, Theorema é um oriental especiado denso e multifacetado. O perfume abre com um potente acorde picante (cominho, canela, cardamomo, pimenta e noz-moscada) suavizado com um banho de frutas cítricas, néroli, rosa e ylang-ylang. A base de pau-rosa, gaiaco, sândalo, patchouli e benjoim segura brilhantemente toda essa explosão de especiarias. Theorema funciona bem graças à eficiência de sua estrutura, que consegue manter ativas todas as suas notas ao longo de muitas horas de evolução.

FeuIssey39. Le Feu d’Issey (Issey Miyake, 1998). Esta ousada e polêmica fragrância poderia ter sido um sucesso como Angel se não tivesse sido descontinuada antes de ser aceita pelo público. Le Feu d’Issey é resumidamente uma rosa lactônica e quente que simboliza a mulher-mãe. A nota de leite materno e o coentro que remete a suor e sujeira parecem ter sido escolhidos a dedo para criar um acorde freudiano. Tudo funciona incrivelmente bem e o perfume agrada com uma ponta de culpa. Dificílimo de encontrar, Le Feu d’Issey às vezes aparece no eBay por um preço razoável.

Alchimie40. Alchimie (Rochas, 1998). Dolce, polvoroso e intoxicante – assim pode ser descrito este exuberante e original floral gourmand. O nome deve se referir ao poder hipnótico de envolver a si mesmo e outras pessoas. De um lado estão flores como rosa, jasmim, muguê, lilás e glicínia; de outro frutas (pera, ameixa, pêssego, cassis e coco) e guloseimas (caramelo, baunilha, amêndoas e alcaçuz). Alchimie é um cruzamento de Trésor com Lolita Lempicka, mantendo um equilíbrio perfeito entre o vulgar e o luxuoso.

Coriolan41. Coriolan (Guerlain, 1998). Coriolan é um masculino chipre amadeirado composto pelo próprio Jean-Paul Guerlain com inspiração no lendário general romano de mesmo nome. A ideia foi contrastar a dualidade amor-bravura com um acorde delicado e outro quente. O primeiro consiste de bergamota, néroli, petitgrain, ylang-ylang e carqueja. O segundo reúne especiarias, patchouli, benjoim e couro. Coriolan é um dos grandes amadeirados especiados já criados.

GoodLife42. Good Life (Davidoff, 1998). Um raro floral feito para homens, Good Life tem uma saída refrescante à base de bergamota, limão siciliano, toranja, melão, cassis e lavanda. Em seguida, o perfume adentra um centro floral fresco com notas de chá, violeta, magnólia e gerânio. Para conferir virilidade, Good Life finaliza com uma base de sândalo, heliotrópio, fava tonka, âmbar e musk. Uma fragrância original e incomum, talvez descontinuada justamente por ser diferente.

LeiLui43. Emporio Armani Lei/Lui (Armani, 1998). Logo após a inauguração de sua segunda marca Emporio Armani, feita para o público mais jovem, o designer italiano encomendou um par de fragrâncias. A feminina, Lei, é um oriental vanilla com um buquê soapy de íris, tuberosa, jasmim e lírio-do-vale valorizado por um acorde frutado refrescante (cítricos, pera, abacaxi) e um acorde oriental amendoado (fava tonka, heliotrópio, âmbar, baunilha, musk). Já a versão masculina, Lui, é um aromático cítrico regado a ervas finas e almíscares sintéticos. O perfume abre com cítricos, pera, maçã, abacaxi, sálvia e cardamomo, seguindo para um acorde central de rosa, cíclame, íris, jasmim e noz moscada. Para concluir, uma base sutil e macia de sândalo, cedro, âmbar, musgo de carvalho e musk confere virilidade e elegância.

rush44. Rush (Gucci, 1999). Escandaloso e sintético, Rush foi uma manobra ousada da Gucci, que se inspirou numa fita cassete para elaborar seu frasco. Imagine um cheiro entre o salão de cabeleireiro e a confeitaria. Rush é basicamente um pêssego lactônico com um tom de coco e plástico combinado com rosa e jasmim. Uma nota marcante de coentro torna a fragrância sexy, enquanto uma nota açucarada de baunilha produz um efeito tropical e divertido. Já Rush for Men adota o gênero amadeirado especiado. Na saída, o perfume é todo fresco e arejado com notas de lavanda e cipreste, como um passeio pelo campo. O acorde central de zimbro e cedro agrega corpo e substância, enquanto o dry-down pertence às notas de sândalo, patchouli e musk. Uma boa injeção de Iso E Super garante um aspecto amadeirado seco e esfumaçado.

DGMasculineFeminine45. D&G Feminine/Masculine (Dolce & Gabbana, 1999). D&G Feminine é um floral musky com topo refrescante de mandarina, buquê central atalcado e cremoso (heliotrópio, acácia, cíclame, lírio aquático, jasmim e lilás) e base macia e sedosa de sândalo, baunilha, cashmeran e musk. Apesar da proposta de conforto, D&G Feminine é potente e feminino. D&G Masculine é um amadeirado aromático verdoso e arejado, feito para homens dinâmicos e pragmáticos. Com um topo de bergamota, petitgrain e folha de figo, a composição segue um coração de flor de laranjeira, sálvia, menta, jasmim, manjericão e alcarávia, transmitindo um aspecto simultaneamente delicado e sensual. Para finalizar, D&G Masculine deixa como rastro um acorde de vetiver, cedro, madeira teca e musk.

Fragile46. Fragile (Jean-Paul Gaultier, 1999). Depois do sucesso comercial de Classique, Jean-Paul Gaultier decidiu encomendar uma fragrância mais elegante e noturna. O perfumista Francis Kurkdjian, incumbido da tarefa, decidiu eleger a tuberosa como tema central por ser uma flor que exala muito à noite. Como esperado, o perfume tem um aroma mentolado e indólico de tuberosa que é ressaltado com notas picantes (canela, gengibre e coentro). A base de cedro, âmbar e baunilha finaliza a composição com uma opulência discreta. O frasco de redoma de vidro protegendo uma dama é uma atração à parte.

Birmane47. Birmane (Van Cleef & Arpels, 1999). Birmane, entre o floral frutado e o oriental amadeirado, é conhecido por suas notas marcantes de abacaxi e pau-rosa, ambas hoje em extinção. A composição vai de um refrescante aroma frutado tropical a um buquê polvoroso e romântico de orquídea, heliotrópio e rosa. Na secagem, Birmane se converte num oriental graças à base doce e cremosa de pau-rosa, sândalo, fava tonka, baunilha e musk.

ultraviolet48. Ultraviolet (Paco Rabanne, 1999). Ultraviolet é um oriental floral carregado de notas quentes. Com uma saída adstringente de damasco, amêndoas, pimenta e coentro, a composição dirige a atenção num buquê sensual de rosa, jasmim e violeta. Na secagem, Ultraviolet mostra seu lado oriental com notas de patchouli, cedro, pau-rosa, âmbar e baunilha. O resultado é um aroma atalcado e cremoso. Já Ultraviolet Man investe no contraste gelado-quente, contrapondo notas de menta e pimenta preta, além do contraste seco-cremoso, contrapondo um acorde de vetiver e musgo de carvalho e um acorde adocicado de âmbar e baunilha. Altamente sintético, Ultraviolet Man é uma fragrância que certamente divide opiniões por ser tão intenso e diferente.

Nemo49. Nemo (Cacharel, 2000). Nemo é um dos raros perfumes da Cacharel feito para homens, com uma incrível complexidade. Oficialmente, a fragrância é descrita como oriental amadeirada, mas parece ter sido criada para ser abstrata, repleta de notas sintéticas como calone, Iso E Super e cashmeran. De um lado Nemo confere um aspecto mais doce e esfumaçado de âmbar, couro e especiarias; de outro um aspecto mais aromático de lavanda, gerânio e notas aquáticas. Como indica seu frasco, Nemo é uma obra pós-moderna que talvez não tenha sido bem-sucedida comercialmente.

50. Sentiment (Escada, 2000). Sentiment para mulheres é um leve floral frutado de nuances polvorosas. Com uma saída azedinha de mandarina, cassis e groselha, o perfume evolui para um centro suculento e atalcado de pêssego, jacinto, heliotrópio, íris e tuberosa. Na secagem, Sentiment aquece e ganha corpo um fundo de pau rosa, sândalo, âmbar, baunilha e musk. Já a versão masculina é um amadeirado aromático de traços cítricos e especiados. O perfume abre com um acorde refrescante de limão tahiti e zimbro, antes de revelar um centro picante de noz moscada e pimenta rosa. No dry-down, Sentiment pour Homme é seco e firme com uma base de vetiver, sândalo e cedro.

51. Michael for Men (Michael Kors, 2001). Michael for Men é bem docinho por conta das notas de ameixa e frutas secas, além de girar em torno da nota boêmia de tabaco. É ao mesmo tempo incensado e amadeirado (sândalo, patchouli, camurça), com um toque de especiarias (destaque para anis). A fragrância foi revisitada em 2004, desta vez sem a nota de tabaco e as frutadas – as principais notas da nova versão são anis, incenso, camurça e patchouli. Ambas versões foram descontinuadas.

52. Zanzibar (Van Cleef & Arpels, 2001). Zanzibar é um amadeirado especiado feito para homens exploradores – o nome do perfume refere-se a uma ilha na costa leste da África. A partir de uma saída picante de limão siciliano, cardamomo e coentro, Zanzibar continua sua evolução “quente” com um acorde central de pimenta preta, gengibre e cravo-da-índia. Uma base de vetiver, sândalo e âmbar sustentam a composição.

Glamorous53. Glamorous (Ralph Lauren, 2001). Feito para ser feminino e extravagante, Glamorous foca na inebriante nota de tuberosa. Em torno dela, a composição ganha o frescor da tangerina e do gengibre e a textura do vetiver e do musk. O coração floral é enriquecido com rosa, jasmim-manga e lírio-do-vale. Glamorous é um floral limpo e harmonioso, não tão opulento quanto se espera de um perfume à base de tuberosa.

PremierJour54. Premier Jour (Nina Ricci, 2001). “Primeiro Dia” é um delicado e sensual floral de traços polvorosos e adocicados. Com um topo de mandarina e ervilha-de-cheiro, o perfume caminha para um centro macio e luminoso de gardênia e orquídea. O dry-down fica a cargo de um acorde base de sândalo, baunilha e musk. Com tudo equilibrado, Premier Jour se torna uma fragrância de pele que sugere conforto e intimidade.

BossWoman55. Boss Woman (Hugo Boss, 2000). Depois do enorme sucesso comercial de Hugo Woman, a grife alemã decide lançar um perfume para sua marca principal. Boss Woman é um floral frutado concebido para a mulher dinâmica. O perfume abre com um acorde de tangerina, manga e kumquat, anunciando um coração de frésia, íris, violeta e passiflora (flor de maracujá). No dry-down, Boss Woman exala uma combinação suave de cedro e sândalo. Um perfume para o dia a dia.

56. Absolu (Rochas, 2002). Esta obra do perfumista-mestre Jacques Cavallier é um clássico oriental bastante balsâmico e um pouco “alaranjado”. Com notas predominantes de benjoim, labdanum e bálsamo peru na base da composição, o perfume apresenta uma saída fresca e herbácea de mandarina e folha de figo. O coração fica por conta de um acorde floral picante de lírio, rosa, flor de laranjeira e pimenta preta. Um clássico oriental raro de se ver hoje em dia

Crave57. Crave (Calvin Klein, 2002). Crave chamava atenção por seu frasco feito de plástico, com cara de desodorante recarregável. Trata-se de um fougère aromático de traços marinhos. Abrindo com um acorde adstringente de bergamota, manjericão, coentro, noz moscada e pimentão vermelho, o perfume aos poucos evolui para um fundo macio e crispy de musgo de carvalho, sândalo, fava tonka, bétula e musk. Uma nota fantasia de estrela-do-mar remete à brisa do oceano. Limpo, refrescante e fácil de agradar.

Skin58. Skin (Trussardi, 2002). Como seu próprio nome insinua, Skin é uma fragrância feita para ser a segunda pele. Na forma de um chipre aquoso, a composição abre com um acorde refrescante e ozônico de cítricos, pêssego, maçã, pimenta rosa e folha de violeta. Na evolução, Skin se torna mais floral graças ao dueto de rosa e jasmim em seu centro. Uma base chipre de musgo de carvalho, patchouli e musk conclui o perfume com um toque confortável e sofisticado.

Sensi59. Sensi (Armani, 2002). Sensi é um confortável oriental amadeirado de notas intrigantes. O perfumista Alberto Morillas escolheu uma combinação de limão, malte, jasmim, robínia, pau-rosa, benjoim e amêndoas para produzir um efeito floral marcante e sofisticado. Sensi não é uma fragrância para meninas, mas sim para mulheres maduras e elegantes. Apesar de ser oriental, sua silagem é agradável e pode ser usado durante o dia para trabalhar, se o ambiente comportar.

M760. M7 (Yves Saint Laurent, 2002). Os boatos do mundo da perfumaria dizem que M7 foi um fracasso de vendas e, portanto, retirado do mercado. Se você gosta de perfume ao mesmo tempo chique e sensual, então encontrou o seu. Precursor das fragrâncias à base de oud, o perfume tem um aroma denso e marcante. Suas notas de cabeça propiciam um aspecto medicinal (xaropado) por conta da mistura de oud e âmbar, mas logo parece que a coisa pega no tranco e surge uma bela mistura de vetiver, alecrim e almíscar. Entendo perfeitamente os protestos incansáveis de seus fãs.

Gloria61. Gloria (Cacharel, 2002). Esta fragrância foi inspirada no famoso hit dos anos 60 “Gloria”. Sua composição é um perfeito exemplo de perfume gourmand: flores (rosa, hibisco e jasmin) “decoradas” com cereja, amêndoas, Amaretto e baunilha. Gloria é um cruzamento de Le Baiser du Dragon com Cinéma, mesmo tendo sido lançado antes destes. Definitivamente recomendado para mulheres “gloriosas”.

mania62. Armani Mania (Armani, 2002). Primeiro veio a versão masculina, um amadeirado especiado com notas marcantes de laranja e âmbar. Armani Mania for Men sai de um topo cítrico e picante (açafrão) para ir ao encontro de um centro seco e crispy de vetiver e cedro. O perfume desenvolve um aroma macio e cremoso graças à base de âmbar e musk. Já Armani Mania for Women é um floral musky macio como seda. Na saída, notas de laranja, pimenta rosa, cassis e louro produzem um distinto aroma frutado fresco. No coração, agregam-se notas luminosas de magnólia, peônia e lírio-do-vale, além de uma íris atalcada. Na base, especiarias, incenso, sândalo, âmbar e baunilha sustentam a composição sem deixá-la enjoativa. Ambos leves e brilhantes.

Murmure63. Murmure (Van Cleef & Arpels, 2002). Alberto Morillas e Jacques Cavallier se uniram para criar este floral dedicado a mulheres que apreciam fragrâncias clássicas. “Suspiro” é um grande buquê de flores brancas como frésia, gardênia, jasmim, flor de laranjeira e tuberosa amenizado com mandarina e temperado com canela. O perfume conclui com um fundo quente e seco de pau rosa, cedro e baunilha. Murmure remete ao estilo ultrafeminino e poderoso dos anos 80.

ForeverEver64. Forever and Ever (Dior, 2002). Lançado em 2002 e reintroduzido em 2006, Forever and Ever é uma delicada composição floral com toques especiados. Construído em torno da rosa, o perfume exalta o lado fresco da rainha das flores com um acorde de hera, frésia, jasmim e gerânio, enquanto um acorde de noz moscada, amêndoas, baunilha e musk ressalta seu aspecto macio e aveludado. Forever and Ever resulta num aroma romântico e polvoroso, maduro e inofensivo.

EssenzaZegna65. Essenza (Zegna, 2003). Hoje difícil de ser encontrado, o melhor e mais original perfume já lançado pela grife de Ermenegildo Zegna é este minimalista e complexo amadeirado aromático. Essenza não é a fragrância comum de duty-free, mas uma inusitada combinação de cardamomo e frutas, temperada com cítricos e apoiada sobre uma base esfumaçada de âmbar e musk. De aspecto folhoso e levemente salino, Essenza captura a essência do Mediterrâneo com pura sofisticação e masculinidade.

PacoRabannePourElle66. Paco Rabanne pour Elle (Paco Rabanne, 2003). O frasco quadrado com um orifício centralizado sugere um perfume feminino e sedutor. Paco Rabanne pour Elle foi concebido por Olivier Cresp e Jacques Cavallier como um picante floral frutado. A composição gira em torno de um buquê carnal de rosa, jasmim, ylang-ylang e tiaré, enriquecido com notas suculentas de ameixa e damasco e picantes de pimenta rosa e preta. Um caráter doce e lactônico é produzido por sua base de sândalo, coco e massoia. Envolvente mas também refinado.

Carolina67. Carolina (Carolina Herrera, 2003). Muito confundido com o perfume Carolina Herrera devido ao frasco similar, Carolina é uma fragrância mais moderna e contemporânea que abraça a tendência doce e frutada iniciada na época. Abrindo efervescente com notas de laranja amarga, folhas verdes e cardamomo, o perfume logo passa a exalar seu centro de rosa temperado com pimenta preta e enriquecido com frutas vermelhas. No dry-down, Carolina faz emergir um acorde sedoso e adocicado de âmbar, baunilha, cashmeran e musk. Elegante e sensual.

Baiser68. Le Baiser du Dragon (Cartier, 2003). Com um nome provocante (“o beijo do dragão” em francês), este perfume é famoso por ter sido construído inteiramente com notas masculinas. Le Baiser du Dragon abre com um acorde licoroso e amendoado que é suavizado por um néroli no topo. Depois de alguns minutos o perfume caminha para um coração seco e luminoso de cedro com um jasmim quase imperceptível. A base é formada por um marcante patchouli enriquecido com benjoim e suavizado com vetiver. Le Baiser du Dragon deixa um rastro delicioso de bombom e amêndoas nada perigoso ou assustador.

KenzoAir69. Kenzo Air (Kenzo, 2003). Este perfume é uma das maiores provas de que perfume frescos também podem ser obras-primas. Ancorado num simples acorde anis-vetiver, Kenzo Air empregas notas de bergamota, angélica, alcarávia e cedro. É uma fragrância seca, ultrarefrescante, com traços agridoces e gelados de alcaçuz. Talvez saber que uma das notas principais seja anis afaste muitas pessoas, mas o fato é que o ângulo desagradável da matéria-prima é totalmente neutralizado pelo resto da composição. Existe uma versão Intense (também descontinuada), apenas mais forte.

Gucci PH70. Gucci pour Homme (Gucci, 2003). Muitos sentiram sua retirada do mercado, pois Gucci pour Homme era um dos raros exemplos de bons perfumes esfumaçados entre os designers. Criado para homens elegantes e autoconfiantes, sua fórmula é um equilíbrio perfeito entre notas amadeiradas e especiadas. Sua aura de monastério e livraria é propiciada pelas notas de incenso e papiro, envoltas por baunilha, couro, vetiver, pimenta, âmbar e madeiras diversas. Gucci pour Homme foi o último grande perfume masculino lançado pela Gucci.

Kingdom71. Kingdom (Alexander McQueen, 2003). Único e decadente, este perfume de Alexander McQueen simboliza feminilidade, sofisticação e instinto. Kingdom começa e termina atrevido, desde a saída intensamente cítrica e picante (cominho) até a secagem exuberante de cravo, musgo de carvalho e almíscar. A combinação de rosa, gengibre e ruibarbo no centro da composição atenua sua tendência pungente e traz personalidade. O perfume parece ser a interpretação de uma noitada perfeita, começando inebriante e otimista e terminando sedutor e pragmático.

LuiRochas72. Lui (Rochas, 2003). Esta é uma fragrância minimalista construída com notas de limão siciliano, néroli, cedro, patchouli, âmbar e baunilha. Lui é um chipre amadeirado com grande foco no topo soapy e limpo e na base escura e robusta. É justamente da interação desses dois elementos que nasce um perfume com vibe de barbearia, mas também de um escritório revestido de madeiras caras. Lui apresenta uma textura suave e elegante, passando uma constante impressão de elegância despretensiosa.

Cinema73. Cinéma (Yves Saint Laurent, 2004). Embora o frasco metálico e dourado inspire flashes e holofotes, Cinéma não é um oriental escandaloso. Pelo contrário, é um perfume confortável com todas as notas muito bem dosadas e posicionadas. A saída gourmand é composta por tangerina, cíclame e amêndoas. No coração, notas de jasmim, peônia e amarílis trazem feminilidade e glamour. Na secagem, Cinéma produz um efeito balsâmico e polvoroso de baunilha, âmbar, benjoim e almíscar que fecha a obra com delicadeza.

MagnetismForMen74. Magnetism for Men (Escada, 2004). Praticamente esquecido, este é um dos melhores perfumes da casa Escada. Trata-se de um oriental amadeirado composto por Michel Almairac, que reuniu acordes amadeirados, especiados e balsâmicos para criar uma vibe de sensualidade e elegância masculina. Magnetism for Men já começa quente com um acorde de couro, açafrão, cedro e sândalo. Nesse ponto viril e sério, o perfume faz emergir uma base escura e cremosa de bálsamo tolu, âmbar, baunilha e musk. Não se faz mais fragrância masculina tão “honesta” como esta.

Trouble75. Trouble (Boucheron, 2004). Criado por Jacques Cavallier, famoso por ousadias como Kingdom, Nu, Poême e Hot Couture, Trouble é uma fragrância de construção simples, apoiada no acorde limão-jasmim-âmbar. O charme de Trouble é justamente a interação persistente entre limão e âmbar, que requer muita habilidade do perfumista, já que notas cítricas costumam desaparecer sobre uma base oriental. Trouble brinca com esse binômio, enquanto uma nota delicada de jasmim enriquece o perfume. É uma fragrância, antes de mais nada, gostosa e confortável.

BMen76. B*Men (Thierry Mugler, 2004). B*Men representa a paixão do designer Thierry Mugler por histórias em quadrinhos e super-heróis. Diferente de A*Men, que foca na potência, este perfume foca no dinamismo. Para equilibrar o acorde robusto de especiarias quentes, patchouli, baunilha e couro, B*Men apresenta um segundo acorde mais seco e macio com notas grapefruit, ruibarbo, violeta, alcaçuz, vetiver e musk. O perfume dispensa o chocolate e caramelo de A*Men para valorizar o aspecto vibrante e efervescente da fragrância.

Couture77. Couture (Moschino, 2004). Feito como celebração da vida, Couture é uma fragrância difícil de classificar. O perfume tem uma saída pungente de cítricos e pimenta preta, seguindo com um coração floral e frutado de romã, jasmim e peônia. Preservando seu caráter simultaneamente fresco e narcótico, Couture recebe uma base de cedro, benjoim, incenso, baunilha e musk. O contraste entre o brilhante e o escuro, entre o seco e o doce, se mostrou gratificante.

CabaretPH78. Cabaret pour Homme (Grès, 2004). Pouquíssimo conhecido no Brasil, este fougère oriental de traços frutados é mais uma notável obra de Pierre Bourdon. O perfumista propõe com Cabaret pour Homme uma fragrância nada comercial e com um quê vintage ao focar num acorde soapy de lavanda e jasmim enriquecido com um topo aromático (bergamota, abacaxi, zimbro, coentro, manjericão, artemísia) e um fundo esfumaçado (cravo-da-índia, musgo de carvalho, patchouli, vetiver, fava tonka, âmbar, musk). Um achado para quem curte perfumes ao estilo dos anos 70.

echo79. Echo (Davidoff, 2004). Concebida para uso no dia a dia, a versão feminina é construída em torno de um acorde atalcado de íris, violeta, osmanthus e peônia. Na saída, Echo exala uma nota alcoólica de vodca, enquanto um fundo de canela, madeiras nobres e âmbar dá textura e sustentação à composição. Leve e agradável, este é um perfume que se dá bem sob altas temperaturas. Já a versão masculina é mais genérica: um amadeirado especiado mediano com notas principais de pimenta preta, noz moscada, cedro, sândalo, camurça e musk.

80. Eternity Moment (Calvin Klein, 2004). O floral verde composto por Sophia Grojsman em 1988 dá lugar a um floral frutado. A sensação de frescor é mantida. Eternity Moment gira em torno de um buquê delicado de jasmim, peônia, lírio aquático e flor de maracujá. No topo, a fragrância recebe notas de suculentas de lichia, goiaba, framboesa e melão, enquanto um fundo de cashmeran e musk preserva a tranparência do perfume.

ArpegePH81. Arpège pour Homme (Lanvin, 2005). Nada tendo a ver com o icônico Arpège da Lanvin, este é um ousado floral masculino que segue a linha de Dior Homme. Sua saída é bem cítrica (mandarina, néroli e laranja) e levemente picante (noz moscada), logo revelando o acorde íris-violeta no coração. Na base, patchouli, fava tonka, baunilha e musk produzem um aspecto limpo, quente e sensual. Assim como Dior Homme, Arpège pour Homme é um perfume andrógino porém sofisticado, podem ser usado tranquilamento por mulheres.

VeryIrresMen82. Very Irrésistible For Men (Givenchy, 2005). Este perfume da casa Givenchy é praticamente esquecido. Very Irrésistible For Men ignora a receita floral frutada gourmand da versão feminina e oferece uma composição oriental amadeirada mais ao gosto dos rapazes. O perfume busca contrapor dois acordes opostos: um aromático e revigorante de toranja e menta; outro oriental e sensual de café, gergelim e avelã. Very Irrésistible for Men resulta num aroma clássico, mas também original.

Friends83. Friends (Moschino, 2005). Aparentemente um genérico cítrico aromático, Friends na verdade muda muito durante sua evolução, ficando longe do lugar comum. Seu topo ácido e fresco de bergamota, mandarina e laranja-de-sangue conduz a um centro verde e marinho de petitgrain, gerânio e algas marinhas. No dry-down, um acorde sintético de vetiver, cedro e musk forma um aspecto lactônico que para alguns remete a sexo.

Promesse84. Promesse (Cacharel, 2005). Esta romântica criação de Cacharel foi desenvolvida para ser um buquê luminoso e arejado. Assim, Promesse abre fresco com bergamota, mandarina e cassis, anunciando um centro atalcado de orquídea, jasmim e violeta. Na secagem, o perfume ganha corpo e maciez com um acorde de cedro, sândalo, âmbar e musk. Suave e transparente, Promesse tem mais cara de menina do que de mulher.

PureTurquoise85. Pure Turquoise (Ralph Lauren, 2005). Pure Turquoise é um chipre moderno de nuances ozônicas, florais e de couro. Abrindo com um acorde luminoso de muguê, flor de cacto, violeta e folha de cassis, o perfume logo adentra um centro soapy de rosa e flor de laranjeira. Na evolução, Pure Turquoise ganha um aspecto boozy e canforado devido à sua base de patchouli, bétula, âmbar, baunilha e rum. O resultado é uma fragrância aquosa e refrescante que de fato remete à cor do oceano. Perfeitamente unissex.

Anglomania86. Anglomania (Vivienne Westwood, 2005). Concebido por Dominique Ropion, Anglomania é um oriental floral marcado por especiarias. A fragrância tem uma saída adstringente de chá verde, coentro e cardamomo, evoluindo rapidamente para um acorde powdery de rosa e violeta temperado com noz moscada. Notas de couro, âmbar e baunilha finalizam a composição com muita sensualidade. Anglomania é um perfume para mulheres misteriosas e fatais.

Tumulte87. Tumulte (Lacroix, 2005). O designer francês Lacroix segue seu estilo revolucionário ao lançar uma fragrância masculina, Tumulte pour Homme, à base de cedro – algo muito raro (oud, sândalo, vetiver e patchouli sim, cedro não). Para não o deixar com puro aroma de lápis, o perfume contém notas de zimbro, louro, ameixa, gerânio e violeta. Uma nota de labdanum na base produz um efeito balsâmico, enquanto sândalo e patchouli deixam a composição mais densa e menos seca. Com menos sucesso, a versão feminina é um acorde rosa-íris amendoado com topo de mandarina/frésia e base de patchouli/musk.

MDC88. Miss Dior Chérie (Dior, 2005). Fragrância conhecida como “aquela que tem o cheiro de pipoca doce”, Miss Dior Chérie de 2005 foi reformulado em 2009 e depois descontinuado. Criado para comemorar o aniversário de cem anos de Christian Dior, o perfume tem quase nada a ver com o Miss Dior original. Miss Dior Chérie é um gourmand atalcado com notas de mandarina, morango, violeta, jasmim, patchouli e musk. A fragrância abre como um adstringente coquetel tropical e aos poucos vai se tornando doce e caramelizada. Miss Dior Chérie foi feito mais para meninas do que mulheres.

89. Rumeur (Lanvin, 2006). Também conhecida por “Rumeur 2” (o original, completamente diferente, foi lançado em 1934), esta fragrância é um suave floral musky. Assinado por Francis Kurkdjian, Rumeur gira em torno de uma rosa “ameixada” com toques luminosos de aldeídos, magnólia, flor de laranjeira, muguê e jasmim. Sua base fica a cargo de um acorde moderno de patchouli, âmbar e musk. Limpo, bonito e delicado.

VPourHomme90. V pour Homme (Valentino, 2006). Criado para os Casanovas modernos, V pour Homme é um oriental amadeirado de nuances picantes e adocicadas. Com uma saída revigorante de cítricos, manjericão, pimenta rosa e tamarindo, o perfume evolui para um centro seco de cedro, sândalo e musk. No dry-down, V pour Homme exibe um acorde envolvente de cominho, heliotrópio, patchouli, baunilha, cacau e âmbar. Romantismo e sensualidade em harmonia.

RockNRose 91. Rock’n Rose (Valentino, 2006). Anunciado como um perfume romântico e provocante, Rock’n Rose de Valentino gira em torno de uma rosa iluminada por flores brancas (lírio-do-vale, gardênia, flor de laranjeira). A composição ganha um topo refrescante de cítricos, folhas verdes e cassis, enquanto é sustentada por um acorde base polvoroso e adocicado de heliotrópio, orris, sândalo, baunilha e musk. Uma fragrância bem mais madura e elegante do que se propõe.

AmorPH92. Amor pour Homme (Cacharel, 2006). Para ilustrar olfativamente o amor nesta fragrância, Cacharel decidiu focá-la na nota de rosa. E para deixá-la mais viril, incorporou especiarias quentes e madeiras nobres como notas de fundo. Para harmonizar a composição, Amor pour Homme ganha um topo de cítrico e chá verde, além de um acorde sensual de fava tonka e benjoim na base. Certamente um perfume masculino diferente e inusitado.

BadgleyM93. Badgley Mischka (Badgley Mischka, 2006). Este perfume poderia ser descrito como um chipre frutado gourmand. Sofisticado e glamouroso, Badgley Mischka é uma bomba de pêssego, canela, jasmim, frutas vermelhas, patchouli e caramelo. Na saída, o perfume é bem licoroso, frutado e picante. Peônia, jasmim e osmanthus no coração conferem elegância à composição, que conclui com uma base de amadeirada doce e almiscarada. Badgley Mischka é bem no estilo de Angel, porém mais bonito e menos bruto.

Antidote94. Antidote (Viktor & Rolf, 2006). Lançado com o mote “o elixir mágico que transforma tudo que é negativo em positivo”, Antidote é um oriental-amadeirado. Sua saída é bem refrescante com notas de lavanda, gerânio, bergamota, toranja e mandarina. Seu coração é floral-especiado com notas de jasmim, flor de laranjeira, frésia, violeta, noz moscada e canela. Mostra-se atalcado e quente na secagem com notas de incenso, âmbar, fava tonka, baunilha, caramelo e madeiras diversas.

Missoni95. Missoni (Missoni, 2006). Missoni é um perfume multidimensional, único e inesperado. A fragrância consiste de uma contraposição entre notas ácidas e doces: de um lado bergamota, laranja, mandarina e caqui; de outro âmbar, chocolate e nozes. Para conferir personalidade, o perfume recebe notas florais de peônia, rosa e magnólia. No final o perfume funciona bem, mostrando a especialidade dos italianos em apreciar as coisas sem seguir muito as regras.

Délices96. Délices (Cartier, 2006). Praticamente um gourmand, Délices é uma cereja em calda realçada com notas de fava tonka e heliotrópio (cujo odor amendoado é facilmente confundível com o da cereja). A saída é fresca e levemente picante (pimenta rosa), evoluindo para um coração floral de violeta, jasmim e frésia. A base de sândalo, fava tonka e baunilha cria um efeito cremoso e sensual. Intenso e encorpado, Délices evoca memórias da infância com seu aroma que lembra maçã do amor e pipoca doce.

Chocolovers97. Chocolovers (Aquolina, 2006). Apesar da variedade de opções de fragrâncias gourmands à base de cacau (ou patchouli com etil maltol), existem pouquíssimos perfumes com o verdadeiro cheiro de chocolate ao leite, muito menos que sejam agradáveis e não enjoativos. Antes de ser descontinuado, Chocolovers preenchia essa lacuna. Sua composição reunia um cacau amendoado e caramelizado decorado com notas de cítricos, lírio-do-vale e coentro para que não se tornasse funcional. Deixou saudades.

BlueSugar98. Blue Sugar (Aquolina, 2006). Como fazer um perfume masculino com cheiro de açúcar que não cheire simplesmente a algodão doce? Aquolina fez um ótimo trabalho ao enriquecer a fragrância de Blue Sugar com anis, lavanda, alcaçuz e patchouli, transmitindo uma aura mais natural e sofisticada. O topo de bergamota, mandarina e coentro ameniza a doçura da composição, enquanto o fundo de cedro e fava tonka limita a potencial viscosidade enjoativa do etil maltol.

London99. London (Burberry, 2006). Sendo uma tradicional marca inglesa, a Burberry lançou esta fragrância em homenagem à capital. A classe e sofisticação dos britânicos não poderia faltar: London é um floral branco ressaltado por notas de laranja e madressilva. Logo no início, o aroma de laranja prevalece e abre caminho para as flores (jasmim, gardênia e rosa). Patchouli, sândalo e musk são as notas de base. London é correto e comportado à maneira inglesa.

MagicalMoon100. Magical Moon (Hanae Mori, 2006). Um verdadeiro presente para os amantes dos frutados gourmands, Magical Moon é uma versão mais doce e encorpada da fragrância assinatura de Hanae Mori. Com uma saída tropical e suculenta de abacaxi, lichia, carambola, goiaba e pimenta rosa, o perfume incorpora um delicado buquê de rosa, flor de laranjeira e osmanthus. Na secagem, um acorde de madeiras nobres, patchouli, incenso, coco, açúcar e baunilha faz Magical Moon exalar como uma vela perfumada.

102. Attitude (Armani, 2007). Concebido por três renomados perfumistas (Olivier Polge, Annick Ménardo, Arberto Morillas), Attitude foi aclamado pelo público masculino, que hoje amarga sua descontinuação. Com uma nota marcante de café, o perfume ganha um topo efervescente de limão siciliano, um centro aromático de lavanda e coentro, e um fundo robusto de patchouli, cedro, opoponax e âmbar. Um perfume bem diferente do que existe por aí.

TrussardiInside103. Inside for Men (Trussardi, 2007). O espírito italiano de ser está embutido nesta fragrância do designer de artigos de couro Trussardi. Seu frasco é revestido de uma ilustração de pele de crocodilo, a marca registrada da casa. A estrutura de Inside for Men é resultante da harmonia entre as notas amadeiradas (cashmeran e teca) e a nota estridente de café. A saída é bastante fresca e aromática, constituída de notas de bergamota, yuzu e manjericão. Na secagem, aparecem as notas de pimenta branca e musk. É bom. É fino. É caro.

PoloExplorer104. Polo Explorer (Ralph Lauren, 2007). Polo Explorer mantém o DNA chipre amadeirado da linha Polo. Aqui a composição abre intensamente aromática com bergamota, mandarina e coentro, adquirindo aos poucos uma textura densa e elegante com notas de mogno, sândalo, couro e labdanum. Polo Explorer foi provavelmente retirado de mercado por ter um estilo um tanto deslocado no tempo. Fãs de outros amadeirados de Ralph Lauren devem ir atrás.

MidnightPoison105. Midnight Poison (Dior, 2007). Este é o quarto flanker de Poison, depois de Tendre Poison, Hypnotic Poison e Pure Poison. Exceto pela discreta saída cítrica de bergamota e mandarina, Midnight Poison é basicamente um acorde patchouli-âmbar-baunilha. Às vezes um perfume não precisa conter muitos ingredientes para ser bom, e o segredo aqui está na qualidade do patchouli empregado (cuja obscuridade justifica o nome escolhido). Na secagem, a baunilha toma conta da fragrância. Não impressiona tanto quanto Hypnotic Poison, mas é um belo perfume.

Palazzo106. Palazzo (Fendi, 2007). Feito para mulheres femininas e delicadas, Palazzo é um floral construído ao redor da flor de laranjeira, que é valorizada com notas de laranja e jasmim. A fragrância abre fresca e levemente picante, bem seca, para depois desabrochar no coração floral branco. Notas mais escuras e defumadas de gaiaco e patchouli preenchem a base, conferindo um aspecto mais sério e refinado. Palazzo é de fato uma fragrância minimalista e suave, porém bem executada.

Liberté107. Liberté (Cacharel, 2007). Cacharel mais uma vez ousa com um perfume um tanto incomum. Abrindo com uma explosão efervescente de cítricos, Liberté caminha para um buquê de gardênia, jasmim-manga e gardênia enriquecido com açúcar, mel, baunilha, amêndoas e marmelada (!). Para contrabalancear o efeito açucarado e polvoroso, a composição ganha um fundo de vetiver e patchouli. O resultado é um delicioso aroma de frutas em caldas.

Twin108. Twin (Azzaro, 2008). Com frascos no formato de um moderno mouse de computador, este par de perfumes tem em comum um aspecto frutado e polvoroso. A versão feminina (branca) combina pêssego, rosa, íris, amêndoas e musk para compor um delicioso talco gourmand. Já a versão masculina (preta) reúne notas de bergamota, mandarina, maçã verde, noz moscada, amêndoas, patchouli, sândalo e musk, resultando num talco mais seco e especiado. Ambas são fragrâncias modernas e sensuais, fáceis de usar.

SecretObsession109. Secret Obsession (Calvin Klein, 2008). Feito para ser ainda mais sensual e provocante que a versão original de Obsession, este flanker vai um passo além ao combinar acordes potentes de flores brancas e especiarias. Girando em torno de um buquê de tuberosa, ylang-ylang, jasmim e flor de laranjeira, Secret Obsession incorpora notas intoxicantes de ameixa, noz moscada, absinto, baunilha e âmbar. A composição é sustentada por madeiras nobres e musks (como cashmeran), o que para muitas mulheres torna o perfume masculino demais.

Peace110. Peace (Kenzo, 2008). Tido como um perfume de conforto, Peace é um oriental amadeirado intensamente musky feito para homens e mulheres. A fragrância chega a lembrar Joop Homme devido à combinação principal de heliotrópio, fava tonka e baunilha – o que pode ser de embrulhar o estômago para algumas pessoas. A alta dose de almíscares sintéticos cria um efeito macio e esfumaçado. Uma boa pedida para quem curte o estilo das fragrâncias de Narciso Rodriguez.

Ultrared111. Ultrared (Paco Rabanne, 2008). O par de fragrâncias Ultrared compartilha a intenção de serem doces e xaroposas. A versão feminina é centrada num acorde de jasmim e marshmallow, ganhando um topo frutado e anisado (morango, groselha, alcaçuz) e um fundo cremoso de baunilha. Já a versão masculina recorre à nota fantasia de chocolate ao leite, recebendo um topo suculento (e duradouro) de laranja sanguínea e um fundo de patchouli e fava tonka. Ambos são perfumes lúdicos mais voltados para o público jovem.

Galliano112. John Galliano (John Galliano, 2008). John Galliano foi inspirado numa garota contemporânea que busca o controle sem perder sua delicadeza e fragilidade. O perfume chama atenção logo pelo frasco: uma verdadeira obra de arte em forma de vestido em tons de preto e roxo. O aroma não fica para trás: bergamota, angélica, lavanda, violeta, rosa e peônia numa inusitada combinação floral aldeídica. A base é feita de notas de cedro, patchouli, âmbar e muito musk. Assim como o vestido que representa, John Galliano deixa um longo rastro por onde passa.

Notorious113. Notorious (Ralph Lauren, 2008). Concebido em referência ao clássico homônimo de Hitchcock, este perfume é uma das criações mais controversas e polarizantes da perfumaria. Enquanto muitos o consideram uma obra-prima, outros o qualificam como repugnante. O motivo? Notas como baunilha, peônia, cassis, patchouli, cravo e chocolate branco são combinadas num esforço de transmitir poder e elegância. Seu aspecto simultaneamente agridoce, viscoso e aquoso não passou no crivo da popularidade e durou pouco tempo nas prateleiras. Notório, de qualquer forma.

114. Eau de Shalimar (Guerlain, 2008). O grande clássico é aqui reinterpretado com notas frescas de bergamota, limão siciliano e laranja. Ainda que o fundo balsâmico (resinas) e baunilha esteja presente, um polvoroso acorde central de jasmim, rosa e íris faz-nos lembrar a versão original de Shalimar. É um flanker ideal para todas as ocasiões, enquanto a versão original é mais adequada para a noite ou baixas temperaturas.

115. Miss Dior Chérie L’Eau (Dior, 2009). Quatro anos depois do também descontinuado Miss Dior Chérie, a maison Dior introduziu este luminoso floral verde descrito como a graça, leveza e charme da garota parisiense. O perfumista François Demachy afirma que este não é um perfume complicado, e sim feito para acentuar a simplicidade, dando o aspecto de “limpeza, frescor e delicadeza.” Sua pirâmide olfativa é simples: mandarina no topo, gardênia no centro e musk no fundo.

Scarlett116. Scarlett (Cacharel, 2009). Scarlett de Cacharel não durou muito tempo nas prateleiras. Inspirado na heroína de “E o Vento Levou”, trata-se de um floral branco com nuances melífluas e almiscaradas. O perfume abre com um acorde aromático de limão siciliano, pera e chá verde, anunciando um centro luminoso de madressilva, flor de laranjeira e jasmim. A composição é sustentada por um fundo viscoso de sândalo, mel e musk. Scarlett resulta numa fragrância ingênua, mais apropriada para meninas.

Tokyo117. Tokyo (Kenzo, 2008). Descrito pelo designer japonês como as luzes da cidade à noite, Tokyo tem um acorde amarelo (gengibre, limão, toranja), um acorde verde (chá), um acorde vermelho (pimenta rosa, laranja amarga) e um acorde escuro (gaiaco, cravo-da-índia, noz moscada). O resultado é um agradável amadeirado especiado que equilibra bem seus lados aromático e oriental, tornando-se bastante versátil.

NaughtyAlice118. Naughty Alice (Vivienne Westwood, 2010). Apesar do nome (“Alice Safada”), Naughty Alice tem mais a ver com mulheres maduras do que meninas. Centrado no acorde floral de rosa, violeta e ylang-ylang, o perfume a princípio tem um aspecto datado de talco, porém uma injeção de almíscar sintético e baunilha na base lhe confere uma aura mais contemporânea. Mesmo assim, Naughty Alice fica longe do que propõe seu nome.

Womanity119. Womanity (Thierry Mugler, 2010). Rumores dizem que este perfume foi inspirado no órgão sexual feminino, justificando a escolha incomum de suas notas – figo e caviar. Pode-se dizer que de um lado encontra-se um aroma lactônico, suculento e doce, e de outro um aroma salgado, denso e metálico (a nota fantasia de caviar é apenas uma maneira descolada de dizer sal). Essas duas polaridades constroem um efeito que pode ser tanto repelente quanto atraente. Womanity é, de qualquer forma, inventivo e revolucionário.

CartierDeLune120. Cartier de Lune (Cartier, 2011). Limpo e fresco como um desodorante, Cartier de Lune é uma das fragrâncias mais genéricas da marca de joias. Centrado na rosa, o perfume traz um topo de zimbro e pimenta rosa e um fundo de madeiras nobres e musk. A nota principal recebe o brilho de um acorde de cíclame, lírio-do-vale e madressilva. Cartier de Lune é uma boa opção para aqueles que gostam de perfumes mais funcionais com cheiro de sabonete.

Nota: Perfumes descontinuados anteriores a 1990 encontram-se nas páginas Vintages, Anos 70 e Anos 80, além de Marcas de Cosméticos. Para perfumaria de nicho, consulte Descontinuados de Nicho. Para os nacionais, consulte Descontinuados Nacionais.

112 pensamentos sobre “Descontinuados Importados Comerciais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s