EDTs ♀

EDTsPrimeiro o mito: um eau de toilette (EDT) não é simplesmente a versão mais fraca de um eau de parfum (EDP). O conceito de EDT ganhou força durante a massificação da perfumaria, com o objetivo de servir o dia a dia da mulher – faire sa toilette significa “se arrumar” em francês. Desta forma, a versão EDP – com projeção superior – era guardada para eventos noturnos ou ocasiões especiais. Para fazer um EDT, perfumistas não apenas diminuem a concentração de óleo essencial, mas também retrabalham a fórmula para que a fragrância se harmonize dentro da nova concentração – obviamente por trás disso há também uma estratégia de marketing para incentivar a compra de ambas versões. No EDT, as notas de fundo são amenizadas ou substituídas por outras mais leves (por exemplo, madeiras no lugar de resinas) e, às vezes, também as de coração (por exemplo, flor de laranjeira no lugar do jasmim). Todavia, a parte mais modificada é o topo, reforçado para transmitir a sensação de leveza, brilho e frescor ausente ou limitada no EDP. Depois da popularização dos flankers a partir de 2000, a indústria partiu para extensões de linha, introduzindo versões EDT de perfumes que vendem bem. Se por um lado esta é uma forma de aumentar as vendas, por outro é igualmente um benefício para o usuário, que agora pode ter a sua fragrância assinatura na versão EDT para o trabalho e EDP para a balada.

(ordem cronológica por ano de lançamento)

LHeureBLeueEDT1. L’Heure Bleue EDT (Guerlan, 1912). Enquanto a versão extrato valoriza o aspecto de croissant de amêndoas recém-saído do forno e o EDP expande a nuvem atalcada formada por notas de violeta, íris, rosa e heliotrópio, L’Heure Bleue EDT ressalta o aroma bonito e revigorante da flor de laranjeira. Mesmo assim, é mais encorpado e intenso que Aprés l’Ondée, considerado a versão light desta fragrância. L’Heure Bleue é apenas mais fresco e versátil, mantendo o DNA do tradicional.

Mitsouko2. Mitsouko EDT (Guerlain, 1919). Mitsouko Extrait é uma composição mais seca e especiada, com grande foco na base fibrosa e terrosa. O EDP equilibra bem a luminosidade e energia dos acordes cítricos e florais (especialmente hedione), ao mesmo tempo em que reforça o vetiver, patchouli e musgo de carvalho da base. Mitsouko EDT, contudo, traz um topo cítrico mais efervescente, interagindo em perfeito equilíbrio com o centro floral para acentuar sua transparência.

HabanitaEDT3. Habanita EDT (Molinard, 1921). O grande clássico de Molinard foi primeiro lançado como parfum e EDT, depois como EDP. Este abre com um potente aroma vegetal e amargo, evoluindo para um centro floral e terroso, antes de finalizar com um acorde quente e esfumaçado. Habanita EDT, por outro lado, tem uma saída cítrica e frutada, um coração floral e polvoroso, e uma base adocicada e defumada de benjoim e couro. São praticamente dois perfumes diferentes.

ShalimarEDT4. Shalimar EDT (Guerlain, 1925). É fácil se perder entre todas as inúmeras versões deste ícone histórico. O extrato apresenta um aroma denso em todos os níveis (incluindo o topo cítrico), fazendo com que as notas de couro e baunilha na base confiram um aspecto químico de verniz. A versão EDP ressalta o acorde de rosa, jasmim e sândalo, dando um acabamento mais fino. Shalimar EDT é mais limpo e “comercial”, com uma aura mais fresca e atalcada, e também menos quente e balsâmica.

JoyEDT5. Joy EDT (Patou, 1930). Joy ficou realmente conhecido pela sua versão parfum, que continha 10 mil flores de jasmim e 28 dúzias de rosas, tornando-se, à época, o perfume mais caro do mundo. Com um pouco menos cremosidade e brilho, o EDP é a versão mais popular e conhecido por seu aroma polvoroso e animálico. Por outro lado, Joy EDT deixa um pouco de lado o aspecto floral animálico para se fazer floral verde aldeídico. Mais para N°5 do que Tabu.

JeReviensEDT6. Je Reviens EDT (Worth, 1932). O ícone do entre-guerras é oferecido em duas concentrações (e preços) bem diferentes. O EDP tem uma saída aldeídica arrebatadora que envolve notas florais carnais como jasmim e ylang-ylang, além de cravo-da-índia. Je Reviens EDT já é um floral aldeídico verde no estilo de Rive Gauche e Calèche. A fragrância abre com aspecto de spray de cabelo, mais limpo e arejado, evoluindo para um aroma mais leve e atalcado, porém ainda assim datado.

N5EDT7. N°5 EDT (Chanel, 1952). Enquanto o verdadeiro N°5 é o extrato, com sua atmosfera floral carnal e base polvorosa inebriante, a versão EDP foi a que mais se popularizou – um buquê floral mais “arredondado” e limpo (aldeídos). N°5 EDT tem uma saída de limão, ylang-ylang e aldeídos mais potente e uma base mais amadeirada (vetiver, sândalo, patchouli e musgo de carvalho). Esta é uma versão mais fria e blasé, como as “patricinhas” que se fazem de difíceis.

CabochardEDT8. Cabochard EDT (Grès, 1959). Por ser tão barato, Cabochard EDP é mais conhecido, deixando a versão EDT no esquecimento. Cabochard EDT mantém a vibe de perfumaria clássica francesa com seu acorde amargo e rançoso de tabaco e couro. A fragrância mantém seu aspecto masculino, porém investe em notas de aldeídos, limão, grama cortada, musgo de carvalho e vetiver. Assim, o EDT foge dos tons “sujos” e químicos, passando a ser uma alternativa mais contemporânea.

ChamadeEDT9. Chamade EDT (Guerlain, 1969). Enquanto o parfum é intenso e narcótico com seu poderoso acorde de rosa e ylang-ylang, além de um dry-down perseverantemente balsâmico, o EDP é mais “correto e adequado”, com uma fórmula mais arredondada, sem pontas. Chamade EDT, entretanto, oferece uma saída verde de gálbano e jacinto mais presente e uma evolução mais delicada e polvorosa. É menos oriental floral e mais floral fresco.

Chanel19EDT10. N°19 EDT (Chanel, 1970). Por conta de sua base mais firme de vetiver, sândalo e couro, a versão parfum é a mais unissex, além de ser a mais natural de todas. O EDP é um perfume atalcado e sofisticado, com uma íris de excelente qualidade (plantação exclusiva de Chanel em Grasse). N°19 EDT foi feito para energizar, com suas notas verdes e polvorosas conferindo uma atmosfera de natureza ao ar livre. Destaque para as notas de gálbano, íris e couro.

CristalleEDT11. Cristalle EDT (Chanel, 1974). Só mesmo a Chanel poderia conceber uma fragrância tão seca, amarga e crispy, indo contra todas as correntes. Cristalle primeiro saiu como EDT e, somente em 1993, como EDP. Como insinua o próprio nome, o perfume foi inspirado num diamante e, assim, construído com notas translúcidas de limão, bergamota, gálbano, jacinto, vetiver e musgo de carvalho. O EDP foi modernizado com mandarina, pêssego, melão, jasmim e ylang-ylang para agradar a nova geração.

OpiumEDT12. Opium EDT (Yves Saint Laurent, 1977). O buquê picante de Yves Saint Laurent está disponível nas três concentrações. Enquanto o extrato pula a saída aldeídica e se concentra numa base mais potente e redonda de bálsamos, madeiras e especiarias, o EDP apresenta o acorde floral picante mais dominante. Já Opium EDT tem o topo cítrico, herbáceo e aldeídico com maior destaque, atenuando a secagem quente e gótica do perfume.

PalomaPicassoEDT13. Paloma Picasso EDT (Paloma Picasso, 1984). Paloma Picasso EDP é um dos chipres clássicos mais famosos (ou infames) por ser tão deliberadamente escuro e animálico com suas notas de musgo de carvalho, couro e civet. A versão EDT deixa (só) um pouco de lado o aspecto “sujinho” e trabalha melhor a vibe de maquiagem com um intenso acorde floral atalcado. Em Paloma Picasso EDT, o rastro das notas polêmicas é mínimo e a prioridade é para as flores.

CocoEDT14. Coco EDT (Chanel, 1987). Três anos depois do lançamento de Coco EDP, Chanel introduz sua versão EDT. A união do acorde de cravo, rosa, jasmim e acácia com especiarias (principalmente cravo-da-índia), resinas e civet talvez resultasse num perfume opulento ou enjoativo demais para algumas pessoas. Desta forma, Coco EDT surgiu como uma alternativa confortável, menos doce e picante, ainda assim mantendo o DNA original. Se o EDP é para a femme fatale, o EDT é para a rainha.

SamsaraEDT15. Samsara EDT (Guerlain, 1991). O verdadeiro Samsara, executado conforme concebido, é o extrato com sua aura carnal e hipnótica, “anabolizando” uma base de sândalo e âmbar com um potente acorde de jasmim e ylang-ylang. Já o EDP tem o aspecto floral mais limpo (menos natural). Samsara EDT cumpre com a missão de ser mais leve e fresco, porém com isso sacrifica seus maiores diferenciais: a opulência e a silagem.

AllureEDT16. Allure EDT (Chanel, 1996). Allure foi criado primeiro na versão EDT, feito para ser uma fragrância casual para o dia a dia. Apesar de ser um oriental floral, o perfume é leve, com nuances cítricas. Em 1999, Chanel reconstruiu a composição, atenuando o lado fresco e agregando um acorde pêssego-baunilha, mais em linha com o mercado. O parfum veio depois, com uma boa dose de absolutos de jasmim e rosa da plantação da maison em Grasse, mais opulento e sofisticado.

HotCoutureEDT17. Hot Couture EDT (Givenchy, 2000). O frasco rosa de Hot Couture EDP pode assustar os desavisados – trata-se de um perfume que mistura potentes acordes frutados e picantes, resultando num xarope ultradoce. Mas a fragrância oferece uma versão EDT, mais light e cintilante, atenuando a carga de especiarias e incrementando a saída cítrica. Em Hot Couture EDT, as especiarias cedem mais de espaço para as frutas e baunilha, tornando o perfume mais jovem e inocente.

CocoMademoiselleEDT18. Coco Mademoiselle EDT (Chanel, 2002). Coco Mademoiselle é um perfume que conquistou o público feminino com um acorde de lichia, rosa, jasmim e flor-de-laranjeira cercado de cítricos, vetiver, patchouli e baunilha. Porém o EDP era um pouco forte demais e nauseante para algumas moças. Assim, o EDT veio com mais cítricos, menos resinas e sem as notas opulentas de ylang-ylang e acácia. Acho difícil alguém acostumado com o EDP gostar do EDT, mas ambas versões têm seu público.

ChanceEDT19. Chance EDT (Chanel, 2003). O moderno chipre floral com nota marcante de abacaxi é oferecido como EDT, EDP e Parfum. Enquanto o EDP é mais cremoso (jasmim, baunilha) e polvoroso (íris, musk) e o parfum tem o patchouli e jasmim mais vívidos devido aos ingredientes naturais, Chance EDT é uma versão mais refrescante e apropriada para o nosso clima. Flores frescas, frutas cítricas, pimenta rosa, patchouli e musk interagem em perfeito equilíbrio.

NarcisoForHerEDT20. Narciso Rodriguez for Her EDT (Narciso Rodriguez, 2003). A versão EDP (frasco rosa) foi feita para ser romântica, com foco na nota de rosa, e o resto da composição propiciando um aroma macio e cremoso, com toques de musk. Narciso Rodriguez for Her EDT (frasco preto) é mais jovem e lúdico, com maior silagem. O EDT troca a rosa por um acorde floral fresco de bergamota, osmanthus e flor de laranjeira, além de inserir baunilha e muito mais musk.

BritEDT21. Brit EDT (Burberry, 2004). As amêndoas açucaradas de Burberry estão disponíveis tanto em EDT quanto EDP. Brit EDT acrescenta uma nota de capim-limão no topo, tornando a composição mais cítrica e efervescente. Enquanto o acorde central de amêndoas, açúcar e peônia se mantém intacto, a base deixa de lado a nota de fava tonka, priorizando o âmbar. Quem curte o EDP provavelmente não terá dificuldades com a versão mais leve.

L'Instant22. L’Instant EDT (Guerlain, 2005). As versões EDT e EDP de L’Instant são bem distintas. O EDP é um oriental floral que se destaca pelo acorde de magnólia e mel, além de ter resinas doces na base, formando uma aura opulenta e sensual. Já L’Instant EDT é menos cremoso e macio, privilegiando o acorde floral fresco e crispy cercado de cítricos, maçã verde, cassis e âmbar. Ambas versões parecem ser construídas em torno da flor de magnólia, apenas com diferentes tonalidades.

AllureSensuelleEDT23. Allure Sensuelle EDT (Chanel, 2006). Este é um daqueles casos em que o flanker desbanca o original. O EDP trabalha bem as especiarias, frutas secas e resinas doces para favorecer um clima quente e sensual. O parfum sofre um upgrade com absolutos de rosa e jasmim. Já Allure Sensuelle EDT tem um topo mais cítrico e luminoso e o acorde especiado mais macio. A composição tem um ótimo equilíbrio, especialmente com o centro (jasmim, rosa, íris) e deixa um rastro aveludado.

InsolenceEDT24. Insolence EDT (Guerlain, 2006). Neste caso, a versão EDT foi a primeira a ser lançada, conquistando o público com um aroma floral frutado de tons rosa e violeta. Apesar da sua concentração, Insolence EDT é um perfume potente como Poison (também EDT). Dois anos depois, o perfumista Maurice Roucel retornou à Guerlain para criar o EDP. O resultado foi uma bomba com mais framboesa, mais íris e mais fava tonka. O EDP não necessariamente projeta melhor; é apenas mais intenso.

FlowerbombEDT25. Flowerbomb EDT (Viktor & Rolf, 2007). Este sucesso comercial de Viktor & Rolf ganhou sua versão EDT dois anos depois do original. A ideia aqui foi dar um tom de champagne rosé na abertura, realçado com notas de tangerina, laranja e pimenta rosa, ausentes no EDP. Na evolução, a composição segue a mesma identidade com um buquê macio e luminoso de frésia, rosa, osmanthus, jasmim e orquídea. Flowerbomb EDT recebe também uma boa dose de cashmeran.

RoseEssentielle26. Rose Essentielle EDT (Bvlgari, 2007). No ano seguinte do lançamento do original EDP, Bvlgari aposta numa versão mais cítrica e menos doce. Rose Essentielle EDT abre com bergamota e laranja (sem a suculência da amora), segue com um buquê cintilante de rosa e jasmim (sem a exuberância da acácia), e finaliza com patchouli e musk (sem a fumaça do gaiaco). Rose Essentielle EDT deixa um pouco de lado o sensual para se tornar mais executivo.

LolitaEDT27. Lolita Lempicka EDT (Lolita Lempicka, 2008). Quem curte o Lolita Lempicka original por sua potência não vai querer perder tempo com a versão EDT. Este abre com aspecto cítrico, frutado e soapy, em seguida exibindo um acorde macio e atalcado de íris e violeta. A base exala um aroma de baunilha, incenso e noz moscada, além de musk. Lolita Lempicka EDT é fresco, mas não a ponto de ser uma colônia, pois suas notas de cereja e damasco são bem marcantes.

GucciByGucciEDT28. Gucci by Gucci EDT (Gucci, 2008). A versão EDT veio um ano depois com um patchouli mais limpo e um acorde central mais fresco. A saída frutada de pera e goiaba é mantida, mas o coração recebe agora flores mais leves e brilhantes como néroli e lírio-do-vale. A base contém os mesmos ingredientes, porém mais suave e macia. Devido ao reforço floral, Gucci by Gucci EDT acaba se tornando mais feminino e menos andrógino.

EuphoriaEDT29. Euphoria EDT (Calvin Klein, 2009). Com um aroma praticamente idêntico, ambas versões EDT e EDP de Euphoria são orientais florais com foco na nota fantasia de orquídea e suas nuances frutadas e atalcadas. Euphoria EDT é mais fresco e polvoroso, com topo de notas verdes e base de sândalo e âmbar. O EDP tem uma nota de romã marcante, além da adição de mogno e musk à base oriental. Infelizmente, Euphoria EDT perde pontos por sua curta longevidade.

FloraEDT30. Flora EDT (Gucci, 2009). Enquanto o EDP oferece uma versão mais suculenta e inebriante, dando mais poder ao acorde damasco-rosa-patchouli, Flora EDT injeta frescor e versatilidade. A fragrância abre vibrante e luminosa com cítricos, pimenta rosa e peônia, em seguida mostrando uma rosa limpa com leves traços frutados. Essa fase cristalina dura mais tempo nesta concentração, concluindo com a mesma base de patchouli e sândalo. O EDP está mais para um chipre moderno, ao passo que o EDT é um floral fresco.

JasminNoirEDT31. Jasmin Noir EDT (Bvlgari, 2009). É fácil confundir as duas versões, visto que os frascos são muito parecidos, apenas mudando a tampa de dourada para transparente. Para compor o EDT, o perfumista Carlos Benaïm aproveitou a composição original e adicionou notas mais arejadas e vibrantes. No topo, uma nota de flor de lótus traz um aspecto floral aquoso, o centro ganha uma nota de flor de laranjeira, e a base perde o âmbar e patchouli para se tornar mais translúcida.

ChloéEDT32. Chloé EDT (Chloé, 2009). Chloé é um dos perfumes modernos à base de rosa mais elogiados do mundo. Enquanto sua versão EDP é um oriental floral suculento e inebriante, Chloé EDT é um floral aquático. O perfumista Michel Almairac decidiu trocar a nota de lichia por melancia, e grande parte do acorde floral por frésia, íris e pimenta rosa. Desta forma, Chloé ganhou uma versão menos femme fatale e mais executiva para mulheres discretas e ativas.

AlienEDT33. Alien EDT (Thierry Mugler, 2009). Alien EDT é a irmã tímida e recatada da sensual e poderosa versão EDP. Mantendo a estrutura de flor de laranjeira, jasmim, âmbar e madeiras nobres, o EDT adiciona um acorde cítrico na saída, gardênia no coração e cashmeran na base. Essa foi uma forma inteligente de preservar o DNA do original, fazendo ajustes pontuais nas notas. Alien EDT é delicado e confortável, mais romântico do que sedutor.

FéerieEDT34. Féerie EDT (Van Cleef & Arpels, 2009). O perfume da fadinha saiu primeiro em EDP (2008) e depois em EDT (2009). O primeiro tem uma saída frutada, um buquê de jasmim, rosa e íris, e uma base de vetiver e madeiras nobres. Já o EDT abre vibrante e fresco com toranja e folha de violeta, evolui para um centro floral e atalcado e finaliza macio e doce com sândalo, benjoim e musk. A versão EDT tem uma atmosfera mais de folhas umedecidas com o orvalho da manhã.

InfusionIrisEDT35. Infusion d’Iris EDT (Prada, 2010). Três anos depois do sucesso de Infusion d’Iris EDP, Prada lança uma versão mais luminosa e refrescante. Infusion d’Iris EDT dispensa cítricos para focar nas notas verdes. O perfume abre fresco e crispy com gálbano e lírio-do-vale, aos poucos exibindo seu acorde atalcado de íris, violeta e heliotrópio. Em vez de benjoim e incenso, o EDT compõe uma base de cedro e vetiver. Infusion d’Iris EDT é mais limpo e feminino, porém com menor lasting.

IdylleEDT36. Idylle EDT (Guerlain, 2010). Enquanto o EDP é um floral verde com nuances frutadas e uma base intensamente musky com cashmeran, Idylle EDT enfatiza o aspecto fresco com néroli e frésia, ao mesmo tempo em que o almíscar é atenuado. Uma nota de ylang-ylang é adicionada para preservar a sensualidade da composição. Assim, a versão EDT é muito mais dinâmica e casual, mantendo ainda a identidade da fragrância original.

JAdoreEDT37. J’Adore EDT (Dior, 2011). J’Adore é um dos perfumes mais vendidos do mundo, portanto disponível em várias versões. Em termos de concentração, o extrato é o menos doce e mais floral com absolutos de rosa e jasmim. O EDP conta com uma saída mais frutada, evolução com maior potência floral e dry-down cremoso e musky. Já o EDT abre cítrico e brilhante (néroli), desenvolvendo um coração floral menos polvoroso e finalizando com uma base mais limpa e seca.

SiLolitaEDT 38. Sì Lolita EDT (Lolita Lempicka, 2011). O controverso oriental floral de Lolita Lempicka ganhou, dois anos depois, sua versão EDT. Se o primeiro tinha uma base rica em patchouli, lentisco e fava tonka, criando um aspecto vegetal e amendoado intenso, o segundo é um floral com nuances frutadas e especiadas. Sì Lolita EDT abre vibrante com petitgrain, cranberry e pimenta rosa, evolui para um centro herbáceo e floral fresco, e finaliza macio e adocicado com âmbar e musk.

SensuousEDT39. Sensuous EDT (Estée Lauder, 2011). Sensuous EDT mantém a mesma estrutura e ingredientes do original, porém imprime maior ênfase às notas cítricas e florais luminosas. Na saída, um acorde de cítricos e flores brancas remete a limonada fresca, mudando a atmosfera do perfume de momento íntimo para um passeio na praia. No dry-down, as notas de pimenta e mel continuam presentes, desta vez dominadas pelo sândalo e âmbar, resultando num aroma mais seco e macio.

FanDiFendiEDT40. Fan di Fendi EDT (Fendi, 2011). O famoso floral frutado à base de couro e patchouli da italiana Fendi foi primeiro apresentado como EDP e, um ano depois, como EDT. Preservando a mesma base, a versão mais leve incorpora um acorde central de jasmim e ylang-ylang, em vez de rosa e tuberosa na versão EDP. A grande diferença fica a cargo do topo, que acrescenta notas verdes de limoeiro, petitgrain e chá verde. Fan di Fendi EDT é verde e ligeiramente aquático.

AngelEDT41. Angel EDT (Thierry Mugler, 2011). Como um bom best-seller, Angel está disponível nas três concentrações. O extrato tem maior quantidade de óleo essencial de patchouli, tornando-se mais equilibrado e redondo. O EDP mostra um patchouli mais terroso e notas doces mais pontiagudas, como se tivesse sido feito para causar. Por outro lado, Angel EDT é a versão diet, com uma carga reduzida do acorde gourmand e com uma ênfase no acorde inicial de bergamota e pimenta rosa.

OrganzaEDT42. Organza EDT (Givenchy, 2011). Organza EDP é o perfume da femme fatale, evidenciado tanto pelo frasco quanto pela composição floral, doce, picante e balsâmica. Opulento e difícil de usar, o perfume ganhou, 15 anos depois, sua versão EDT. Organza EDT mantém o estilo oriental floral (ou, talvez, floral oriental) com uma suave saída de madressilva, um coração de gardênia, e uma base de noz moscada, baunilha e âmbar. Mais fresco e polvoroso, menos doce e balsâmico.

LPRNEDT43. La Petite Robe Noire EDT (Guerlain, 2012). A versão EDP é praticamente um licor de cereja com notas de alcaçuz, rosa, violeta e amêndoas; a versão parfum é ainda mais viscosa e gourmand. Por outro lado, a versão EDT é bastante diferente, adicionando ingredientes frescos de maçã, néroli e cassis, além de subtrair da base as notas de amêndoas e baunilha (mais patchouli, mais âmbar). La Petite Robe Noire EDT cairá bem para moças mais jovens e dinâmicas.

LadyMillionEDT 44. Lady Million EDT (Paco Rabanne, 2012). O floral frutado “baladeiro” de Paco Rabanne é agora apresentado numa versão mais fresca e brilhante. Mantendo os ingredientes principais do original, Lady Million EDT abandona a nota de framboesa, reforçando seu aspecto verde e crispy com néroli, gardênia e jacinto. Na base, o âmbar é deixado de lado, privilegiando a interação entre as notas sensuais de patchouli e mel.

VeneziaEDT45. Venezia EDT (Laura Biagiotti, 2012). Se a versão tradicional de Venezia é um oriental floral com vibe sensual, com uma potente base doce e balsâmica, o EDT busca o romantismo com prioridade para as flores. Mantendo basicamente a mesma receita, Venezia EDT abre frutado e desenvolve um coração floral de osmanthus, jasmim, ylang-ylang e rosa. A base é “diluída” com sândalo e âmbar para tornar a composição mais leve.

BaiserVoléEDT46. Baiser Volé EDT (Cartier, 2012). Construído em torno do lírio-do-vale, Baiser Volé existe em EDT, EDP e extrato. Enquanto o extrato é mais carnal e terroso, o EDP é mais delicado e feminino. Baiser Volé EDT segue um caminho distinto, com a nota de muguê trabalhada de forma luminosa, cristalina e radiante. Notas verdes são predominantes, compondo uma atmosfera limpa e aquosa, quase terapêutica. Baiser Volé EDT é também indicado para homens.

DahliaNoirEDT47. Dahlia Noir EDT (Givenchy, 2012). Dahlia Noir é um inebriante chipre floral moderno construído em torno do acorde rosa-íris-acácia, que é apoiado sobre uma base de sândalo, fava tonka e baunilha. Para a versão EDT, o perfumista François Demachy adotou o gênero floral, escolhendo um topo de mandarina e pêssego, um coração de rosa e pimenta rosa, e uma base de sândalo, âmbar, baunilha e musk. Nada de patchouli, íris e fava tonka.

BodyEDT48. Body EDT (Burberry, 2012). Este conhecido chipre frutado de Burberry fez sucesso com sua combinação de pêssego, rosa, sândalo e cashmeran. Body EDT mantém basicamente os mesmos ingredientes, apenas adicionando notas de chá e maçã verde para ampliar o frescor junto com pêssego e absinto. Na base, as notas de âmbar, baunilha, cashmeran e musk são preservadas, porém com maior ênfase para os dois últimos. Menos sensual, mais romântico.

WomanityEDT49. Womanity Eau pour Elles (Thierry Mugler, 2012). O polêmico perfume de Thierry Mugler continua polêmico em sua versão mais leve. O aspecto lactônico e salgado propiciado por notas de figo e caviar continuam lá. No EDT (curiosamente chamado de “eau pour elles”), a perfumista Christine Nagel adicionou uma nota marinha, reforçando a aura salina, e outra de morango, acentuando o aspecto frutado. A fragrância continua escura, porém agora mais gourmand.

ElieSaabEDT50. Elie Saab Le Parfum EDT (Elie Saab, 2012). No ano seguinte do lançamento de Elie Saab Le Parfum, o designer lança a versão EDT. O EDP, embora seja um sucesso de opinião, é conhecido por ser um pouco forte para ser usado durante o dia, especialmente no trabalho. Elie Saab Le Parfum EDT mantém a ideia original, porém substitui alguns ingredientes: gardênia no lugar do jasmim e vetiver no lugar do patchouli. A sofisticação permanece, só que com um ar mediterrâneo.

VeryIrrésistibleEDT51. Very Irrésistible EDT (Givenchy, 2012). O perfume floral frutado criado em torno da rosa e com notas de anis, verbena e cassis ganhou, nove anos depois, sua versão EDT. Very Irrésistible EDT abre com verbena e limão, antes de revelar uma rosa cercada de musk. Na evolução, a nota de anis emerge, criando uma aura levemente atalcada. A base fica por conta do patchouli com um toque de mel. O resultado é uma fragrância mais floral e menos doce, bem diferente do original.

LoverdoseEDT52. Loverdose EDT (Diesel, 2012). De oriental vanilla anísico, esta fragrância da italiana Diesel passa a ser floral frutada musky na versão menos concentrada. O topo intoxicante de mandarina e anis agora é dominado por uma nota de maçã, enquanto o acorde central de flores brancas e alcaçuz é substituído por uma delicada nota de flor de laranjeira. No dry-down, nota-se a ausência das madeiras, âmbar e baunilha, compensada com uma base limpa e macia de musk. Loverdose EDT tem seu estilo próprio.

MissDiorEDT53. Miss Dior EDT (Dior, 2013). A versão extrato de Miss Dior apresenta um patchouli mais natural e, portanto, mais bruto, além de notas florais mais naturais. O EDP trabalha a rosa com uma nota suculenta de mandarina e jasmim, enquanto o EDT traz dois tipos de rosa (turca e búlgara), que interagem como néroli. Talvez não tão elegante quanto a versão mais concentrada, Miss Dior EDT é uma opção mais limpa e versátil para uso no dia a dia do escritório.

AngeDemonSecretEDT54. Ange ou Démon Le Secret EDT (Givenchy, 2013). Um dos flankers mais bem-sucedidos da história, Ange ou Démon Le Secret foi lançado em versão EDP, com um potente buquê central de jasmim, peônia e lírio aquático. A versão EDT, lançada quatro anos depois, investe numa vibe aquática com nota de maçã. O acorde chá-jasmim agora é mais dominante, ajudando a fragrância a produzir uma atmosfera calma e relaxante.

IvoireEDT55. Ivoire EDT (Balmain, 2013). Se o Ivoire EDP é um chipre verde e encorpado, a versão menos concentrada segue um caminho floral frutado e fresco. Com uma saída lúdica de bergamota e groselha (em vez da seriedade da folha de violeta e gálbano), Ivoire EDT aposta num acorde central mais suave de osmanthus e magnólia (sem o efeito atalcado e indólico do original). A base de patchouli e musk é mantida, porém sem a baunilha. Esta versão é feita para mulheres mais sensíveis a perfume, podendo ser tranquilamente usada para trabalhar.

PlaceVendômeEDT56. Place Vendôme EDT (Boucheron, 2013). Neste caso, as duas versões foram lançadas ao mesmo tempo. Enquanto o EDP é um oriental floral concentrado em flores brancas com toques de mel e chocolate ao leite, o EDT segue um estilo floral fresco com mais ênfase nos cítricos e musk. Place Vendôme EDT tem uma saída ácida e refrescante de yuzu e osmanthus, anunciando um acorde central delicado de rosa, peônia, íris e jasmim. Sem as notas resinadas do EDP, esta versão conclui com uma base limpa e macia de musk.

LaVieEstBelleEDT57. La Vie Est Belle EDT (Lancôme, 2014). Durante o lançamento de La Vie Est Belle EDP, muitos indagaram se era realmente possível vender um perfume tão doce. Dois anos depois, Lancôme lança o EDT com grande foco na nota de magnólia como topo. Enquanto o EDP é um floral frutado com aspecto atalcado e gourmand, o EDT abre fresco e amendoado, evoluindo para um centro levemente polvoroso. No EDT, o patchouli recua e dá espaço às flores e ao caramelo.

AddictEDT58. Addict EDT (Dior, 2014). O flan de baunilha com calda de caramelo ganha sua versão mais leve. Addict EDT apresenta uma saída cítrica (mandarina) mais potente, ao passo que o acorde central de flores dispensa a rosa e foca na luminosidade do néroli e jasmim. Enquanto a base do EDP é carregada de fava tonka (mais amendoada), o EDT é mais macio e cremoso com notas de sândalo e baunilha. Addict EDT é mais elegante e feminino.

AcquaDiGioiaEDT59. Acqua di Gioia EDT (Armani, 2014). Quatro anos depois do lançamento de Acqua di Gioia EDP, a grife Armani apresenta uma versão ainda mais leve e fresca. No lugar da menta, o perfume recebe uma nota metálica e aquosa de folha de violeta, além de pera e cassis. Na base, o labdanum e açúcar dão lugar ao macio sintético de cashmeran. Se muita gente compra o original por causa do cheiro de balinha de menta, é bom avisar que o EDT segue outra linha.

TrésorEDT60. Trésor EDT (Lancôme, 2014). A bomba floral frutada e atalcada de Lancôme, originalmente criada por Sophia Grojsman, é retrabalhada para a versão EDT por Dominique Ropion. O complexo acorde frutado inicial é reduzido a apenas uma nota (pêssego), enquanto o coração floral polvoroso da composição é preservado. A base é refeita com a adição de patchouli, fava tonka, leite e noz moscada. Trésor EDT resulta num delicioso aroma frutado e cremoso.

CarvenEDT61. Carven EDT (Carven, 2014). A irmã mais nova de Carven Le Parfum é mais contida nas frutas suculentas e flores inebriantes, se concentrando em notas frescas e macias. A partir de um topo de limão siciliano e ervilha-de-cheiro, Carven EDT caminha para um buquê verde e cintilante de frésia, peônia, glicínia e jacinto (em oposição aos potentes jasmim e ylang-ylang do original). A fragrância conclui com notas amadeiradas e musk.

 JoyForeverEDT 62. Joy Forever EDT (Patou, 2014). Centrado na nota de rosa, Joy Forever EDT dispensa a opulência do original e aumenta a dose dos acordes mais suaves. O perfume abre com bergamota, mandarina, gálbano e damasco, seguindo com um centro de rosa, cravo, jasmim, flor de laranjeira e íris. Na secagem, Joy Forever EDT se torna mais macio e amadeirado graças a um fundo de cedro, sândalo e musk.

LoverdoseTattooEDT63. Loverdose Tattoo EDT (Diesel, 2014). Enquanto Loverdose Tattoo em sua concentração eau de parfum é mais doce e cremoso, a perfumista Anne Flipo decidiu incluir na versão EDT notas de chá verde e magnólia e subtrair a baunilha e o lactone. Assim, o topo original de mandarina, limão siciliano e cassis é enfatizado, trazendo mais luminosidade para o acorde central de rosa e jasmim.

BlackOpiumEDT64. Black Opium EDT (Yves Saint Laurent, 2015). Mantendo a construção principal de pera, café, flor de laranjeira e jasmim da versão eau de parfum, a perfumista Nathalie Lorson introduz aqui notas de chá verde, mandarina e cassis. Além disso, Black Opium EDT troca a base doce e encorpada de patchouli e baunilha por um leve acorde de cedro e musk. O resultado é uma opção mais versátil para o dia a dia.

JeuDAmourEDT 65. Jeu d’Amour EDT (Kenzo, 2015). A versão menos concentrada de Jeu d’Amour preserva o acorde central de tuberosa-frésia e o confortável fundo de musk, porém troca, no topo, a nota frutada de romã por pera e, na base, sândalo por cedro. Além disso, a inclusão de flor de limoeiro traz um brilho extra a Jeu d’Amour EDT. O resultado é mais cítrico e amadeirado, menos floral e frutado.

NarcisoEDT66. Narciso EDT (Narciso Rodriguez, 2015). Seguindo o padrão de Narciso Rodriguez, a versão EDT ganha um frasco preto. Enquanto o EDP é uma verdadeira bomba polvorosa que remete a um luxuoso hidratante corporal, o EDT preserva a cremosidade metálica dos aldeídos, mais a ver com sabonete caro. A base tem um equilíbrio perfeito entre musk e baunilha, deixando a fragrância mais relaxante e menos sufocante. Narciso EDT é o melhor do lactônico e esfumaçado.

StellaEDT67. Stella EDT (Stella McCartney, 2015). Stella é um dos mais elogiados florais à base de rosa do mercado. Enquanto a versão EDP é mais quente e encorpada, com uma estrutura mandarina-laranja-âmbar, o EDT é mais cítrico e levemente aquático. Como um cintilante jardim de rosas, Stella EDT abre refrescante e aquoso com notas de mandarina, limão e frésia, antes de desabrochar um buquê de rosa, peônia e violeta. No dry-down, a base de âmbar gris deixa um tom andrógino.

SìEDT68. Sì EDT (Armani, 2015). Quando do seu lançamento, muitos consideraram Sì EDP muito doce, com vibe de groselha. Porém outros acharam um chipre inovador e sofisticado. A versão EDT, por outro lado, é mais jovem, romântica e vibrante. Na saída, a composição se torna mais cítrica e verde, enquanto na evolução mais tropical (manga, pera, morango, osmanthus e frésia). A base é basicamente a mesma, porém mais leve e com mais musk.

BlackOrchidEDT69. Black Orchid EDT (Tom Ford, 2015). Este é um daqueles casos óbvios de “erro” de marcação de gênero. Black Orchid EDP acabou virando um sucesso entre homens devido ao seu aspecto escuro e intenso de patchouli, bálsamos e especiarias. A versão EDT é lançada para tentar conquistar as mulheres com acordes florais (tuberosa) e frutados mais salientes, além de uma base mais limpa (mais baunilha, menos patchouli).

ChloéLoveStory70. Love Story EDT (Chloé, 2016). Dois anos depois do bem-sucedido lançamento do original eau de parfum, a grife Chloé decide investir em sua versão EDT. O floral romântico de nuances frutadas e adocicadas ganha uma aura mais luminosa e menos pesada – o acorde de flores brancas é amenizado, enquanto as notas suculentas de pera e pêssego são substituídas por uma delicada flor de ameixeira. Love Story EDT somente deixa a desejar em termos de longevidade.

erospfedt71. Eros pour Femme EDT (Versace, 2016). Mantendo-se na mesma família olfativa, floral amadeirado musky, a versão eau de toilette preserva o acorde de flor de limoeiro e jasmim do original para refrescá-lo com cítricos, frutas vermelhas e calone – aquela molécula aquosa que remete a melão. Assim como a versão eau de parfum, a base é essencialmente composta por patchouli, madeiras nobres, ambroxan e musk (com predominância deste último).

Veja também: Parfums (Extratos)

4 pensamentos sobre “EDTs ♀

  1. Olá Daniel Barros!

    Sou apaixonada por perfumes, no entanto só há pouco tempo passei a me interessa e aprofundar mais sobre o assunto. E digo que estou absolutamente fascinada pelo que li até agora no seu site (e falta muuuita coisa para ler, ainda).

    O site não é bom…é excelente!!! Forma e conteúdos primorosos, super completo e organizado, além de muito bem ilustrado e escrito. Permite aos leitores uma “viagem alucinante” pelo mundo dos perfumes.

    Ah… a respeito desse tópico especificamente, só elogios! Super interessante, elucidativo e didático.

    Obrigada por nos fornecer informações tão preciosas.

    Parabéns!

    P.S. : não achei imediatamente a ferramenta de busca no site. Só depois de entrar no Facebook é que descobri como proceder. Talvez, devesse constar no site, também. (Desculpe se tiver lá , pois como estou iniciando a leitura deste, não achei).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s