Nicho Fashion

NichoDesignersExiste uma grande confusão quando se usa os termos designer e nicho como se eles fossem opostos, como se dividissem a perfumaria em duas partes: a primeira representando estilistas que “emprestam” seus nomes a perfumes e a segunda representando marcas que só confeccionam perfumes. Esta é uma boa oportunidade para esclarecer esse equívoco. Em primeiro lugar, nicho significa nada mais do que um pedaço de mercado específico formado por um público com demanda distinta do consumidor médio. Tal demanda pode ser por exclusividade, pureza de ingredientes, estilo de vida, ativismo social, veganismo ou até mesmo religiosidade. Não tem a ver com preço e sim com especificidade. Em segundo lugar, designers de roupas, joias ou acessórios podem tanto se posicionar no mercado de massa quanto nicho, dependendo de sua estratégia comercial (às vezes ambos, com linhas diferentes). Da mesma forma, casas que só fazem perfumes podem preferir adotar o mercado de massa. Quem trabalha com grande escala tenderá a abordar o mercado de massa; quem trabalha com públicos mais delimitados penderá para o mercado de nicho. A chave de tudo é a distribuição: massa segue o caminho das perfumarias multimarcas, lojas de departamentos e duty-frees; nicho segue o caminho de perfumarias especializadas, boutiques de luxo e lojas das próprias marcas. Esta seleção tratará de designers que se posicionam exclusivamente no mercado de nicho.

Nota: Para os esclusivos designers que se aventuram em ambos mercados, consulte Linhas Exclusivas. Para perfumes lançados de 2015 em diante, consulte Lançamentos de Nicho.

(ordem cronológica por ano de lançamento)

KnizeTen1. Knize Ten (Knize, 1924). Considerada por muitos a melhor fragrância à base de couro já feita, Knize Ten é extremamente masculina e animálica. A composição leva notas de cítricos, flores, bétula, couro e castoreum. O perfume abre com um assustador odor de couro com traços de gasolina e borracha, remetendo ao ambiente de oficina mecânica. Knize Ten aos poucos evolui para um aroma menos ofensivo e mais refinado. Na fase final, a fragrância revela notas adocicadas de âmbar e baunilha. Finalmente um exemplo do que cheira a couro natural – cuidado com o que você pede.

OrNoir2. Or Noir (Pascal Morabito, 1981). O designer de joias francês Pascal Morabito entrou na perfumaria no início dos anos 80 com um chipre floral clássico. Or Noir tem uma saída intensamente verde e aldeídica com aspecto old school. Com a ajuda de uma nota de íris, a composição revela um aroma soapy e feminino, com um buquê floral levemente frutado. Uma base de cravo-da-índia, patchouli, musgo de carvalho e baunilha conclui o perfume com um aspecto maduro e poderoso.

OrBlack3. Or Black (Pascal Morabito, 1982). A versão masculina de Or Noir veio no ano seguinte na forma de um fougère oriental. Or Black abre narcótico com notas escuras de couro, labdanum e patchouli. Na evolução, acordes secos e herbáceos de tabaco, musgo de carvalho e vetiver são balanceados com acordes cremosos e resinosos de benjoim, fava tonka e âmbar. Notas discretas de pimenta preta e ylang-ylang conferem personalidade. Or Black é denso, esfumaçado e chique ao extremo.

Opoponax4. Oppoponax (Les Néréides, 1985). Os joalheiros Les Néréides surpreenderam com suas criações realísticas e poderosas de influência oriental. A mais conhecida de todas, Oppoponax, é um coquetel doce e cremoso de resinas que inclui benjoim, labdanum e baunilha, além da nota que dá nome ao perfume. A forte densidade e silagem da composição é atenuada com notas cítricas no topo. O sândalo na base dilui a viscosidade, tornando a fragrância mais congruente e elegante. Imperdível.

PatchouliPrecieux5. Patchouli Précieux (Les Néréides, 1985). Assim como indica seu frasco, Patchouli Précieux é simples e despretensioso. O tema principal é nitidamente dominante, recorrendo a notas de cedro, sândalo e baunilha para ganhar complexidade. Inicialmente leve e fresco com aroma de laranja, o perfume rapidamente mostra seu coração terroso e balsâmico de patchouli. Uma base de baunilha e almíscar garante uma dose de malandragem, sem que interfira com o esplendor da nota tema.

knizesec6. Knize Sec (Knize, 1985). Seis décadas depois do lançamento do icônico Knize Ten, a casa austríaca resolve emplacar um tema oriental fougère de tons esfumaçados e aromáticos. Knize Sec mantém o DNA de couro da fragrância assinatura da marca, porém agrega um topo de cítricos e ervas finas, além de um coração de jasmim e lavanda. Um acorde base de âmbar e incenso completa a composição.

Tiffany7. Tiffany (Tiffany, 1987). Criada por Chanel e vendida apenas nas lojas da famosa joalheria, esta fragrância é um luxuoso floral polvoroso e levemente frutado. Construída sobre uma base de sândalo, vetiver, âmbar e baunilha, a composição explora bem a beleza das flores. Um buquê de rosa, íris, flor de laranjeira, lírio-do-vale, jasmim e ylang-ylang domina o perfume, enquanto notas de mandarina, cassis, damasco e folha de violeta produzem um efeito verde e luminoso. O DNA da casa Chanel fica mesmo evidente, para alegria de todos.

TiffanyMen8. Tiffany for Men (Tiffany, 1988). Para a versão masculina de sua assinatura, Tiffany encomendou à Chanel um oriental especiado com tons polvorosos. Na saída, Tiffany for Men é fresco e aromático com notas cítricas, lavanda e cardamomo. Mais à frente, a composição se aquece e revela um coração floral (íris, rosa, cravo e jasmim), picante (anis, canela e noz moscada) e amadeirado. Uma base oriental de incenso, fava tonka, âmbar e baunilha forma uma aura ao mesmo tempo viril e sofisticada.

Gomma9. Gomma (Etro, 1989). Remetendo aos antigos perfumes à base de couro oleoso e animálico como Knize Ten, Gomma abre com um acorde cítrico e herbáceo de limão siciliano e artemísia. A base potente e defumada de bétula, labdanum e castoreum força sua entrada na composição, mas uma nota soapy de jasmim pede atenção. Fiel ao seu nome, Gomma tem de fato um efeito de borracha queimada, recortada de nuances terrosas e herbáceas. Um clássico barroco, certamente para poucos.

Heliotrope10. Heliotrope (Etro, 1989). Fazendo uma rendição da nota fantasia da flor heliotrópio, Heliotrope captura sua essência doce e amendoada, de personalidade quente e polvorosa. Para valorizar seu lado floral, a composição um acorde soapy de ylang-ylang, rosa, flor de laranjeira e íris. Já o seu lado gourmand é acentuado por notas de fava tonka, heliotropina e baunilha. Com uma base sólida e defumada de bálsamos tolu e peru, além de uma camada de musk, Heliotrope conclui seu objetivo com glória.

PalaisJamais11. Palais Jamais (Etro, 1989). Este amadeirado aromático busca uma abordagem realística do campo e, para tanto, adota notas de petitgrain, musgo de carvalho, vetiver, tabaco e bétula – todas secas e vívidas, formando um acorde herbáceo e terroso. Com uma saída floral e refrescante de mandarina, bergamota e jasmim, a composição adentra o acorde central de atmosfera rural. Uma base de autêntico vetiver, bétula e almíscar finaliza o perfume com nuances salgadas e orgânicas. Palais Jamais é a própria floresta engarrafada.

Sandalo12. Sandalo (Etro, 1989). Impossível não gostar de um perfume que interprete uma das notas mais admiradas da perfumaria. Na forma de um oriental amadeirado, ou seja, combinado com âmbar, Sandalo agrega também notas de patchouli e baunilha. O perfume abre com um sopro delicado de gerânio, laranja e rosa, assentando-se num coração amadeirado com a nota principal. Para amplificar a cremosidade do sândalo, a base consiste de patchouli, baunilha e labdanum, em perfeito equilíbrio.

Patchouly13. Patchouly (Etro, 1989). Com uma interpretação oriental da folha de patchouli, esta fragrância de Etro abre com uma saída aromática de bergamota, laranja, anis e artemísia. No centro, um acorde elegante e cintilante de gerânio e rosa traz graça, enquanto uma base de patchouli, sândalo, tabaco, âmbar, baunilha e musk completa a composição com um aspecto canforado e cremoso. O segredo de Patchouly está no equilíbrio entre o herbáceo-mentolado e o doce-ambarado. Um clássico.

ambra14. Ambra (Etro, 1989). O designer italiano reúne resinas e flores para fazer sua interpretação do acorde fantasia de âmbar. A partir de um topo de cítricos, abeto, gerânio e coentro, Ambre desenvolve um coração chiprado à base de rosa, patchouli e labdanum. O caráter da composição vem mesmo no dry-down, composto por notas de âmbar, estoraque, baunilha, opoponax e musk.

musk15. Musk (Etro, 1989). Este floral amadeirado musky é um tributo ao acorde fantasia de almíscar, há muito tempo feito à base de ingredientes sintéticos. Musk de Etro busca a textura macia e de pele com o uso de uma saída de bergamota, toranja e verbena, um centro de rosa e lírio-do-vale, e uma base de cedro, gaiaco, sândalo e musk. O resultado é uma colônia delicada e elegante que vai agradar homens e mulheres que curtem o DNA da casa.

KnizeForest16. Knize Forest (Knize, 1993). Para interpretar o cheiro de floresta, Knize Forest investe em notas herbáceas, mentoladas e picantes. O alicerce da composição é formado por sândalo, vetiver, patchouli e musgo de carvalho, com um toque de resinas. O coração está mesmo concentrado em ervas finas como orégano, sálvia, alecrim, petitgrain e manjericão, além de um buquê de cravo, rosa, gerânio e lavanda. O resultado é um aroma herbáceo, terroso e resinoso – como uma floresta misteriosa.

MesseMinuit17. Messe de Minuit (Etro, 1994). O perfume da missa do galo mescla dois acordes aparentemente incompatíveis: aromático (bergamota, laranja, cidra e limão) e oriental (mirra, labdanum, patchouli e canela). Messe de Minuit foi construído para manter essas duas personalidades polarizantes ativas durante toda evolução. O resultado é uma fragrância que abre cítrica com fundo balsâmico, depois se escurecendo em meio ao incenso e patchouli. Desta forma, Messe de Minuit é uma composição à base de incenso mais leve e descontraída, fácil de agradar.

Laila18. Laila (Geir Ness, 1995). O norueguês Geir Ness criou sua primeira fragrância em homenagem à sua mãe, Laila. Trata-se de uma composição floral aquática à base de calone e flores silvestres da Noruega. A ideia aqui foi reproduzir a atmosfera gelada e arejada das montanhas. Embora seja frequentemente comparado ao L’Eau d’Issey feminino, Laila tem um aspecto mais natural, além de um melhor desempenho na pele. Excelente opção para mulheres sensíveis e delicadas.

Kiton19. Kiton Men (Kiton, 1996). Um dos últimos chipres amadeirados feitos para homens, Kiton Men traz consigo uma marcante nota de folha de violeta – o que pode ser repulsivo para alguns. A fragrância abre com limão siciliano, bergamota, folha de violeta, sálvia e abacaxi, enquanto um coração atalcado de violeta e lírio-do-vale se desenvolve no pano de fundo. Na secagem, um cremoso e sedutor acorde de musgo de carvalho, cedro, fava tonka e musk traz solidez e virilidade. Kiton Men equilibra brilhantemente frescor e sofisticação.

ShaalNur20. Shaal Nur (Etro, 1997). Feito em homenagem a uma princesa indiana homônima, Shaal Nur é um oriental amadeirado rico em bálsamos, flores, especiarias e ervas finas. Na saída, o perfume apresenta uma aroma de cítricos, coentro, alecrim, sálvia e estragão. Uma nota de rosa brota no coração, abrindo caminho para uma base de bálsamos (opoponax e incenso) e madeiras nobres (patchouli, vetiver e cedro). Noz moscada e musk maximizam o aspecto esfumaçado e exótico do perfume.

traditional21. Traditional (Hugh Parsons, 1998). Como o próprio nome insinua, a fragrância assinatura do designer inglês de gravatas é uma colônia tradicional. Seguindo o gênero cítrico aromático, Traditional abre com mandarina, limão siciliano e folhas de cassis, anunciando um centro de zimbro, angélica, cardamomo e pimenta preta. Um manto de âmbar gris (fantasia) sustenta toda a composição com elegância e sofisticação masculinas.

calypsomimoisa 22. Calypso Mimosa (Christiane Celle, 1998). Calypso Mimosa é um tributo à flor de acácia com seu aspecto inebriante e melífluo com nuances doces e animálicas. O perfume é composto por bergamota, néroli e amêndoas na cabeça, jasmim, tuberosa, flor de tiaré e acácia no coração, e sândalo e musk na base. Calypso Mimosa resulta num floral atalcado e doce de imensa silagem e feminilidade.

calypsoviolette23. Calypso Violette (Christiane Celle, 1999). Para a homenagem à flor de violeta, Christiane Celle preparou uma composição floral polvorosa e adocicada. Abrindo refrescante e luminoso com bergamota, limão siciliano e violeta, Calypso Violette adentra um buquê atalcado de rosa e heliotrópio. A finalização fica a cargo de um sedoso acorde base de mel, fava tonka, sândalo e musk.

Etra24. Etra (Etro, 1999). Etra é um delicado e feminino oriental floral e amadeirado. O perfume abre vibrante com notas de cardamomo, coentro e pau-rosa, antes de adentrar um coração elegante de gerânio, rosa, jasmim, pimenta rosa, cedro e sândalo. Na base, baunilha e musk confere um aroma doce e macio, sem exagerar. Etra tem tudo equilibrado, passando a ideia de um perfume sutil e despretensioso, com atmosfera natural e agradável. Apesar de ser um oriental, é bastante fresco.

10CorsoComo25. 10 Corso Como (Corso Como, 1999). A grife italiana foi fundada em 1990 por Carla Sozzani, uma jornalista especializada em arte e moda. Sua fragrância assinatura é um dos primeiros orientais amadeirados à base do acorde rosa-oud na perfumaria ocidental. Exótico e sensual, 10 Corso Como reúne também notas de gerânio, incenso, vetiver, sândalo, âmbar e musk, conferindo uma atmosfera densa e esfumaçada, romântica e sedutora. Um verdadeiro encontro a dois em frente à lareira.

HelmutLangEDP26. Helmut Lang Eau de Parfum (Helmut Lang, 2000). Imagine um Angel menos doce e mais polvoroso. Helmut Lang Eau de Parfum une notas aromáticas (lavanda, heliotrópio e sálvia) a florais (rosa, jasmim e lírio-do-vale) para criar uma personalidade mais leve e brilhante. Uma base de sândalo, patchouli, cedro e baunilha, além do sintético etil maltol, completa a fantasia romântica do algodão doce sem parecer pueril ou vulgar.

helmutlangedc27. Helmut Lang Eau de Cologne (Helmut Lang, 2000). Lançado juntamente à fragrância eau de parfum do estilista austríaco, Helmut Lang Eau de Cologne segue a mesma construção floriental rica em lavanda, heliotrópio e rosa, porém com mais ênfase nas notas aromáticas de alecrim e lavanda. Sua base também perde a baunilha e ganha um suave e transparente manto de almíscares sintéticos.

CalypsoMarine28. Calypso Marine (Christiane Celle, 2001). A empresária Christiane Celle fundou sua boutique Calypso no Caribe, porém mudou-se nos anos 90 para Nova York, instalando-se nos Hamptons. Calypso Marine oferece um aroma marinho muito delicado que reúne notas de algas marinhas, flor de Lótus e bambu. O perfume reproduz com competência a atmosfera de praia com um aroma de água salgada e madeira verde, acompanhado de bergamota, noz moscada e alecrim. A nota floral torna a composição bem feminina, enquanto um toque de musk a faz ainda mais etérea e discreta.

CalypsoHomme29. Calypso Homme (Christiane Celle, 2001). Verde e tropical, Calypso Homme é a típica fragrância de férias. Com uma saída cítrica e herbácea (chá e estragão), o perfume adentra um vibrante coração floral frutado de rosa, violeta, jacinto e cassis. Isso acaba conferindo um aspecto feminino, o que pode ser desconfortável para muitos homens. Finalmente, Calypso Homme conclui com um macio e cremoso acorde de âmbar e musk.

scent30. Scent (Costume National, 2002). Scent é um dos perfumes mais famosos da grife francesa, adotando o gênero oriental de forma discreta e relaxante. Construído em torno do acorde fantasia de âmbar, Scent ganha o frescor do chá verde e a luminosidade das flores de hibisco e jasmim. No mesmo ano, Costume National lançou sua versão intense, agregando nuances frutadas e especiadas, além de patchouli.

ScentIntense31. Scent Intense (Costume National, 2002). Dentre os perfumes da grife Costume National, Scent Intense é o que mais se destaca. A composição abre com notas de chá e hibisco, com nuances frutadas e picantes. Na evolução, o perfume se torna esfumaçado e denso com notas de patchouli e âmbar, além de um fundo levemente salgado e metálico de sintéticos. O aspecto floral e frutado inicial é mantido e valorizado. Não há nada de convencional em Scent Intense – tudo aqui parece inédito.

Cuiron32. Cuiron (Helmut Lang, 2002). Lançado originalmente em 2002, Cuiron foi descontinuado e reintroduzido doze anos depois, felizmente mantendo-se praticamente intacto. Apesar de o nome indicar couro, esta fragrância explora a nota de camurça com açafrão para criar um efeito mais macio e sutil, em contraposição à nota de couro tradicional oleosa e animálica. A composição recebe notas de bergamota, cassis, pimenta rosa, incenso, cedro e musk para trazer graça e personalidade. Se no início Cuiron parece ser um perfume comum, espere um par de horas para apreciar sua verdadeira beleza.

juozas33. Juozas Statkevicius (Juozas Statkevicius, 2004). Também conhecido como Josef Statkus, o estilista lituano encomendou sua fragrância assinatura na forma de um distinto oriental picante e esfumaçado. Juozas Statkevicius abre com um topo especiado de coentro e cardamomo, prosseguindo com um corpo envolvente de jasmim, incenso e patchouli. Tudo isso é “amarrado” por um fundo balsâmico e adocicado de benjoim, cashmeran e baunilha.

kisu34. Kisu (Tann Rokka, 2004). Com apenas dois perfumes em seu portfólio, Tann Rokka é uma loja de design de interiores com sede em Londres. Sua melhor fragrância é Kisu, um oriental amadeirado de nuances florais e aquáticas. Inspirado no ritual de banho japonês, o perfume abre tropical com notas marinhas e ylang-ylang. O dry-down fica a cargo de um acorde base de pau rosa, cedro e musk.

VeryMale35. Mat Very Male (Masaki Matsushima, 2004). O designer japonês Masaki Matsushima começou sua linha de fragrâncias no ano 2000. Até então, a mais famosa é Mat Very Male, um amadeirado de nuances aquáticas e especiadas. Fresco e elegante, o perfume abre com notas ozônicas, bergamota e anis. Minutos depois da aplicação, Mat Very Male apresenta um delicado acorde lótus-bambu, criando uma atmosfera relaxante como um jardim úmido. A base fica por conta de cedro, alcaçuz e patchouli, conferindo um dry-down seco, macio e contemporâneo.

Chocolat36. Mat Chocolat (Masaki Matsushima, 2005). A grife japonesa apresenta um oriental floral concentrado na nota de cacau. Com uma saída refrescante e frutada de toranja, melancia e cassis, Mat Chocolat rapidamente se converte num delicioso gourmand. A composição desenvolve um acorde de chocolate amargo com traços de cremosos de coco e baunilha. Para injetar um pouco de sofisticação, Mat Chocolat incorpora notas de sândalo e musk em sua base.

fifichachnil37. Fifi Chachnil (Fifi Chachnil, 2005). Fifi Chachnil é uma grife de lingerie parisiense que segue um estilo retrô. Sua fragrância assinatura vem num frasco cor de rosa com válvula dourada e um borrifador em formato de pera. Trata-se de um floral oriental com topo de cítricos e coentro, centro de rosa e lírio-do-vale, e fundo de tabaco e âmbar. Um talco adocicado e esfumaçado.

cristalderoche38. Cristal de Roche (Olivier Durbano, 2005). Este amadeirado especiado é uma fragrância inspirada no mito em torno da rocha de cristal – antigamente achava-se que o cristal fosse uma pedra de gelo que não poderia ser derretida. A composição é construída em torno do incenso, com notas de especiarias, immortelle, flor de laranjeira, benjoim, labdanum, sândalo, cedro, vetiver, musgo de carvalho e musk.

spiritusland39. Spiritus Land (Miller et Bertaux, 2006). Desde 1985, Miller et Bertaux é uma boutique parisiense que vende roupas, acessórios e obras de arte. Seu perfume Spiritus Land é um amadeirado especiado de nuances balsâmicas e esfumaçadas. Abrindo com gengibre e cardamomo, Spiritus Land adentra um centro de rosa, incenso e pimenta preta. A composição finaliza com um acorde base de madeira teca, lentisco, tabaco e sândalo.

greengreengreen40. Green Green and Green (Miller et Bertaux, 2006). Para criar um perfume triplamente verde, Miller et Bertaux recorreu a notas cítricas e herbáceas como verbena, coentro e louro. Além disso, Green Green and Green conta com um coração de jasmim e um fundo de lentisco, cedro e vetiver. O resultado é uma fragrância luminosa e refrescante com leves toques florais e especiados.

99regentstreet41. 99 Regent Street (Hugh Parsons, 2006). Em homenagem ao endereço de sua primeira loja, Hugh Parsons apresenta um floral verde feito para homens. Construído em torno da nota de violeta, 99 Regent Street abre com gerânio, folha de violeta e lentisco. Em seguida, o perfume desabrocha um buquê de violeta, gerânio, rosa, íris e frésia. O acabamento final fica por conta de uma base confortável de ambrette, âmbar e musk.

amethyst42. Amethyst (Olivier Durbano, 2006). Uva, incenso e pimenta preta – estes são os ingredientes principais desta composição amadeirada especiada. Considerada por muito tempo como uma pedra preciosa contra a embriaguez, a ametista foi um símbolo de paz de espírito. Amethyst é construída com um topo de bergamota, uva, framboesa e pimenta, corpo de jasmim, íris, incenso e pau rosa, e base de âmbar, sândalo, baunilha e musk.

mmen43. M; Men (Masaki Matsushima, 2006). Bem ao estilo da perfumaria japonesa, M; Men do estilista Masaki Matsushina é um perfume brilhante, construído com notas cítricas, verdes e florais luminosas. Na saída, o perfume exala um acorde de bergamota, toranja, limão e alecrim. Minutos depois, ele faz emergir um coração de bambu, vetiver, flor de lótus e chá verde. Um manto de almíscar sintético fica a cargo de sustentar a composição, mantendo sua transparência.

Geir44. Geir (Geir Ness, 2006). Desta vez o Geir Ness faz uma homenagem ao seu país com uma fragrância masculina, mantendo o estilo floral. Com uma saída frutada e melíflua, fresca e doce, Geir vai evoluindo aos poucos para um aroma floral, herbáceo e picante. Uma base amadeirada garante a performance e elegância do perfume. Geir é uma opção versátil que cai bem tanto no escritório quanto à noite e agrada muitas mulheres por conta de seu ar romântico.

Stoned45. Stoned (Solange, 2006). Pouco conhecido e bem caro, Stoned já impressiona pelo seu suntuoso frasco vermelho que parece uma escultura. Criado para a joalheira inglesa Solange Azagury-Partridge, Stoned é uma complexa fragrância floral oriental feita para divas e rainhas. O perfume abre com um acorde cítrico, melífluo e floral (rosa e jasmim), seguindo um caminho quente e nebuloso de labdanum, heliotrópio e musgo de carvalho. Uma base de baunilha e musk confere uma atmosfera polvorosa e aconchegante, cheia de glamour.

Cosmic46. Cosmic (Solange, 2006). Concebido pela perfumista Lyn Harris para a casa de joias inglesa, este é um chipre floral com traços verdes e terrosos. Partindo de um topo fresco e cintilante de bergamota, aldeídos e gálbano, Cosmic segue com um acorde atalcado de jasmim, rosa e íris, apoiado sobre uma sólida base oriental de vetiver, patchouli, labdanum, bálsamo peru, opoponax, mirra e baunilha. Retrô e feminino, Stoned propicia uma deliciosa experiência para o olfato.

Stella47. Stella (Tocca, 2006). Para mulheres que curtem um floral alaranjado na linha de Eaudemoiselle de Givenchy, esta fragrância pode ser uma interessante opção. Stella abre vívido e translúcido com notas aquáticas e laranja-de-sangue, logo revelando um acorde central de orquídea, lírio-do-vale e frésia. Sua base é muito leve e suave graças a musks sintéticos. No início cítrico e efervescente, Stella passa a maior parte da evolução exalando um aroma floral aquoso, levemente incensado.

Florence48. Florence (Tocca, 2006). Desta vez adotando o estilo floral verde, Tocca oferece uma composição dedicada ao brilho e delicadeza das flores brancas. Com uma saída refrescante de bergamota, maçã verde, pera e manjericão, Florence compõe uma aura frutada e energizante. Mais adiante, o perfume exibe um buquê de tuberosa, jasmim e gardênia, realçado com notas aveludadas de íris e folha de violeta. A textura suave é amplificada ainda mais com uma base de madeiras secas e musk.

Cleopatra49. Cleopatra (Tocca, 2006). Tocca introduz agora uma versão mais encorpada, seguindo o gênero oriental floral. Cleopatra abre com um acorde aromático e frutado de toranja, cassis e folhas verdes, anunciando um coração feminino e exuberante de tuberosa e pêssego. O efeito suculento e carnal é fortalecido com uma base oriental de âmbar, patchouli, baunilha e musk. Mesmo tentando fazer jus ao seu nome, Cleopatra é macio e confortável como um creme hidratante.

blacktourmaline50. Black Tourmaline (Olivier Durbano, 2007). O designer de joias Olivier Durbano iniciou em 2005 sua linha de fragrâncias inspiradas em pedras preciosas, entre as quais se destaca Black Tourmaline. Como essa pedra é comumente usada para repelir negatividade, notas de olíbano e especiarias foram selecionadas para espantar os maus espíritos. O perfume abre picante e esfumaçado, logo revelando um acorde oud-couro. Para preservar sua identidade incensada, a fragrância recebe uma base de musgo de carvalho e patchouli, além de um toque doce e cremoso de âmbar.

2151. 21 (Costume National, 2007). A grife italiana oferece mais uma fragrância compartilhável e inovadora. Combinando ingredientes naturais e sintéticos, ela consegue estabelecer uma composição moderna e agradável. Com uma saída metálica e plástica de aldeídos, bergamota, flor de laranjeira, sálvia, açafrão, leite e cashmeran, 21 incorpora um coração escuro e picante de labdanum, musgo de carvalho, alcarávia e pimenta. Na secagem, notas de cedro, patchouli, vetiver, fava tonka, baunilha e musk preservam a harmonia entre o seco-elegante e o picante-sensual. 21 é um perfume maravilhosamente sintético.

Léa52. Léa (Calypso St. Barth, 2007). Com notas principais de amêndoas, baunilha e musk, Léa é um verdadeiro marzipã em formato perfume. A composição abre de cara com uma atmosfera doce e polvorosa, desenvolvendo com o tempo um delicioso aroma de biscoitos açucarados. No dry-down, a nuvem gourmand se atenua, tornando-se mais atalcada e cremosa. Léa vai do farináceo ao saponáceo, do saboroso ao limpo, em poucos instantes. Uma fragrância relaxante e confortável.

kitonblack53. Kiton Black (Kiton, 2007). Depois do sucesso de sua fragrância assinatura, a grife italiana lança a versão Black, composta por Maurice Roucel. O perfumista trabalha seu DNA polvoroso-frutado com um topo de toranja, bergamota, folha de violeta e frutas vermelhas. Kiton Black segue com um coração de cíclame, violeta e cardamomo. A finalização fica por conta de um acorde base de cedro, vetiver, fava tonka, couro e âmbar.

Cravache54. Cravache (Robert Piguet, 2007). O designer Robert Piguet sempre focou no público feminino, mas nos deixou eventualmente esta agradável criação masculina. Cravache tem um aspecto relaxante, abrindo com um acorde de lavanda, petitgrain e mandarina. Depois revela seu lado mais herbáceo e especiado para, finalmente, desembocar na base de patchouli, vetiver e musgo de carvalho. Por ser tão fresco, Cravache não é indicado para quem procura uma fragrância masculina marcante. Esta é ideal para o ambiente do escritório, ou seja, agradável e bastante polido.

jade55. Jade (Olivier Durbano, 2008). A pedra preciosa verde é símbolo da vida eterna, de amor e virtude, de poder absoluto. Com um tributo à jade, Olivier Durbano prepara uma composição com topo de chá verde, menta e cardamomo, centro de jasmim, orris e canela, e fundo de patchouli, mate, vetiver, musgo de carvalho, âmbar, immortelle e musk. O resultado é um perfume amadeirado aromático suave e relaxante.

aquietmorning56. A Quiet Morning (Miller et Bertaux, 2008). Adotando o gênero aromático especiado, A Quiet Morning é uma inusitada fragrância da moderna grife parisiense. A composição abre picante com folha de palmeira, açafrão, curcuma e arroz. Minutos depois, ela apresenta um coração delicado de flor de laranjeira. Tudo isso é apoiado sobre uma base amadeirada e crispy de cedro e sândalo.

shantishanti57. Shanti Shanti (Miller et Bertaux, 2008). Shanti Shanti é um floral amadeirado de nuances polvorosas e picantes. O perfume tem uma saída adstringente de cardamomo e pimenta rosa, antes de introduzir seu coração atalcado de íris e rosa. Para trazer sofisticação e elegância, Shanti Shanti finaliza com um acorde base de patchouli e sândalo. O resultado final remete a uma refinada loja de móveis.

StephenJones58. Stephen Jones (Stephen Jones, 2008). Considerada por muitos críticos especializados como uma das fragrâncias mais esquisitas da perfumaria, Stephen Jones combina folha de violeta, cravo-da-índia e gaiaco. O perfume abre com um aroma metálico de violetas, evoluindo para um aspecto picante e mineral que invoca cavernas. A base consiste de notas de âmbar, heliotrópio, vetiver e gaiaco que potencializa o efeito seco e polvoroso, gelado e sintético da composição. Stephen Jones é um enigma em formato fragrância, recomendado a quem gosta de exotismo e pode pagar por ele.

Odin0159. Sunda (Odin, 2009). O primeiro perfume da luxuosa boutique de Nova York foi concebido pelo perfumista Kevin Verspoor. Sunda é um oriental amadeirado construído ao redor da fava tonka, explorando o aroma rico e exótico de madeiras e especiarias. Na saída, a composição exibe um acorde aromático de bergamota, zimbro e folha de cedro, antes de evoluir para um coração picante de pimenta, heliotrópio e capim-limão. Uma base de fava tonka, sândalo e musk conclui a fragrância. Sunda resulta num aroma polvoroso, seco e levemente doce como farinha de confeiteiro.

owari60. Owari (Odin, 2009). Na forma de um cítrico aromático, Owari é centrado na rara espécie de mandarina da província japonesa homônima, representanto o Oriente. A composição começa com um topo refrescante de mandarina, bergamota e toranja, anunciando um coração especiado de pimenta, amyris e néroli. O dry-down fica a cargo de um fundo macio e confortável de cedro, âmbar e musk.

10corsocomo61. 10 Corso Como Uomo (Corso Como, 2009). Dez anos depois do lançamento de 10 Corso Como, a boutique italiana lança este oriental especiado feito especialmente para seus clientes homens. Leve e misterioso, o perfume abre com um sopro efervescente de cítricos e gengibre. Minutos depois, 10 Corso Como Uomo desabrocha um buquê de jasmim e ylang-ylang temperado com pimenta preta. Tudo isso é suportado por um acorde base de cedro, âmbar, baunilha e musk.

CostumeNationalHomme62. Costume National Homme (Costume National, 2009). O perfumista Dominique Ropion retorna a Costume National para, desta vez, criar um perfume para homens. Na primeira fase, Costume National Homme é basicamente um potente acorde cítrico e especiado de bergamota, toranja, cardamomo, tomilho, canela e cravo-da-índia. Em seguida, a composição desenvolve uma base seca e florestal de labdanum, tabaco, sândalo e patchouli. O resultado é uma fragrância madura, viril e marcante, com suas diversas notas em perfeita harmonia.

m0%d1%8163. M;0°С Men (Masaki Matsushima, 2009). Feito para os dias mais quentes do ano, M;0°С Men é uma fragrância gelada. Para tanto, o designer japonês escolheu um topo gelado de sorbet de maçã, tequila e cítricos. Na evolução, a fragrância mostra um acorde da exótica flor aromática de campânula, finalizando com uma base seca e macia de madeira teca e musk. Um coquetel em formato perfume.

brigitte64. Brigitte (Tocca, 2009). Brigitte é um floriental de notas exóticas. Construído em torno de um acorde atalcado de íris e rosa, o perfume carrega um topo adstringente de açafrão, ruibarbo, mamão e gengibre e é suportado por um fundo crispy de sândalo e musk. O resultado é um aroma que remete a pâtisserie, talvez como um biscoito ou panetone, ou seja, um agradável semi-gourmand.

bianca65. Bianca (Tocca, 2009). Este refrescante cítrico aromático feminino ganha graça com a adição de uma proeminente nota de rosa em seu coração. Com uma saída de bergamota, limão, mandarina, lavanda e chá, Bianca percorre um delicado centro de rosa com nuances de jasmim. No limite do floral verde, a composição ganha um fundo adocicado e macio de baunilha e musk.

colette66. Colette (Tocca, 2009). Colette é um oriental floral de traços aromáticos e polvorosos. Inicialmente, o perfume mostra um acorde de cítricos, pimenta rosa e junípero, antes de desabrochar um romântico buquê de cíclame, violeta e jasmim. Na evolução, Colette esquenta graças a um acorde balsâmico de cedro, sândalo, incenso, âmbar, baunilha, agulhas de pinho e musk. Multifacetado e original.

shiro67. Masaki Shiro (Masaki Matsushima, 2010). “Shiro” significa branco em japonês. Assim, o designer Masaki Matsushima oferece uma composição inspirada na nota fantasia de flor de algodão. No centro, um acorde de cíclame, rosa e íris propicia uma atmosfera macia e atalcada. Para manter a translucidez da fragrância, Masaki Shiro trabalha com uma base de almíscares sintéticos.

petrana68. Petrana (Odin, 2010). A quarta fragrância da boutique nova-iorquina é este floral verde de nuances ozônicas e polvorosas. Com uma saída de folha de cassis, coentro e pimenta rosa, Petrana caminha para um coração atalcado e romântico de violeta, íris e heliotrópio. Mantendo-se perfeitamente compartilhável, a composição encerra com uma base crispy de vetiver e musk.

Untitled69. Untitled (Maison Martin Margiela, 2010). A fragrância assinatura do famoso designer belga Martin Margiela é um inusitado e criativo chipre verde com traços cítricos e florais. Buscando capturar a essência da folhagem depois da chuva, Untitled toma como base um acorde vegetal de buxo e gálbano, adicionando laranja amarga, jasmim e incenso. Inicialmente verde e amargo, Untitled segue um delicioso caminho amadeirado e esfumaçado com aroma seco e revitalizante.

calypso70. Calypso (Robert Piguet, 2010). Uma rosa picante – assim poderia ser resumido Calypso de Robert Piguet. O perfume, originalmente concebido nos anos 50, foi relançado em 2010 pelo designer francês, supostamente “irradiando romance, sedução e poder, incluindo o mistério e apelo de ninfas clássicas”. Calypso conta com um topo de mandarina e gerânio, coração de rosa e íris, e fundo de patchouli, camurça e âmbar.

Odin0771. Tanoke (Odin, 2011). Possivelmente a melhor fragrância da casa, Tanoke é um amadeirado especiado com foco na nota de incenso. Com uma saída de laranja amarga, gengibre e pimenta preta, a composição adentra uma atmosfera escura e misteriosa por meio de um acorde defumado de incenso, gaiaco e noz moscada. Durante a secagem, Tanoke fica ainda mais masculino com notas de pau-brasil (!), patchouli e musk. O resultado é uma fragrância picante e esfumaçada, porém translúcida e elegante.

CielDOpale72. Ciel d’Opale (Ann Gérard, 2012). Em 2010, a designer de joias Ann Gérard convidou o perfumista Bertrand Duchaufour para criar sua linha de fragrâncias, predominantemente floral. Ciel d’Opale adota o estilo floral verde, exalando uma saída fresca e vibrante de limão, laranja, marmelo, gálbano, cassis e pimenta. No desenrolar da composição, o perfume mostra um coração de madressilva, lírio-do-vale e jasmim. Ciel d’Opale conclui com uma base seca e terrosa de cedro, gaiaco, vetiver e sândalo, além de nuances de baunilha. Um inovador floral verde.

CuirDeNacre73. Cuir de Nacre (Ann Gérard, 2012). Cuir de Nacre representa o momento de intimidade da mulher, enquanto se arruma em frente ao espelho. O perfume abre ligeiramente datado, com aldeídos, ambrette, cassis e angélica formando uma aura polvorosa e metálica. Em seguida, um luxuoso acorde de íris e couro assume o comando, transmitindo feminilidade, maturidade e elegância. Notas de sândalo, estoraque e musk concluem a composição com um aspecto macio e amendoado.

PerleDeMousse74. Perle de Mousse (Ann Gérard, 2012). Classificado como chipre verde, Perle de Mousse surpreende por não conter notas amadeiradas. Bertrand Duchaufour parece reinventar o gênero, compondo a base com musk, baunilha, lentisco e âmbar gris. A fragrância abre fresca e luminosa com aldeídos, pimenta rosa, bergamota, mandarina, gálbano e hera. Na evolução, Perle de Mousse projeta um buquê radiante de rosa, jasmim, lírio-do-vale e gardênia com nuances de cravo-da-índia. Duchaufour excede as expectativas ao conseguir equilibrar o cítrico, folhoso, vegetal, floral e resinoso como nunca antes visto.

BoisdAscese75. Bois d’Ascèse (Naomi Goodsir, 2012). Este perfume à base de incenso e cedro foi feito para estimular uma contemplação serena com prazeres minímos. A atmosfera esfumaçada é ressaltada com notas de tabaco e madeira cade, enquanto notas de uísque e canela trazem certa dose de hedonismo. Uma base de labdanum, cedro e musgo de carvalho propicia textura e longevidade ao incenso. Bois d’Ascèse nos hipnotiza à medida em que vai revelando sua personalidade, nota após nota.

CuirVelours76. Cuir Velours (Naomi Goodsir, 2012). A nota fantasia de couro aveludado é aqui interpretada com notas de tabaco, camurça, rum e immortelle. Cuir Velours abre boozy e exuberante, revelando aos poucos uma nota de couro com traços de açúcar queimado e mel. Notas secas de feno, incenso e labdanum adicionam complexidade, não deixando o perfume se tornar doce e vulgar. Cuir Velours deixa um rastro de couro macio e sofisticado, diferente das fragrâncias mais populares.

BoisNoir77. Bois Noir (Robert Piguet, 2012). Uma das casas mais importantes do passado, Robert Piguet decidiu lançar em 2012 a Nouvelle Collection, refletindo novas tendências, porém sem perder a ousadia característica de suas criações clássicas. Um dos melhores da coleção é Bois Noir, um amadeirado aromático à base de gaiaco, patchouli, cedro, sândalo e labdanum. Para evitar o cheiro de lápis, o perfume incorpora leves toques de âmbar e uma boa dose de musk.

Casbah78. Casbah (Robert Piguet, 2012). Desta vez seguindo o tema de incenso, Robert Piguet apresenta um oriental especiado de nuances polvorosas e especiadas. Casbah (um tipo de fortaleza árabe) abre com um buquê de especiarias quentes e flores verdes, invocando o aroma de loja de produtos naturais. Em seguida, a fragrância revela um centro esfumaçado de incenso, tabaco e orris, apoiado sobre uma base seca e crispy de vetiver, cedro e musk, com um leve toque de baunilha. Natural e vibrante.OudPiguet

79. Oud (Robert Piguet, 2012). É até intrigante que Robert Piguet tenha levado tanto tempo para lançar um perfume de oud. Oud foi construído sobre uma base de oud, gaiaco, patchouli e bastante Iso E Super, com o centro da composição feito de mirra, estoraque e agulhas de pinho. No topo, um acorde de açafrão com aldeídos exala um odor metálico e esfumaçado. Com toda essa mistura, Oud resulta sintético e pungente, tentando equilibrar a nota herbácea com uma base defumada.

tzora80. Tzora (Anat Fritz, 2012). A mais conhecida fragrância da designer alemã Anat Fritz é este chipre de nuances frutadas e aromáticas. Original e inusitada, a composição abre com um luminoso acorde de bergamota, sálvia, cassis, magnólia e osmanthus. Na evolução, notas de jasmim e pimenta aparecem, suportadas por um acorde base de musgo de carvalho, cedro, vetiver, patchouli e musk.

03apr196881. 03 Apr 1968 (Rundholz, 2012). A grife alemã conta com duas criações olfativas em seu portfólio. A melhor delas é 03 Apr 1968, um oriental floral de traços frutados e polvorosos. Rundholz lista apenas três notas: lichia no topo, heliotrópio no coração e olíbano na base. O que mais chama atenção na composição é, no entanto, seu incenso litúrgico. Seu acorde floral frutado acaba ficando como coadjuvante.

beachwalk82. Beach Walk (Maison Martin Margiela, 2012). Seguindo o gênero floral frutado gourmand, Beach Walk tenta incorporar elementos que remetam a uma caminhada pela praia. Assim, a composição tem uma saída efervescente de bergamota, limão siciliano e pimenta rosa, um centro de ylang-ylang, heliotrópio e coco, e um fundo de cedro, benjoim e coco. O resultado é uma fragrância lactônica de aspecto tropical como um protetor solar de luxo.

jazzclub83. Jazz Club (Maison Martin Margiela, 2013). Jazz Club parte para a boemia com uma combinação de notas licorosas e esfumaçadas. Abrindo borbulhante com limão siciliano, néroli e pimenta rosa, o perfume segue com um coração intoxicante de rum, sálvia e vetiver. Na secagem, Jazz Club faz emergir um acorde envolvente de tabaco, estoraque e baunilha. Uma fragrância levemente old school.

oud84. Oud (Franck Boclet, 2013). O designer francês especialista em moda masculina lançou sua coleção de perfumes em 2013. Seu tributo ao oud é um oriental que abre com notas de gengibre, cravo e cominho. Na evolução, o oud emerge acompanhado de patchouli e cedro. Diferente da maioria das composições à base de oud que trazem rosa e açafrão, Oud de Franck Boclet aposta em sua faceta spicy.

incense85. Incense (Franck Boclet, 2013). Seguindo sua assinatura oriental, Franck Boclet lança uma homenagem o incenso. O perfume conta com um topo adstringente de canela, cardamomo, pimenta preta e rosa, um centro doce e cremoso de benjoim, e um fundo amadeirado escuro de sândalo, gaiaco e ébano. Mais uma vez, Franck Boclet introduz uma fragrância diferente do lugar comum, do esperado.

leather86. Leather (Franck Boclet, 2013). Desta vez seguindo o tema de couro, o designer francês faz uma rendição especiada e ligeiramente animálica. Leather abre picante com limão siciliano, açafrão e cominho, anunciando um buquê de rosa e jasmim. Tudo isso é apoiado sobre uma base de couro e âmbar. Leather de Franck Boclet é um couro moderno e polido, sem aquele aspecto de graxa dos anos 70.

patchouli87. Patchouli (Franck Boclet, 2013). Este oriental especiado é construído em torno da famosa nota amadeirada e herbácea de patchouli, que recebe aqui tons balsâmicos e especiados. A partir de um acorde seco e terroso de cedro, sândalo e patchouli, o perfume parte para um centro adocicado e cremoso de fava tonka, âmbar e benjoim. No dry-down, surge o dueto de baunilha e musk para amaciar e arredondar toda a composição.

roam88. Roam (Odin, 2013). Este é um oriental especiado com nuances lactônicas e defumadas. Roam abre com um acorde adstringente de pimenta preta e açafrão, anunciando um centro inusitado de gengibre e flor de café. Na evolução, o perfume ganha corpo e fumaça com uma base obscura de coco, incenso e ébano. Excelente pedida para amantes de incenso.

semma89. Semma (Odin, 2013). Semma é um oriental especiado construído em torno da nota de tabaco. Com uma composição monolítica, a fragrância reúne notas de pimenta malagueta, cravo, canela, íris, violeta, fava tonka, mirra e, é claro, folha de tabaco. A nota de cravo propicia um “efeito Gelol”, mas o que fica mesmo é um talco farináceo com toques picantes.

alameda  90. Alameda (Robert Piguet, 2013). Na forma de um chipre floral entre o antigo/clássico e o moderno/contemporâneo, Alameda gira em torno de um acorde de rosa e íris. A saída é feita por bergamota e lírio-do-vale, enquanto o fundo se constitui de âmbar, patchouli e castoreum. Alameda é um perfume bastante potente feito para mulheres executivas e sofisticadas.

roseperfection 91. Rose Perfection (Robert Piguet, 2013). Obviamente este é um tributo à rainha das flores, especialmente as de cor vermelha. Rose Perfection busca reproduzir a nota de rosa com o uso de cítricos, folhas verdes e gerânio. Um leve topo cítrico enriquece a abertura, enquanto a composição se sustenta sobre uma base de tabaco, âmbar e musk, apesar de apenas a nota principal ser listada pela marca.

knightsbridge92. Knightsbridge (Robert Piguet, 2013). Desta vez a nota de rosa ganha uma roupagem de couro moderno. Knightsbridge pode ser considerado um oriental floral por combinar a flor com noz moscada, íris, sândalo, fava tonka, couro, baunilha e musk, com um toque discreto de licor de chocolate. Não se trata de um perfume doce e vulgar, mas sim uma composição feminina e elegante na medida certa.

gardenia93. Gardénia (Robert Piguet, 2014). Segundo o site da marca, “Gardénia seduz com profundo fascínio. O cheiro natural da essência de gardênia se mescla com nuances de lírio e ylang-ylang para um início hipnótico. O cheiro atrai mais profundamente para o requintado núcleo de flores brancas, enquanto a baunilha de Madagascar sensualiza o coração. Finalmente, couro negro, cashmeran e madeiras suavemente especiadas levam a fragrância a um desenlace inabalável.” O que mais dizer?

amber 94. Amber (Franck Boclet, 2014). A interpretação do acorde clássico de âmbar oferecida por Franck Boclet consiste de uma pirâmide com louro, orégano e ylang-ylang como notas de saída, jasmim e patchouli como notas de coração, e âmbar e baunilha como notas de fundo. O resultado é um encorpado oriental especiado com leves nuances animálicas.

tobacco95. Tobacco (Franck Boclet, 2014). Este oriental amadeirado recorre ao tema de tabaco com a ajuda de notas frutadas e especiadas. Tobacco de Franck Boclet abre opulento com ameixa, gengibre e tabaco, anunciando um centro seco e picante de cedro, vetiver e cravo-da-índia. Finalmente, a composição finaliza com uma base cremosa e adocicada de fava tonka, benjoim e baunilha.

teaescape96. Tea Escape (Maison Martin Margiela, 2014). Para compor um floral à base de chá, o designer Martin Margiela recorreu acordes verdes e lactônicos. A partir de um efusivo topo de bergamota, menta e pimenta rosa, Tea Escape segue com um delicado coração de chá verde, osmanthus e jasmim. A finalização fica a cargo de um inusitado acorde base de mate, arroz e leite. Powdery e refrescante.

simone97. Simone (Tocca, 2014). Simone resolve apostar no popular gênero floral frutado com mira nas mulheres mais jovens e acostumadas com fragrâncias comerciais. O perfume abre aquoso com limão siciliano, melancia e maçã verde, antes de desabrochar um buquê tropical de frésia, rosa, jasmim-manga e ylang-ylang. Uma base de ambroxan propicia uma secagem macia e salina, remetendo a praia.

hydepark98. Hyde Park (Hugh Parsons, 2014). De difícil classificação, o complexo perfume que homenageia o famoso parque londrino consiste de acordes verdes, frutados, florais, balsâmicos e amadeirados. Sua pirâmide olfativa cita cítricos, folha de figo, artemísia, cassis, angélica e pimenta rosa como notas de saída, rosa, jasmim e figo como notas de coração, e figueira, patchouli, vetiver, âmbar, labdanum, incenso e musk como notas de base. Recomendado aos amantes de figo.

OrDuSerail99. Or du Sérail (Naomi Goodsir, 2014). A estilista australiana segue com seu estilo boozy e corpulento ao apresentar Or du Sérail. O perfume abre com um acorde de piña colada, antes de revelar um coração de tabaco fortalecido com notas florais e herbáceas (gerânio, ylang-ylang, artemísia, sálvia e mate). A base oriental consiste de cera de abelha, labdanum, baunilha e carvalho. Or du Sérail pode ser descrito como madeiras queimadas com nuances herbáceas, tropicais e alcoólicas.

Soul100. Soul (Costume National, 2015). Este é um oriental especiado composto pelo renomado perfumista Dominique Ropion. Na saída, a fórmula recebe um acorde gelado e picante de bergamota, pimenta rosa e cardamomo. O contraponto entre quente e gelado persiste na evolução, com um centro feito à base de gerânio e oud. Finalmente, Soul conclui com um dry-down macio e adocicado de âmbar, patchouli, camurça e baunilha. Um perfume sedutor e original.

Veja também: Linhas Exclusivas de Designers

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s