Lançamentos de Nicho 2015

(a ordem dos perfumes abaixo é aleatória)

CologneIndelebile1. Cologne Indélébile (Frédéric Malle, 2015). Lançamento de colônias não é particularmente algo que chame atenção, mas, quando é uma criação de Frédéric Malle e Dominique Ropion, a coisa muda de figura. A colônia indelével tem limão e bergamota como notas de cabeça; narciso, flor de laranjeira e néroli como notas de coração; e musk como nota de base. Porém, como sabemos, uma lista de notas nem sempre conta toda história. Cologne Indélébile é potente em todas as fases: a saída é explosiva, a evolução brilhante e o dry-down amargo e potente. O contraste entre o soapy e o terroso é uma atração à parte.

IMissViolet2. I Miss Violet (Different Company, 2015). O perfumista Bertrand Duchaufour assina este floral polvoroso à base de couro. Na saída, I Miss Violet exala um acorde vibrante de mandarina, folha de violeta, manjericão e noz moscada. Durante a evolução, um coração carnal de cíclame, acácia, osmanthus, champaca, íris e violeta desabrocha, formando uma atmosfera “fofa” e inebriante, extremamente feminina. A base fica por conta de couro, mogno, baunilha, musk e âmbar gris.

Kiste3. Kiste (Slumberhouse, 2015). Saindo um pouco do estilo escuro e decadente, Slumberhouse oferece uma composição floral frutada gourmand com aspecto natural. Kiste tem uma saída intoxicante de frutas (predominantemente pêssego), em seguida evoluindo para um coração boozy de mel, tabaco e notas florais. Uma base de patchouli e fava tonka confere substância e cremosidade. Com uma concentração de extrato (como todas as criações da casa), Kiste é potente e longevo.

TrueLust4. True Lust (État Libre d’Orange, 2015). Com a honestidade de sempre, a casa État Libre d’Orange nomeia esta criação de “tesão verdadeiro” (em vez de “amor verdadeiro”). Trata-se de um floral atalcado à base de couro, parecido com Putain des Palaces, porém mais doce. True Lust tem uma saída inebriante com notas de gengibre, coco, rum, rosa e violeta. Na evolução, um suculento acorde floral de tangerina, osmanthus, ylang-ylang, jasmim e lírio-do-vale toma conta da composição. Finalmente, Trust Lust conclui com uma base de couro, sândalo, arroz e âmbar gris, com tons animálicos.

ÎleAuThé5. L’Île au Thé (Annick Goutal, 2015). Mantendo o DNA delicado e aromático da casa, Annick Goutal introduz uma fragrância à base de chá inspirada na ilha vulcânica de Jeju localizada na costa da Coreia do Sul. Segundo a casa, o perfume se divide em quatro facetas: luminosa (mandarina), aveludada (osmanthus), relaxante (chá verde) e quente (musk). L’Île au Thé vai certamente agradar quem aprecia fragrâncias leves e transparentes.

EauDeCiel6. Eau du Ciel (Annick Goutal, 2015). A tradicional casa francesa reedita este perfume originalmente lançado em 1986. Eau du Ciel é um floral verde com nota marcante de tília. A composição abre verde e crispy com notas de chá e tília. Na evolução, um centro de íris e musk desenvolve maciez e delicadeza, contrastando com uma base melíflua e espessa de cera de abelha e pau-rosa. Eau du Ciel equilibra com competência seus lados fresco e doce.

VanilleCharnelle7. Vanille Charnelle (Annick Goutal, 2015). Conhecida por seus perfumes leves e delicados, Annick Goutal decidiu em 2015 lançar uma coleção com três fragrâncias mais potentes denominada “Les Absolus”. O melhor deles é Vanille Charnelle, um oriental floral que abre com um inebriante acorde de pimenta preta e ylang-ylang. Na evolução, o perfume revela seu corpo/base de vetiver, fava tonka, baunilha e musk. O resultado é esfumaçado e levemente salino, ou seja, diferente do que se espera de uma composição carregada de baunilha.

RosePrivée8. Rose Privée (L’Artisan, 2015). Esta é uma rosa verde e ozônica feita para homens e mulheres. Rose Privée abre limpo e metálico com notas de folha de violeta e manjericão. Na evolução, um delicado e fresco buquê de cravo, rosa, magnólia e lilás emerge, conferindo uma atmosfera romântica e sofisticada. No dry-down, notas de feno, patchouli e âmbar finalizam com um ar natural, fresco e verde. Rose Privée é uma tentativa bem-sucedida de interpretar a nota de rosa em seu habitat original.

IrisCendré9. Iris Cendré (Naomi Goodsir, 2015). A designer australiana apresenta sua interpretação da nota de íris na forma de um oriental floral polvoroso. Enfatizando a dualidade brilhante e sombria da flor, Iris Cendré trabalha com dois acordes principais: o cítrico-picante (bergamota, mandarina, especiarias quentes) e o atalcado-esfumaçado (violeta, incenso, tabaco, labdanum). Uma composição realística e interessante, firmando o DNA “dark” da casa.

HoneyOud10. Honey Aoud (Montale, 2015). Com mais de uma centena de fragrâncias em seu portfólio, Montale oferece outra interpretação do oud, desta vez com mel e canela. Honey Aoud tem uma estrutura de bloco monolítico, desenvolvendo de uma só vez sua composição de patchouli, canela, âmbar, mel, couro, baunilha e oud, além de nuances florais. O perfume apresenta um oud gourmand e intoxicante, por outro lado mais macio e confortável que os outros ouds da casa. Honey Aoud é romântico e acolhedor como uma lareira numa tarde de inverno.

RosaNobile11. Rosa Nobile (Acqua di Parma, 2015). Depois de íris, jasmim e magnólia, chegou a vez da rainha das flores participar da coleção Nobile. Acqua di Parma selecionou uma variedade específica de rosa centifólia que cresce e floresce apenas na Itália. Rosa Nobile tem uma saída fresca e brilhante de bergamota, mandarina e pimenta, antes de evoluir para um coração feminino e romântico de rosa, lírio-do-vale, peônia e violeta. A base de âmbar gris e musk propicia uma secagem macia e confortável.

MortalSkin12. Mortal Skin (Stéphane Humbert Lucas 777, 2015). Parte de The Snake Collection, esta dramática fragrância de Stéphane Humbert Lucas reúne notas densas e escuras, naturais e sintéticas. Na saída, Mortal Skin exala um odor de incenso e frutas do bosque. Já seu coração pertence a um acorde quente e intoxicante de artemísia, cardamomo, íris, mirra e opoponax. A composição finaliza animálica e defumada com notas de estoraque, labdanum, bétula, âmbar gris, civet e almíscar. Um exótico oriental para pessoas que gostam de novidades e podem pagar por elas.

  AsSawira13. As Sawira (Penhaligon’s, 2015). Esta é claramente uma tentativa da casa inglesa de penetrar no lucrativo mercado árabe. Com uma composição chipre à base de açafrão, rosa, oud, âmbar e mirra na concentração eau de parfum, As Sawira distancia-se do DNA aromático e luminoso de Penhaligon’s para competir com fragrâncias encorpadas e picantes. O resultado é competente e interessante, porém acaba diluído em meio a tantos lançamentos com o mesmo tema.

Halfeti14. Halfeti (Penhaligon’s, 2015). Desta vez explorando o acorde açafrão-rosa-oud, a tradicional casa inglesa oferece este oriental amadeirado romântico e sofisticado. Com uma saída fresca e herbácea de toranja, cardamomo, açafrão, cipreste e artemísia, Halfeti logo exibe um intoxicante acorde central de rosa, jasmim e noz moscada. A finalização está a cargo de uma base oriental cremosa e amendoada com foco na nota de oud. Uma receita árabe com interpretação britânica.

AnAirOfDespair15. An Air of Despair (Imaginary Authors, 2015). Fugindo do estilo controverso de suas fragrâncias, o perfumista Josh Meyer exercita seu minimalismo com esta criação de apenas três notas: açafrão, cedro e musk. O resultado é mais uma textura do que um aroma (amadeirado polvoroso). An Air of Despair, apesar do nome, estabelece um clima de relaxamento com um perfume macio, esfumaçado e levemente picante.

MornToDusk16. Morn to Dusk (Eau d’Italie, 2015). Morn to Dusk é uma homenagem à baunilha. Em seu entorno está um acorde floral e cítrico de bergamota e lírio-do-vale, representando o amanhecer (“morn”) com sua aura vívida e energizante. Do outro lado, uma nota de almíscar representa o anoitecer (“dusk”) com seu aspecto mais quente e esfumaçado. Morn to Dusk consegue valorizar a nota de baunilha, que se torna mais brilhante e macia.

CaféMassoia17. Café Massoïa (Amberfig, 2015). O perfumista David Magalhães toma como centro um acorde de café, sândalo e cacau, estruturando a fragrância com um topo de amêndoas cítricas e uma base de bálsamos escuros e baunilha. Café Massoïa produz um intenso aroma de café recém-preparado, talvez com algum aromatizante gourmand. No dry-down, o perfume se torna mais misterioso e sofisticado, remetendo a um daqueles cafés de livrarias frequentadas por intelectuais.

SmokingLounge18. Smoking Lounge (Amberfig, 2015). Amberfig introduz um aromático especiado que equilibra notas especiadas e herbáceas. O perfumista David Magalhães se inspirou na cena do livro “O Caçador de Pipas” em que o narrador descreve o recinto em que seu pai custava fumar. O topo da composição recebe um acorde adstringente de anis, cardamomo, amêndoas e canela, enquanto o centro incorpora uma nuvem intoxicante de incenso e cravo-da-índia. No dry-down, Smoking Lounge exala um aroma sofisticado e confortável de madeiras nobres, couro, tabaco, baunilha e cacau.

GreatBritain19. Great Britain (Roja, 2015). O famoso ex-nariz de Guerlain introduz este chipre couro em homenagem ao país em que nasceu. A partir de um topo refrescante de bergamota, limão siciliano e sálvia, Great Britain desenvolve um buquê atalcado de íris, rosa e jasmim. Para finalizar, o perfume incorpora uma base amadeirada e balsâmica de cedro, patchouli, cade, musgo de carvalho, gaiaco, bálsamo tolu, estoraque, labdanum e âmbar gris, deixando para trás um aroma ligeiramente animálico.

Voyage20. Voyage (Hiram Green, 2015). A casa de origem holandesa focada em perfumes naturais se inspirou no mercado indiano da rua Mysore para conceber esta fragrância. Basicamente construída em torno de cítricos, âmbar e baunilha, Voyage abre um tanto medicinal antes de se balancear e “abrir” na pele. Uma nota de camurça na base traz maciez. Perfeita harmonia entre o fresco e o quente, o confortável e o envolvente.

PalissandreDOr21. Palissandre d’Or (Aedes de Venustas, 2015). A famosa boutique especializada em fragrâncias de luxo acrescenta mais uma criação ao seu portfólio. Composto por Alberto Morillas, Palissandre d’Or é um amadeirado especiado inspirado no pau-rosa. O perfume abre picante com um acorde de pimenta rosa, coentro, canela, noz moscada e ambrette, antes de revelar um coração denso e sofisticado de pau-rosa, patchouli e copaíba. A base fica por conta de três tipos de cedro, além de ambroxan. O resultado é cremoso, esfumaçado e aveludado. Elegância ao extremo.

ColoniaAmbra22. Colonia Ambra (Acqua di Parma, 2015). Acqua di Parma toma como base sua fórmula centenária de cítricos, lavanda, alecrim, verbena, rosa, jasmim, sândalo, patchouli, vetiver e âmbar, ampliando a impressão deste último. Colonia Ambra injeta uma nota de âmbar gris, que se funde em perfeito equilíbrio com âmbar e baunilha, invocando a sensualidade de uma tarde de verão no Mediterrâneo. No dry-down, a colônia exala um delicioso âmbar macio e levemente salgado.

RoseCut23. Rose Cut (Ann Gérard, 2015). Finalmente, em sua última criação, Ann Gérard oferece um chipre floral moderno construído ao redor da rosa. De imediato, Rose Cut tem uma saída intoxicante de aldeídos, rum e pimenta rosa. Na evolução, o acorde central de rosa, peônia e patchouli emerge com toda a beleza e sensualidade da mulher. A textura é aveludada e a sensação é brilhante. O dry-down completa a aura chipre com notas de musgo de carvalho, benjoim e baunilha. Rose Cut entrega uma rosa com nitidez e profundidade.

Unforsaken24. Unforsaken (Kerosene, 2015). Laranja, coco e baunilha. O perfumista John Pegg se dedica a produzir um original perfume cítrico e lactônico. Unforsaken tem como saída um suculento aroma de tangerina especiada com um fundo de plástico, que desaparece em alguns minutos. O perfume passa, então, a exalar um acorde cremoso com notas de coco, flor de laranjeira e jasmim, antes de finalizar com uma base doce e encorpada de baunilha, fava tonka, benjoim e musk.

Sunshine25. Sunshine (Amouage, 2015). Saindo um pouco do gênero oriental para se aventurar no mundo aromático, a casa árabe anuncia um novo par de fragrâncias. Sunshine Woman é um chipre verde com um topo de artemísia, cassis e amêndoas; um centro de osmanthus, magnólia e jasmim; e uma base de baunilha, patchouli, tabaco e papyrus. Já a versão masculina é um fougère que contrapõe um acorde herbáceo de bergamota, laranja, immortelle, lavanda, menta, sálvia e zimbro a um acorde licoroso de rum, tabaco, cedro, fava tonka e baunilha. Ambos talvez um pouco transparentes demais para o público de Amouage, todavia promissores.

 1861Naxos26. XJ 1861 Naxos (Xerjoff, 2015). Como tributo aos 150 anos da Itália como país, Xerjoff decide renomear o XJ 1861 original para XJ 1861 Renaissance e lançar dois flankers: Naxos e Zefiro. O primeiro sai à frente com uma particular homenagem à Sicília. Com base no original, a fragrância adiciona notas de mel, canela, baunilha, tabaco e fava tonka, enquadrando-se mais no gênero fougère oriental. XJ 1861 Naxos mantém-se leve e fresco apesar da camada extra de doçura.

1861Zefiro27. XJ 1861 Zefiro (Xerjoff, 2015). Enquanto Naxos flerta com o lado doce do mundo oriental, casa italiana presta uma homenagem à Roma com uma proposta mais barroca. Zefiro abre com notas de bergamota, artemísia, vinho branco e elemi, logo transitando para um coração floral picante de cravo, íris, cardamomo e canela. Uma base oriental de madeiras nobres, incenso, âmbar e mel esquenta a composição. O acorde esfumaçado e boozy é certamente a atração principal do perfume.

MimosaCardamom28. Mimosa & Cardamom (Jo Malone, 2015). A grife inglesa se arrisca com uma combinação um tanto controversa e, certamente, original nestes tempos. Mimosa & Cardamom abre intensa e pungente com o acorde homônimo, aos poucos evoluindo para um aspecto mais polvoroso e agradável. Se a nota de acácia em si já simboliza a beleza feminina com suas facetas verde, cremosa e exuberante, a nota de cardamomo só tem a agregar em termos de sensualidade. A base de fava tonka perfaz uma aura boêmia e decadente.

Grisette29. Grisette (Lubin, 2015). A tradicional casa francesa introduz uma oriental floral à base de rosa com roupagem incensada. Grisette foi inspirada nas moças que viviam em Paris no século XIX, durante a Belle Époque, e que trabalhavam como costureiras. Assim, a fragrância traduz a alegria de viver e o espírito independente com um topo cítrico e vibrante, um centro atalcado e esfumaçado, e uma base quente e polvorosa de cedro, baunilha, âmbar e musk.

NoirExquis30. Noir Exquis (L’Artisan, 2015). Com uma composição doce e viscosa, o perfumista Bertrand Duchaufour aborda o gênero oriental vanilla sem restrições. Noir Exquis abre com um acorde licoroso de laranja e castanhas, antes de revelar notas de melado, café e flor de laranjeira. Para compor uma atmosfera escura e defumada, a escolha para a base foram notas de heliotrópio, sândalo, ébano, fava tonka e baunilha. Noir Exquis é uma fragrância noturna e feminina, bem ao estilo de Dior Addict e Organza Indécence.

OudPalao31. Oud Palao (Diptyque, 2015). A tradicional casa francesa se rende ao oud com este oriental amadeirado de traços alcoólicos. Oud Palao praticamente se desenvolve em uma só fase, centrada no acorde rosa-oud. Em seu entorno, notas de patchouli e tabaco formam uma aura herbácea e canforada, enquanto notas de mel, rum e âmbar trazem um toque cremoso e boozy. Um pouco medicinal e incômodo no início, Oud Palao acaba surpreendendo com seu aroma narcótico e estonteante durante a evolução.

PoméloParadis32. Pomélo Paradis (Atelier Cologne, 2015). Construído em torno da nota de toranja, Pomélo Paradis reúne diversas notas verdes e cítricas para ressaltar o aspecto ácido e suculento da fruta. Com uma saída de toranja, mandarina e cassis, a composição segue com um luminoso acorde central de menta, flor de laranjeira, íris e rosa. Na base, vetiver e âmbar conseguem preservar a aura limpa e levemente doce do perfume. A grande surpresa de Pomélo Paradis é a sua grande potência e lasting.

JasminAngélique33. Jasmin Angélique (Atelier Cologne, 2015). Desta vez adotando um tom floral verde, Atelier Cologne introduz uma composição macia e levemente picante com notas de limão siciliano, pera, gálbano, angélica, jasmim, figo, incenso, fava tonka e âmbar. A seleção de ingredientes resulta num aspecto vegetal e polvoroso com nuances indólicas e especiadas, certamente se distanciando de uma simples colônia floral. Durante a evolução, Jasmin Angélique se torna equilibrado e natural, mantendo uma aura delicada e transparente.

MuscImpérial34. Musc Impérial (Atelier Cologne, 2015). De difícil classificação, Musc Impérial acaba sendo melhor definido como um aromático amadeirado musky. Na saída, a fragrância exala um acorde frutado picante de bergamota, cassis, figo e sálvia. Minutos depois, a composição adentra um acorde de lavanda e couro, antes de finalizar com uma base de cedro e ambrette. Musc Impérial ousa ao colocar um ingrediente usado quase sempre como textura no papel de protagonista. Macio e refinado.

OudSaphir35. Oud Saphir (Atelier Cologne, 2015). Depois do sucesso de Rose Anonyme, a casa Atelier Cologne volta ao tema de oud, desta vez focado em couro em vez de rosa. Para minimizar o impacto inicial, Oud Saphir tem uma saída de bergamota, frutas vermelhas e pimenta rosa, seguida de um acorde central de jasmim, bétula e camurça. O ápice da composição se dá quando a base de oud e baunilha emerge, deixando um rastro ao mesmo tempo doce e animálico no ar.

VanillaFlash36. Vanilla Flash (Tauer, 2015). Este não é um perfume baunilha-tabaco, mas sim um perfume de baunilha com nuances de tabaco. Andy Tauer elege também notas de rosa, patchouli e especiarias para interpretar uma das notas mais famosas de perfumaria. O resultado é boozy, floral e defumado, muito menos doce e viscoso que o esperado. Com Vanilla Flash, Tauer oferece uma baunilha mais madura e sofisticada que combina tanto com homens quanto mulheres.

clubdenuitintense37. Club de Nuit Intense (Armaf, 2015). A marca de Dubai deslumbrou o mercado com seu par de fragrâncias Club de Nuit Intense. A versão feminina é um chipre floral construído em torno da rosa, temperada com açafrão e noz moscada, e sustentada por patchouli, âmbar, baunilha e oud. A versão masculina é um amadeirado especiado que abre frutado com cassis, abacaxi e maçã verde, antes de adentrar um centro de rosa, jasmim e bétula, e concluir com um fundo de patchouli, âmbar gris, baunilha e musk. Sucesso comercial árabe.

RoseAsphalt38. Asphalt Rainbow (Charenton Macerations, 2015). Depois do sucesso de crítica com o lançamento do chipre clássico Christopher Street no ano anterior, a casa indie Charenton Macerations agora explora a nota de rosa com uma interpretação química e polvorosa. Asphalt Rainbow brinca com o contraste entre o natural e delicado (rosa, magnólia e lírio-do-vale) com um acorde sintético e pesado que remete a asfalto ou algum pó queimado. Lembra o estilo Comme des Garçons.

ÉpineMortelle39. Épine Mortelle (LM Parfums, 2015). O “espinho mortal” é um pungente oriental floral em concentração de extrato. Épine Mortelle tem como centro uma rosa damascona aveludada e suculenta, acompanhada de notas de violeta, acácia, cassis e angélica. Uma combinação de especiarias (anis, pimenta rosa e preta, noz moscada e cominho) esquenta a geleia de rosas, enquanto uma base de baunilha e musk traz conforto. Uma rosa vibrante e tridimensional.

SexTape40. Sex Tape (The Bohemian Society, 2015). The Bohemian Society é uma grife de roupas americana bem ao estilo de Comme des Garçons e Costume National. Sex Tape é um aromático especiado feito com dois acordes principais: um atalcado de violeta e baunilha, e outro esfumaçado de incenso e couro. Andrógino e inusitado, o perfume consegue tirar vantagem de um equilíbrio entre o feminino-adocicado e o masculino-defumado, criando uma aura misteriosa e sofisticada.

PrecisionGrace41. Precision and Grace (The Beautiful Mind Series, 2015). Geza Schoen prossegue com mais uma bela criação, desta vez adotando o tema floral frutado. A partir de um delicado e aquoso topo de pera, osmanthus e pimenta rosa, Precision and Grace se aprofunda num acorde central de frésia, jasmim e pêssego. A base fica a cargo de uma boa dose de musk. Precision and Grace reafirma o talento do perfumista alemão em criar aromas complexos com estruturas minimalistas.

AubeRubis42. Aube Rubis (Atelier des Ors, 2015). Atelier des Ors é uma nova casa de nicho que combina perfume e poesia. “Rubi da Madrugada” é difícil de classificar por ter facetas chipre, frutada, gourmand e aromática. Com um topo de bergamota, toranja e cassis, Aube Rubis segue com acorde central atalcado de violeta, íris e sálvia. Na evolução, o perfume deixa sua atmosfera florestal para concluir com um acorde doce e cremoso de vetiver, patchouli, caramelo e chocolate ao leite.

LarmesDuDésert43. Larmes du Désert (Atelier des Ors, 2015). A segunda criação de Atelier des Ors se dedica a um elixir sensual na forma de um oriental amadeirado focado em âmbar e incenso. Larmes du Désert abre com um aspecto canforado e esfumaçado, anunciando um coração seco e amadeirado de cedro, patchouli e gaiaco. O dry-down segue um tom mais oriental graças à uma base de baunilha, labdanum e benjoim com toques de laranja.

Noise44. Noise (Ephemera by Unsound, 2015). Ephemera by Unsound é um projeto que explora a sinestesia entre som, imagem e odor. O projeto é apresentado em eventos presenciais, dirigidos por Geza Schoen. Em Noise, o perfumista se inspirou nas memórias de igrejas, queimadas, umidade e insetos, entre outros estímulos. A tradução olfativa foi executada com o uso de sintéticos diversos de aldeídos a musks, açafrão e labdanum. Noise é um perfume herbáceo e defumado com nuances picantes.

Bass45. Bass (Ephemera by Unsound, 2015). A inspiração para Bass foram memórias de infância conectadas a um aspirador de pó quebrado, com cheiro de queimado. A concretização olfativa da fantasia mental foi obtida com notas de madeiras escuras, rum, couro, angélica, chá, musgo de carvalho e castoreum. O resultado é um perfume quente e vibrante que realmente invoca percussão. A faceta animálica da composição atenua o efeito sintético, dando a Bass cara de perfume.

Aer46. Aer (Angela Ciampagna, 2015). Angela Ciampagna é uma perfumista indie da Itália que tem inspiração no sagrado. Em Aer, notas herbáceas diversas recebem toques mentolados, anisados e salinos. A partir de um topo arejado de cítricos, menta, anis, folhas verdes e zimbro, a composição segue uma rota mais terrosa com vetiver, feno, elemi e patchouli. Aer resulta num aroma úmido e irradiante, acima de tudo natural. Perfeito para os fãs de fragrâncias refrescantes.

Rosarium47. Rosarium (Angela Ciampagna, 2015). Rosarium é um amadeirado aromático que equilibra dois acordes opostos. De um lado, notas de cenoura, aipo, violeta, zimbro, cedro, vetiver e musk compõem um aspecto seco e delicado; de outro, notas de mel, incenso, baunilha e madeiras escuras trazem o doce e a fumaça. Rosarium é um incenso limpo e transparente que se torna aconchegante graças à base cremosa e melíflua. Uma excelente alternativa para quem curte perfumes defumados adocicados.

RosaNigra48. Rosa Nigra (Unum, 2015). Unum é uma nova casa de nicho da Itália, com a missão de fazer interpretações olfativas de elementos místicos. Oferecido na concentração de extrato, Rosa Nigra é um floral musky com traços frutados e polvorosos. O perfume conta com um topo de artemísia e anis, um coração de pêssego, frésia e íris, e uma base de sândalo, âmbar, cashmeran e musk. Do leve e translúcido, Rosa Nigra passa para um aspecto mais denso e escuro. Uma fragrância contemplativa.

Opus114449. Opus 1144 (Unum, 2015). Opus 1144 é um tributo ao movimento gótico que surgiu na França no ano 1144, espalhando-se para o resto da Europa. Construído em torno do âmbar gris, o perfume começa com um acorde fresco de bergamota, mandarina, jasmim e elemi, partindo para um acorde atalcado de íris, orquídea e cashmeran. A base fica a cargo de sândalo, couro, baunilha, sal, âmbar, benjoim e musk. O segredo está no dry-down, que é fiel ao tema com a antítese doce-salgado.

BaccaratRouge54050. Baccarat Rouge 540 (Maison Francis Kurkdjian, 2015). Para celebrar o aniversário de 250 anos da famosa marca de cristais, Baccarat encomendou 250 unidades de uma fragrância exclusiva ao perfumista Francis Kurkdjian, oferecidas ao preço de 4000 dólares. No ano seguinte, Baccarat Rouge 540 foi lançado ao mercado em frascos de 70 ml por “módicos” 300 dólares. Trata-se de um luxuoso floral oriental que combina a opulência luminosa do jasmim com açafrão, a robustez macia do cedro e abeto, e o efeito quente-gelado do âmbar gris.

AquaVitaeForte51. Aqua Vitae Forte (Maison Francis Kurkdjian, 2015). A versão intensificada de Aqua Vitae oferece um aroma mais contrastante, mesclando o aquoso e picante. Enquanto o original foi inspirado na celebração da vida, Aqua Vitae Forte dá um passo adiante em direção à sensualidade, incorporando especiarias quentes como cardamomo, pimenta e canela em sua composição, além de um toque tropical de ylang-ylang. O aspecto feminino é compensado com uma base seca de vetiver e sândalo.

OudSatinMood52. Oud Satin (Maison Francis Kurkdjian, 2015). O sucesso de sua composição dedicada ao oud levou Francis Kurkdjian a desenvolver flankers – o que é uma raridade no mercado de nicho. Destaca-se Oud Satin, uma versão que acrescenta notas de rosa, violeta e baunilha para formar um aspecto mais macio e powdery. Extremamente sensual, Oud Satin transita de um acorde rosa-violeta adocicado para uma secagem quente e cremosa. A desvantagem? É um dos perfumes mais caros do portfólio da casa.

Voulez-vous53. Voulez-Vous Coucher Avec Moi (Kilian, 2015). Kilian apresenta mais um membro da coleção Garden of Good and Evil, iniciada em 2012 e inspirada no pecado capital. Com Voulez-Vous Coucher Avec Moi, o perfumista Alberto Morillas dá destaque a um poderoso buquê de tuberosa, ylang-ylang e rosa. A faceta oriental da composição vem no dry-down, graças a um acorde intenso de cedro e baunilha. Um perfume interessante, porém genérico e não digno da casa.

LemonInZest54. Lemon in Zest (Kilian, 2015). Desta vez Kilian, decide explorar a nota de limão com uma roupagem boêmia. Com uma base de conhaque, vetiver, patchouli e baunilha, a fragrância consegue sustentar a nota etérea de limão, trazendo, de um lado, uma faceta amarga e canforada e, de outro, uma faceta doce e boozy. Um verdadeiro Limoncello em formato perfume.

PearlOud55. Pearl Oud (Kilian, 2015). Construído em torno do acorde açafrão-rosa-oud, Pearl Oud é um envolvente oriental amadeirado. O perfume tem uma saída narcótica de açafrão e pimenta preta, anunciando um intoxicante buquê de rosa, íris e ylang-ylang. No dry-down, a nota de oud fica mais arredondada e confortável, equilibrando seu lado floral e balsâmico, além de ganhar um toque animálico de castoreum.

RoseNoMansLand56. Rose of No Man’s Land (Byredo, 2015). Construído ao redor da rosa turca, Rose of No Man’s Land é enriquecido com um acorde frutado de pimenta rosa e flor de framboesa, e outro oriental de âmbar e papyrus. Esta é uma rosa mais seca e arejada, como se brotasse no meio do deserto, como insinua o nome do perfume. Na evolução, ela transita harmoniosamente do cítrico e picante ao balsâmico e amadeirado. Para os amantes de rosas mais naturais.

Westbrook57. Westbrook (Byredo, 2015). A sueca Byredo aceitou o convite do famoso jogador de basquete, Russell Westbrook, fã da casa, de desenvolver para o atleta uma fragrância personalizada. Aparentemente simples, Westbrook é um amadeirado especiado que abre com um acorde inusitado de osmanthus e gin, antes de exibir seu centro andrógino de violeta e tabaco. Mais adiante, o perfume passa a exalar sua base seca e macia de vetiver e camurça. Um perfume limpo e elegante, versátil e moderno.

OliverPeoples58. Oliver Peoples (Byredo, 2015). Novamente seguindo o gênero amadeirado aromático, Byredo apresenta uma composição feita especialmente para a grife de óculos escuros Oliver Peoples. Depois de uma refrescante saída de limão siciliano e zimbro, a composição segue com centro limpo e macio de íris e patchouli. Na evolução, a base de musk ligeiramente salino e animálico se torna mais evidente, contribuindo para o efeito powdery do perfume.

Isabel59. Isabel (Tocca, 2015). Isabel é um oriental floral que explora a rosa com notas frutadas e amadeiradas. Abrindo com um aroma de sangria de fundo de laranja e pera, a fragrância segue um caminho seco e floral com um centro de rosa, vetiver e couro. Algumas horas depois, a base oriental de gaiaco, âmbar e baunilha fica mais evidente, porém sem tirar a suavidade da composição. Isabel é leve e discreta, feminino e elegante, assim como os demais perfumes da casa.

TabacTabou60. Tabac Tabou (Parfum d’Empire, 2015). Tomando por base a nota de tabaco, Marc-Antoine Corticchiato faz um tributo olfativo à planta tida como sagrada pelo povo indígena das Américas. O perfumista reuniu notas de grama cortada, immortelle, mel, narciso e musk para trabalhar o tema principal, compondo um inusitado fougère oriental com forte caráter herbáceo e melífluo. Desta vez, o perfume é oferecido na concentração de extrato, para máximo proveito da criação.

AmbreCashmere61. Ambre Cashmere (Nicolaï, 2015). Patricia de Nicolaï retorna com uma criação focada no âmbar, aqui com um tratamento polvoroso e especiado. Na saída, Ambre Cashmere exala um acorde fresco e levemente doce com nota marcante de cidra. Aos poucos, o perfume evolui para um aroma escuro e picante, ao mesmo tempo macio e aveludado, com notas de violeta, cravo-da-índia, patchouli, âmbar e musk. Um meio termo entre o sofisticado e o envolvente.

RoyalMayfair62. Royal Mayfair (Creed, 2015). Preservando o DNA aromático da marca, a casa Creed oferece este floral fresco construído ao redor da nota de rosa. Royal Mayfair abre gelado e efervescente com gin, limão tahiti e agulhas de pinho. Minutos depois da aplicação, o centro se desperta, trazendo consigo um aroma floral verde e soapy, sofisticado e perfeitamente unissex. Na base, notas de laranja, eucalipto e cedro propiciam um dry-down seco e mentolado, mais masculino do que feminino.

VetiverGeranium63. Vetiver Geranium (Creed, 2015). A casa Creed se moderniza, mas não perde seu DNA de fragrâncias suaves com grande estilo. Com Vetiver Geranium, os ingleses apresentam um floral musky com notas de bergamota, maçã verde, rosa, canela, patchouli, âmbar e musk, além é claro das notas que dão nome ao perfume. O centro floral é bem balanceado com a base amadeirada, passando a imagem de um homem sofisticado e aberto a novos romances.

AsianGreenTea64. Asian Green Tea (Creed, 2015). Com a sofisticação aromática de sempre, Creed desta vez faz uma homenagem às ex-colônias inglesas na Ásia com uma fragrância à base de chá verde. Depois de um topo cítrico adocicado de bergamota, mandarina, toranja e néroli, Asian Green Tea logo faz emergir um centro floral e herbáceo de cassis, heliotrópio, chá verde, rosa e violeta. Equilibrando bem as facetas refrescante e polvorosa durante a evolução, Asian Green Tea conclui leve e sedoso com uma base de musk.

AberdeenLavender65. Aberdeen Lavender (Creed, 2015). Trabalhando com o tema da Escócia, Creed faz uma rendição sofisticada da nota de lavanda com a ajuda de couro e patchouli. Com uma saída cítrica e herbácea de bergamota, toranja, zimbro e artemísia, Aberdeen Lavender apresenta sua nota principal recortada de flores elegantes como rosa, lírio-do-vale e tuberosa. Uma base seca e terrosa fica a cargo de notas de vetiver, couro e patchouli. Aberdeen Lavender consegue ser ao mesmo tempo fresco e refinado, masculino e feminino.

ColoniaClub66. Colonia Club (Acqua di Parma, 2015). Voltada para o público masculino, Colonia Club se inspira nas colônias dos anos 70 com seu acorde de grama cortada. O perfume abre cítrico e herbáceo com cítricos, petitgrain, menta e néroli, antes de evoluir para um coração gelado e efervescente de gálbano, lavanda e gerânio. Uma base macia e levemente salina de vetiver e âmbar gris completa a fragrância.

Lipstick67. Lipstick On (Maison Margiela, 2015). Com base no acorde clássico rosa-íris-violeta, Lipstick On é um tributo ao batom, incorporando também notas polvorosas de gálbano, fava tonka e baunilha, além de nuances de frutas vermelhas. Antes de chegar no seu objetivo, o perfume abre com um topo refrescante de bergamota e néroli. Na base, um toque de patchouli forma um aspecto encorpado e moderno, balanceando a tendência doce da composição.

ByTheFireplace68. By the Fireplace (Maison Margiela, 2015). By the Fireplace é uma daquelas fragrâncias que se situam na fronteira entre a perfumaria fina e home care (aromatizadores de ambientes). Composto com notas de castanha, baunilha e cravo-da-índia sobre uma base de madeiras e cashmeran, o perfume imediatamente remete a um ambiente aconchegante onde se toma vinho quente em frente à lareira. Por esse mesmo motivo, By the Fireplace pode se tornar enjoativo em certas ocasiões.

Selfie69. Selfie (Olfactive Studio, 2015). Apesar da discutível escolha do nome, Selfie é um agradável oriental especiado de nuances frutadas. O perfume abre xaroposo e picante com notas de anis, gengibre, canela, angélica e maple. Na evolução, Selfie desenvolve uma atmosfera esfumaçada com a ajuda de olíbano e elemi. Finalmente, a composição finaliza com um fundo doce, balsâmico e polvoroso de patchouli, sândalo, fava tonka, benjoim, estoraque, labdanum e camurça.

Panorama70. Panorama (Olfactive Studio, 2015). A sétima criação de Céline Verleure é um aromático verde construído em torno da nota exótica de wasabi. A partir de um topo de bergamota e toranja, Panorama adentra um coração vegetal e adstringente de folha de violeta, gálbano, bambu, folha de figo e cardamomo. Na evolução, a base amadeirada e balsâmica de agulhas de pinho, labdanum, patchouli, mirra, fava tonka, baunilha e musk cria uma atmosfera realisticamente florestal.

Pichola71. Pichola (Neela Vermeire, 2015). Neela Vermeire segue firme e forte com sua coleção de perfumes inspirados na Índia. Depois de quatro sucessos de crítica, ela lança Pichola, um leve oriental floral. A composição tem uma saída efervescente de cítricos, néroli, magnólia, zimbro e especiarias quentes. No coração, a fragrância exala um inebriante buquê com absolutos de flor de laranjeira, jasmim, ylang-ylang, tuberosa e rosa. A base fica por conta de vetiver, sândalo, madeira molhada e benjoim. Equilíbrio perfeito entre o limpo-brilhante e o doce-escuro.

Ryder72. Ryder (Ex Idolo, 2015). Depois da relativa popularidade de Thirty Three, Ex Idolo tem tudo para emplacar mais um sucesso com este âmbar de traços doces e esfumaçados. Ryder abre com uma nota feminina e delicada de jasmim, porém logo seguindo para um centro masculino e escuro de incenso e tabaco. A fragrância conta com uma base fortemente oriental com madeiras nobres, bálsamos e resinas, com ênfase na baunilha. Ryder é um perfume confortável e meditativo.

AnotherOud73. Another Oud (Juliette Has a Gun, 2015). Depois de Midnight Oud, Romano Ricci lança outra fragrância à base de oud. Com um topo de bergamota e framboesa, centro de oud e base de ambroxan, este perfume minimalista obviamente faz uma interpretação limpa e moderna da nota principal. Diferente de Midnight Oud, as notas de patchouli e castoreum estão aqui ausentes. Agradável e fácil de usar, Another Oud cai bem para meninas e moças sedutoras.

Néa74. Néa (Jul et Mad, 2015). Néa é um oriental gourmand de traços marcadamente frutados. A partir de uma saída exótica de folha de palma, artemísia, tâmara, romã e pimenta preta, a composição segue um caminho floral suculento de rosa, jasmim e ameixa. Na evolução, notas de patchouli, cashmeran, benjoim, baunilha, caramelo, fava tonka, âmbar e musk emergem para conferir conforto e sensualidade.

Nin-Shar75. Nin-Shar (Jul et Mad, 2015). Desta vez com um oriental amadeirado, Jul et Mad propõe um perfume ao estilo árabe, construído em torno do acorde oud-rosa. Para enriquecer a personalidade da fragrância, Nin-Shar acrescenta notas de artemísia, incenso e jasmim em seu coração. Na secagem, uma base de cedro, sândalo, benjoim, baunilha e musk finaliza a composição com corpo e potência. Sexy sem ser vulgar.

Garuda76. Garuda (Jul et Mad, 2015). Garuda aborda o tema oud com um toque boozy. Com um topo “suado” de cítricos e cominho, a composição logo parte para o que interessa: um acorde central de oud, açafrão e rum. Na evolução, Garuda revela uma base amadeirada (patchouli, vetiver, cedro, cashmeran) e balsâmica (âmbar, baunilha), potencializando o acorde oud e suas nuances especiadas. O dry-down deixa um delicioso rastro de rum e baunilha.

ThéNoir2977. Thé Noir 29 (Le Labo, 2015). A casa americana oferece desta vez um inusitado aromático verde de traços lactônicos construído em torno do acorde figo-chá. A partir de uma saída de bergamota, folha de cassis, louro e figo, Thé Noir 29 evolui para um aspecto mais seco e polvoroso devido à combinação de feno, vetiver, tabaco, cedro e almíscar sintético. Trata-se de um perfume fresco, seco e herbáceo, acima de tudo simples e minimalista.

Akowa78. Akowa (M. Micallef, 2015). Akowa é um amadeirado especiado de nuances cítricas, verdes, terrosas e almiscaradas. Feito em tributo às misteriosas raízes africanas, o perfume tem um topo de bergamota e flor de laranjeira, um centro de vetiver e cacau, e uma base de âmbar e musk. O resultado é um perfume seco e esfumaçado, levemente adocicado. A dose exagerada de almíscar sintético, contudo, confere um aspecto de giz em pó.

TheOrchidMan79. The Orchid Man (Frapin, 2015). A casa especialista em conhaque introduz este aromático especiado que equilibra notas cítricas, florais, herbáceas, amadeiradas, balsâmicas e especiadas. O nome é uma referência ao apelido do boxeador francês Georges Carpentier, que também trabalhava como ator. Ou seja, The Orchid Man busca ilustrar olfativamente o contraste entre a força e a delicadeza de uma pessoa com personalidade complexa por meio de uma combinação de bergamota, musgo de carvalho, jasmim, pimenta preta, âmbar, couro e patchouli.

OpusIX80. Opus IX (Amouage, 2015). Feminino e opulento, Opus IX é uma proposta floral bomba de Amouage. Abrindo picante (pimenta preta) e animálico (civet), o perfume aos poucos se desabrocha na forma de um buquê de jasmim e camélia. No fundo, um acorde quente e sensual de cera de abelha, âmbar gris e couro traz uma perspectiva oriental à composição. Por ser potente e intenso, duas borrifadas de Opus IX bastam para perfumar uma dama na medida certa.

Rubini81. Fundamental (Rubini, 2015). Rubini é uma nova casa de nicho estabelecida na Itália em 2015. Fundamental, sua primeira criação, é um amadeirado aromático com nuances frutadas e powdery. Na saída, o perfume exala notas cítricas de bergamota e tangerina, antes de mostrar um interessante centro de uva, íris e cera de abelha. Tudo isso é sustentado por uma base seca e amadeirada de vetiver, cedro, sândalo e couro. Fundamental harmoniza o doce e o salino de forma inovadora.

OneNightInRio82. One Night in Rio (A Lab on Fire, 2015). O perfumista Jean-Marc Chaillan acertou ao escolher uma nota frutada como centro desta composição feita em homenagem à boemia da cidade do Rio de Janeiro. O maracujá é trabalhado com um topo efervescente e quente de néroli e pimenta preta, um centro luminoso e tropical de gardênia e magnólia, e uma base confortável e sensual de âmbar, baunilha e musk. One Night in Rio é um floral frutado maduro e elegante.

MonMuscAMoi83. Mon Musc à Moi (A Lab on Fire, 2015). Esta criação de Dominique Ropion é um tributo ao musk. Abrindo com um acorde refrescante de bergamota e folha de pêssego, Mon Musc à Moi segue para um coração atalcado de rosa e heliotrópio. Além de uma boa injeção de almíscar sintético, a fragrância leva em sua base uma combinação doce e polvorosa de fava tonka, caramelo, âmbar e baunilha. Um gourmand arejado e divertido para quem prefere conforto a atenção.

Floriental84. Floriental (Comme des Garçons, 2015). Talvez um pouco tardio para o espírito inovador e radical da grife japonesa, Floriental é um potente oriental com notas picantes e florais. O tema trabalhado no passado em perfumes como Femme de Rochas, Kingdom e Opium é aqui abordado com notas de pimenta rosa, ameixa, incenso, sândalo, vetiver e labdanum. Doce e pungente, a fragrância resulta numa suculenta rosa damascona com um tratamento mais masculino devido à base amadeirada.

CioCioSan85. Cio Cio San (MDCI, 2015). A maison MDCI finalmente resolve aderir à moda dos florais frutados com esta criação à base de peônia e lichia. Abrindo efervescente e revitalizante com um acorde de yuzu, chá e gengibre, Cio Cio San desenvolve um luminoso centro floral frutado. Na secagem, o perfume recebe uma nuvem esfumaçada de incenso, cedro, gaiaco e musk, mantendo a composição leve e crispy. Talvez uma das fragrâncias menos originais da casa, apesar de ter boa qualidade.

VanillaSmoke86. Vanilla Smoke (Aftelier, 2015). Este oriental vanilla composto pela perfumista Mandy Aftel explora a nota fantasia de âmbar gris num misto de doçura e salinidade. Com um topo de mandarina, chá e açafrão, a inusitada composição vai aos poucos revelando um acorde de madeiras nobres, fava tonka, baunilha e âmbar gris. Vanilla Smoke é o que pretender ser: uma fragrância esfumaçada e adocicada, escura e xaroposa. Equilibrada e sofisticada.

Orangea87. Orangea (Profumum, 2015). A casa italiana decide aqui abordar uma nota que costuma aparecer apenas no topo de composições: a laranja. Com um topo explosivo de bergamota, petitgrain e menta, Orangea mostra as diversas facetas da fruta, da mais verde e amarga à mais adocicada e macia. Profumum não revela todas as notas da base além de cedro, mas provavelmente trata-se de uma combinação de sintéticos que permite segurar o aspecto cítrico e efervescente por muitas horas.

WidianV88. Widian V (Aj Arabia, 2015). Atuando a partir dos Emirados Árabes, Widian resolve trabalhar a tuberosa em busca do luxo e opulência dos anos 20. V Widian abre com um acorde de limão siciliano, pêssego e canela, em seguida passando para um centro de tuberosa e flor de laranjeira. Um acorde de madeiras nobres, baunilha e caramelo conclui a composição com doçura e conforto. Indicado para homens e mulheres que curtem um floral frutado de grande potência.

PatchouliBlanc89. Patchouli Blanc (Réminiscence, 2015). Construído em torno da nota de patchouli, este perfume é o centro de um chipre floral feito à moda antiga. Abrindo com bergamota, aldeídos e anis, Patchouli Blanc segue um caminho polvoroso à base de íris, rosa e violeta. Para segurar o desempenho do perfume, a composição ganha uma base sólida e encorpada de patchouli, sândalo, âmbar e musk. O resultado é um talco adocicado e elegante recomendado para os incansáveis românticos.

UpperTen90. Upper Ten (Lubin, 2015). Uma das casas mais antigas da perfumaria, Lubin oferece este complexo floral musky. Nos primeiros minutos, Upper Ten exala um acorde cítrico e especiado à base de bergamota, zimbro, pimenta vermelha e açafrão. Em seguida, a dupla de gerânio e flor de laranjeira confere uma aura soapy, temperada com cardamomo, pêssego e canela. No dry-down, Upper Ten mostra uma base chipre de cedro, sândalo, patchouli, couro, âmbar e musk, deixando para trás um rastro doce e picante.

Bat91. Bat (Zoologist, 2015). A casa indie, que se inspira em temas animalescos, desta vez propõe reproduzir olfativamente o habitat dos morcegos. Bat é uma potente e inusitada composição que abre com um acorde frutado, onde predominam notas de banana e figo. Logo a atmosfera úmida e terrosa se instaura, revelando um aroma encorpado de vetiver, sândalo, couro, mirra e musk. Incrivelmente original, Bat cumpre com competência seu objetivo.

Miyako92. Miyako (Auphorie, 2015). Fundada na Malásia em 2015 por Eugene Au e Emrys Au, Auphorie se dedica à extração de óleo essenciais exóticos para compor fragrâncias inovadoras. Sua composição de maior destaque e ganhadora de prêmios é Miyako, um floral musky com traços frutados. Com uma saída suculenta de pêssego, yuzu e damasco, o perfume caminha para um centro de osmanthus, chá e jasmim. Finalmente, Miyako conclui com um acorde aveludado de cedro, patchouli, sândalo, hinoki, couro e musk. Uma nota de folha de katsuri propicia um toque levemente caramelizado no dry-down.

Nanban93. Nanban (Arquiste, 2015). A mais nova criação do perfumista Rodrigo Flores-Roux é este oriental especiado com nota marcante de café. Abrindo macio e suave com um acorde de chá, osmanthus, zimbro e açafrão, Nanban segue com um centro sofisticado de café, pimenta preta e couro. O dry-down balsâmico e esfumaçado fica por conta de notas de copaíba, sândalo, mirra, olíbano e estoraque. Nanban foi feito para o macho alfa.

DarkHorse94. Dark Horse (Dame Perfumery, 2015). Desta vez com uma vibe mais feminina e delicada (apesar do nome), Jeffrey Dame oferece um floral oriental musky. Abrindo fresco e cítrico, Dark Horse adentra um coração floral e picante de rosa, jasmim, cravo (flor e especiaria) e canela. Na evolução, o perfume escurece devido a uma base de gaiaco, vetiver, baunilha e almíscar. É uma fragrância que equilibra com competência o masculino e feminino, o defumado e o atalcado.

VanilleDIris95. Vanille d’Iris (Ormonde Jayne, 2015). Geza Schoen volta a compor para a casa inglesa, desta vez com um oriental floral à base de íris e baunilha. Vanille d’Iris abre com um acorde adstringente de bergamota, cenoura, pimenta preta e coentro, anunciando um centro floral frutado de orris, jasmim, magnólia e osmanthus. Para conferir uma aura powdery, o perfumista escolheu para o dry-down uma combinação “fofa” e adocicada de baunilha, cedro, vetiver, âmbar e musk.

Debaser96. Debaser (D.S. & Durga, 2015). Debaser é um exótico aromático lactônico com notas marcantes de figo e coco. Na saída, a fragrância é verde e crispy com notas de bergamota, folha de figo e pera, com traços aquosos e terrosos. Mais adiante, um acorde central de íris e coco forma um aroma atalcado e denso, doce porém confortável. Na secagem, notas musgo de carvalho, fava tonka, cedro e sândalo conferem uma atmosfera de floresta tropical. Debaser é inusitado e bem-sucedido.

 Romanza 97. Seyrig (Bruno Fazzolari, 2015). Mais uma vez Bruno Fazzolari ousa ao trazer de volta a vibe datada da estrutura de aldeídos, bergamota, flores densas e musgo de carvalho, típica dos anos 70. Seyrig tem uma saída química e esquisita, anunciando um coração vibrante e soapy de rosa, ylang-ylang, muguê e syringa (flor com odor próximo a flor de laranjeira e jasmim) – o tema principal do perfume. Seyrig tem um público bem delimitado formado por apreciadores de vintages.

SweetMorphine98. Sweet Morphine (Ex Nihilo, 2015). Para produzir um talco bonito e luxuoso, Ex Nihilo reuniu notas atalcadas de flores como íris, lilás, rosa, heliotrópio e mimosa. Sweet Morphine tem sua doçura amenizada por um topo de bergamota, enquanto um fundo de vetiver, patchouli e baunilha provê uma textura confortável e eficiente. Tudo é muito bem equilibrado para agradar fãs de perfumes powdery.

Tulaytulah99. Tulaytulah (Majda Bekkali, 2015). Esta inusitada fragrância de Majda Bekkali é um aromático de traços florais e amendoados. O perfume abre com um acorde adstringente de anis, cipreste e flor de cerejeira. Na sequência, Tulaytulah adentra um coração de jasmim-manga enriquecido com malte e amêndoas e apoiado sobre um fundo de fava tonka, camurça e baunilha. Tulaytulah é um versátil semigourmand que cai bem em qualquer ocasião.

Seyrig100. Romanza (Masque, 2015). Masque se inspirou na obra “O Retrato de Dorian Gray” para compor este floral verde centrado na nota de narciso. A flor ganha a companhia de anis, jacinto, violeta e jasmim para reforçar seu lado ao mesmo tempo brilhante e narcótico. Romanza ganha como base um acorde amadeirado, balsâmico e animálico. Bela homenagem a um gênero da perfumaria que está praticamente em extinção.

Veja também: Lançamentos de Nicho 2016