Nicho Semiluxo

NichoSemiO nicho de semiluxo atende os consumidores avessos à massificação da perfumaria, porém sem querer pagar muito. O luxo aqui não é tratado como ostentação, mas sim como uma forma de apreciar melhor um perfume, como se aprecia um vinho. As casas que estão dentro deste nicho escolheram ter uma distribuição ampliada, seja via perfumarias virtuais ou lojas de departamentos ou aeroportos. O preço se situa abaixo de $100 por um frasco de 50 ml. Não se gasta muito com propaganda e vive-se de boca-a-boca ou divulgação de blogueiros. Diptyque foi pioneira em 1968 ao expandir seu negócio de decoração e incluir fragrâncias com o tema de bem-estar. No início dos anos 80, a pianista e modelo Annick Goutal deu início à sua linha de florais e aromáticos com grande apelo lírico. Embora este nicho tenha sido inicialmente dominado por fragrâncias leves, as powerhouses vieram depois da virada do milênio com Juliette Has a GunAtelier Cologne. Este é um nicho que está fadado a virar, em algum momento, perfumaria de massa, pois já se encontra facilmente em duty-frees de aeroportos mundo afora.

Nota: Para perfumes lançados de 2015 em diante, consulte Lançamentos de Nicho.

(ordem cronológica por ano de lançamento)

LAutre1. L’Autre (Diptyque, 1973). Com o curioso nome de “A Outra”, Diptyque lança sua primeira fragrância apostando no poder das especiarias quentes – estilo que acabou se tornando a assinatura olfativa da casa. Esta colônia reúne cardamomo, pimenta preta, cravo, coentro, noz moscada e cominho sobre uma base potente e canforada de patchouli. Polarizante e controversa, L’Autre chama atenção por sua personalidade, que valoriza o contraste entre o fresco e o picante.

LEauTrois2. L’Eau Trois (Diptyque, 1975). L’Eau Trois é um amadeirado especiado construído em torno da nota de agulhas de pinho. Com um odor metálico (aldeídos), canforado e picante (canela, alcarávia, cravo-da-índia), L’Eau Trois propõe um aroma de senhor, old school, típico dos anos 70. No dry-down, o perfume se torna quente e esfumaçado graças à dupla olíbano-mirra. L’Eau Trois deixa para trás um rastro animálico e datado.

vanillamokha3. Vanille Mokha (Comptoir Sud Pacifique, 1976). A marca francesa se estabeleceu nos anos 70 como sinônimo de felicidade exótica e despreocupada, ganhando o coração de muitos amantes de perfumes por suas composições simples e equilibradas. A primeira entre as mais marcantes foi Vanille Mokha, um oriental vanilla construído em torno do café. Simples e minimalista, o perfume usa a baunilha como base.

LEauDuGouverneur4. L’Eau du Gouverneur (Comptoir Sud Pacifique, 1980). L’Eau du Gouverneur foi uma das primeiras fragrâncias da marca francesa Comptoir Sud Pacifique, hoje sinônimo de bem-estar e exotismo. Como um coquetel aromático de cítricos, lavanda, especiarias quentes, vetiver, fava tonka e musk, a fragrância exala um cheiro fresco e natural de floresta. Todas as notas são harmonizadas para transmitir um clima arejado, ainda que sofisticado, e marcante, ainda que despretensioso.

eaucharlotte5. Eau de Charlotte (Annick Goutal, 1982). Eau de Charlotte é um floral oriental de nuances atalcadas e gourmands. O perfume aborda o contraste entre o floral e luminoso (lírio-do-vale, mimosa) e o doce e escuro (chocolate, baunilha). O resultado é um aroma único, difícil de ser encontrado, pois não é nem floral nem gourmand. Algo num meio termo, acima de tudo delicado e romântico.

LOmbreDansLEau6. L’Ombre dans l’Eau (Diptyque, 1983). Uma das primeiras fragrâncias de Diptyque, L’Ombre dans l’Eau (ou “a sombra na água”) é uma floral verde à base de rosa e cassis. O perfume abre intensamente herbáceo e frutado, com aquele odor de xixi de gato característico da nota de cassis. O aspecto folhoso e enjoativo vai aos poucos se atenuando com notas florais, principalmente de rosa. Alguns ingredientes naturais e terrosos ajudam a compor uma atmosfera de jardim primaveril.

Passion7. Passion (Annick Goutal, 1983). Usando pétalas de jasmim e tuberosa de Grasse, Annick Goutal criou este floral simultaneamente fresco e inebriante. Uma nota de ylang-ylang traz um ar quente e tropical, enquanto a folha de tomate ajuda a compor uma atmosfera verde e campestre. No dry-down, Passion conta com um acorde naturalístico de musgo de carvalho e patchouli. Excelente opção para os amantes de grandes florais femininos.

heure-exquise-w8. Heure Exquise (Annick Goutal, 1984). Heure Exquise é um floral verde de traços polvorosos e amadeirados. Com uma saída amarga e cintilante de gálbano e jacinto, o perfume adentra um coração atalcado de rosa e íris. Na secagem, um acorde base de sândalo e baunilha concluem o perfume com simplicidade. Delicado e feminino como um perfume que se espera desta casa.

vetiver9. Vetiver (Annick Goutal, 1985). Agora com uma proposta mais masculina, Vetiver participa da coleção de colônias de Annick Goutal. Por vários anos descontinuado e agora traduzido de volta à produção sem a mesma densidade, Vetiver é um amadeirado especiado que reúne notas de cítricos, sal, especiarias quentes, tabaco, sândalo, fava tonka, e é claro, vetiver. Pena que não puderem manter a versão mais potente do original.

Sables10. Sables (Annick Goutal, 1985). Uma das mais belas rendições da nota de immortelle, Sables é um complexo oriental amadeirado e especiado. O perfume abre com um aroma intensamente herbáceo com traços de açúcar queimado e especiarias. Para agregar complexidade, uma nota de chá aparece para ressaltar o lado verde da composição, enquanto uma base de sândalo e âmbar propicia um efeito denso e cremoso. Doce e viscoso, sofisticado e intoxicante, Sables é um verdadeiro achado.

EauLente11. Eau Lente (Diptyque, 1986). Este oriental balsâmico e picante reúne notas de cravo-da-índia, canela, opoponax e mirra. Eau Lente tem uma saída agressiva e picante, basicamente dominada por eugenol. Mais à frente, as notas de opoponax e mirra expandem a composição com doçura e cremosidade. Uma base amadeirada e musky completa a composição, conferindo um aroma quente e exótico, pendendo para o masculino. Eau Lente deixa um rastro escuro e esfumaçado por onde passa.

Olene12. Olène (Diptyque, 1988). Olène é praticamente um grande jardim de flores engarrafado. Notas verdes e refrescantes como verbena, hera, néroli e menta compõem o topo. Em seguida, a fragrância exala um buquê de flores luminosas e elegantes como flor de laranjeira, narciso, gardênia, jasmim, lírio-do-vale e tuberosa, acompanhadas de flores atalcadas e sedosas como lilás, violeta, glicínia e íris. Feito para quem curte um odor indólico e natural.

gardeniapassion13. Gardénia Passion (Annick Goutal, 1989). Gardénia Passion é uma tentativa de emular o odor desta planta cujo aroma é impraticável de ser extraído. Para tanto, Annick Goutal reuniu uma série de flores brancas como jasmim, flor de laranjeira e lírio-do-vale, além de uma base de musgo de carvalho e baunilha. O resultado é uma fragrância floral que remete a um jardim primaveril com o orvalho da manhã.

nutmegginger14. Nutmeg & Ginger (Jo Malone, 1990). Uma das primeiras fragrâncias da casa inglesa Jo Malone foi essa combinação de noz moscada e gengibre. Desde aquela época já promovendo a ideia de combinar fragrâncias, esta é uma composição minimalista que, além das notas temáticas, apenas leva cedro e sândalo. Um amadeirado especiado competente porém talvez um pouco sem graça para quem espera algo mais complexo.

LimeBasil15. Lime Basil & Mandarin (Jo Malone, 1991). Este cítrico aromático aborda o acorde limão-manjericão-mandarina com toda efervescência e picância que merece. Com traços amargo, mentolado e ácido, Lime Basil & Mandarin se sustenta sobre uma base amadeirada e seca de vetiver e patchouli. Para conferir um pouco de graça, notas atalcadas de íris e lilás são agregadas. Na secagem, o perfume é macio e cremoso sem se tornar doce, permanecendo leve e arejado.

VanilleAbricot16. Vanille Abricot (Comptoir Sud Pacifique, 1993). Esta é uma vanilla tropical com notas de damasco, mamão e jaca. Minimalista, a composição agrega uma dose de baunilha e da molécula sintética etil maltol (açúcar), para torná-la mais gourmand. O resultado é uma divertida fragrância aroma de bala de pêssego que permanece rente à pele. Também pode ser usada como aromatizador de ambientes.

AmourDeCacao17. Amour de Cacao (Comptoir Sud Pacifique, 1993). Uma alternativa econômica para Chocolate Greedy de Montale ou para o extinto Chocolovers de Aquolina, esta é uma fragrância com aroma de fábrica de chocolate. Diferente do aspecto seco e amargo de cacau normalmente propiciado pelo uso de patchouli, Amour de Cacao não poupa no efeito doce, cremoso e leitoso. O resultado é praticamente funcional, com cheiro de shake de proteína e mousse de chocolate.

AquaMotu18. Aqua Motu (Comptoir Sud Pacifique, 1993). Um dos maiores best-sellers da tradicional casa francesa Comptoir Sud Pacifique, Aqua Motu busca interpretar o odor marinho sem fazer restrições. Uma combinação de ingredientes sintéticos resulta num realístico aroma de água salgada com algas e areia. Na saída, a nota de immortelle traz um interessante aspecto herbáceo e adocicado, enquanto, no coração, a nota de lírio-do-vale adiciona luminosidade e graça. Cheiro chique de praia.

EauDuSud19. Eau du Sud (Annick Goutal, 1996). Diferente do clássico Eau d’Hadrien, Eau du Sud é um cítrico com abordagem verde e efervescente. Dentre as notas cítricas, destaca-se o limão, que se alia a notas de manjericão, verbena e menta. Nada aqui é doce; pelo contrário, até levemente salgado. O sintético hedione é usado para ampliar o efeito refrescante. Apesar de uma base robusta de vetiver, musgo de carvalho e patchouli, Eau du Sud permanece limpo e cristalino durante toda sua evolução.

grandamour20. Grand Amour (Annick Goutal, 1996). Adotando o gênero oriental floral, Grand Amour traz nuances verdes, especiadas e animálicas. A partir de um opulento topo de madressilva, jacinto, lírio e rosa, o perfume desabrocha um inebriante buquê de mimosa e jasmim revestido do mais luxuoso couro. No dry-down, a finalização fica por conta de um acorde balsâmico de âmbar, mirra, baunilha e musk.

Philosykos21. Philosykos (Diptyque, 1996). Esta é uma criação aromática da tradicional casa francesa Diptyque. Fresco e tropical, Philosykos revela na abertura uma brisa fresca de folhas verdes. Meia hora depois surgem as notas de figo e coco que dominam a fragrância durante a maior parte do tempo. Na secagem, o aspecto atalcado e docinho aparece sem incomodar. Embora coco não seja uma das notas prediletas do brasileiro, recomendo dar uma chance a Philosykos. Você poderá se surpreender.

RedRoses22. Red Roses (Jo Malone, 1996). Red Roses faz uma interpretação da nota de rosa com dois polos opostos: de um lado a força cítrico-herbácea do acorde de limão, folha de violeta e menta; de outro a doçura e viscosidade da cera de abelha. Inicialmente a composição se mostra translúcida e verde, revelando um buquê de rosas vermelhas recém-cortadas. A base de cera de abelha funciona brilhantemente, já que valoriza a suculência da flor, deixando-a com uma aura lúdica e sensual.

petitecherie23. Petite Chérie (Annick Goutal, 1998). Não resistindo à tendência dos florais frutados iniciada em 1999 por J’Adore de Dior, Annick Goutal apresenta a sua proposta. Petite Chérie abre com um acorde de grama, pera e pêssego, anunciando um centro romântico de rosa. A finalização fica a cargo de um manto cremoso de baunilha. Bem apropriado para as meninas-moças de bom gosto.

cesoiroujamais24. Ce Soir ou Jamais (Annick Goutal, 1999). “Hoje à Noite ou Nunca Mais” é um floral de nuances balsâmicas e especiadas, descrito pela própria Annick Goutal como uma fragrância incrivelmente misteriosa, inspirada na manhã ensolarada de um jardim de igreja. Com uma saída de hibisco, o perfume revela aos poucos um enorme buquê de rosas um tanto datadas. A base da composição consiste de um acorde de ambrette e âmbar.

terredebois25. Terre de Bois (Miller Harris, 2000). Terre de Bois é um chipre verde de nuances herbáceas e especiadas. O perfume abre com um topo intensamente aromático de cítricos, gálbano, zimbro, sálvia e verbena. Minutos depois, Terre de Bois adentra um acorde central de patchouli e especiarias quentes, trazendo o aspecto terroso como insinua o nome. Para finalizar, a composição recebe um fundo seco e encorpado de vetiver e âmbar.

FleurOriental26. Fleur Oriental (Miller Harris, 2000). Fleur Oriental é um grande buquê de cravo, rosa, flor de laranjeira e jasmim. Instantaneamente pungente e atalcado, o perfume muda completamente na evolução. Um acorde polvoroso e cremoso de amêndoas, baunilha, âmbar e musk ameniza a saída, deixando a impressão de um talco luxuoso. Fleur Oriental é recomendado para mulheres que sentem falta daquele “perfumão” floral e picante do passado.

vanilleambre27. Vanille Ambre (Comptoir Sud Pacifique, 2001). Seguindo com a assinatura de baunilha, Comptoir Sud Pacifique lança este oriental vanilla de nuances amadeiradas e polvorosas. Vanille Ambre de desenvolve praticamente como um bloco monolítico composto por patchouli, baunilha, âmbar e musk. O resultado é um delicioso perfume de baunilha de aspecto atalcado.

quelamour28. Quel Amour! (Annick Goutal, 2002). Quel Amour! é um floral frutado de nuances frescas e adocicadas. Seguindo a moda dos frutados, o perfume abre suculento com pêssego, cereja, romã, mirtilo e groselha. Em seguida, a composição desabrocha um buquê romântico de rosa e peônia. Tudo isso é sustentado por uma base de âmbar.

WildFig29. Wild Fig & Cassis (Jo Malone, 2002). Notas suculentas e doces competem com notas herbáceas e amargas neste perfume floral, frutado, aromático e amadeirado. O lado verde é composto por grama, cassis, jacinto e agulhas de pinho, ao passo que o lado doce é composto por figo, cereja e âmbar. Notas sintéticas de hedione e musk são usadas para conferir brilho e maciez, respectivamente. Wild Fig & Cassis resulta numa fragrância acima de tudo verde, fresca e energizante.

OrangeBlossom30. Orange Blossom (Jo Malone, 2003). A nota de flor de laranjeira,  geralmente associada a orientais florais ou florais bomba com seu potente odor indólico reforçado, aqui tem um tratamento suave e único. Seu lado fresco e revitalizante é ressaltado através de mandarina e cidra, enquanto seu lado floral e cintilante é explorado com notas macias e delicadas de lilás e flor de lótus. Orange Blossom resulta num floral verde que invoca uma atmosfera de jardim no verão.

LesNuits31. Les Nuits d’Hadrien (Annick Goutal, 2003). A resenha do famoso Eau d’Hadrien encontra-se na lista de Eaux (Colônias). Tomando como base a receita aromática da versão original, Les Nuits d’Hadrien é mais intenso em especiarias (alcarávia) e em sua base de patchouli, sândalo, âmbar e baunilha. A força cítrica permanece, reforçada por uma nota de zimbro. Na saída, o perfume parece idêntico a Eau d’Hadrien, mas logo é dominado por uma aura oriental quente e acolhedora.

TamDao32. Tam Dao (Diptyque, 2003). Uma homenagem às florestas de sândalo do sudeste asiático, Tam Dao é um perfume amadeirado com nuances florais e musky. Com uma saída fresca de cipreste, murta e rosa, a composição evolui para um coração amadeirado e macio de sândalo e cedro. Na secagem, especiarias, pau-rosa e âmbar gris arredondam a fragrância. Tam Dao exala um aroma relaxante do começo ao fim, produzindo uma atmosfera de paz e meditação em meio ao caos.

VanilleCoco33. Vanille Coco (Comptoir Sud Pacifique, 2003). Coco é uma daquelas notas polarizantes: ou se ama ou se odeia, portanto não muito fácil de ser encontrada em perfumes. Para os que amam, Vanille Coco é uma oportuna recomendação. A composição abre com um aroma extremamente doce e cremoso de coco e baunilha com um fundo de chiclete de banana, amêndoas e caramelo. Vanille Coco é enjoativo, mas cumpre com sua promessa.

VanilleExtreme34. Vanille Extrême (Comptoir Sud Pacifique, 2003). Quem nunca cheirou a fava da orquídea de baunilha in natura pode achar esta fragrância incrivelmente natural. Vanille Extrême é como se você pudesse extrair somente a parte açucarada, leitosa e amendoada dos seus perfumes gourmands favoritos e usá-la simplesmente assim, pura. Por outro lado, o perfume pode ser uma mão na roda para incrementar perfumes que você sempre quis que fossem gourmands, através de layering.

noixdetubereuse35. Noix de Tubéreuse (Miller Harris, 2003). “Noz de Tuberosa” é um oriental floral que busca fazer uma rara interpretação powdery da tuberosa. A flor que geralmente ganha tons indólicos e animálicos, aqui ganha a companhia de notas como mimosa e violeta para formar uma aura atalcada/amendoada. Essa é ainda reforçada por uma base de fava tonka e orris.

Duel36. Duel (Annick Goutal, 2003). Simples e minimalista, Duel é um amadeirado aromático centrado na nota fantasia de chá. Abrindo seco e verde, o perfume exala um acorde herbáceo de petitgrain, mate e artemísia. Na secagem, Duel se mostra mais terroso e esfumaçado com uma base de gaiaco, orris, couro e almíscar sintético. Um perfume equilibrado feito para senhores elegantes.

VanilleExquise37. Vanille Exquise (Annick Goutal, 2005). Composto por Isabelle Doyen, Vanille Exquise usa a nota de baunilha não de forma doce e gourmand, mas delicada e macia, como se buscasse capturar sua textura, além do aroma. Notas de gálbano, heliotrópio, sândalo, gaiaco, benjoim e musk ajudam a criar uma atmosfera seca e polvorosa, sem a cremosidade habitual do ingrediente principal. O dry-down ligeiramente queimado remete ao aroma natural da baunilha.

Songes38. Songes (Annick Goutal, 2005). Desta vez com uma fragrância dedicada às mulheres, Annick Goutal oferece uma composição inspirada nos sonhos românticos (daí seu nome). Songes é um floral oriental focado nas notas de flores brancas e sustentado por uma base doce e polvorosa. O perfume abre agressivamente floral e indólico com jasmim, tiaré, jasmim-manga e ylang-ylang. Na secagem, uma base oriental de sândalo, âmbar, incenso e baunilha deixa um rastro estonteante.

mandragore39. Mandragore (Annick Goutal, 2005). Disponível tanto no frasco quadrado masculino como no comprido e arredondado feminino, Mandragore é um amadeirado aromático. A fragrância tem uma saída adstringente de bergamota e pimenta preta, aos poucos revelando um centro de menta, anis estrelado, sálvia, gengibre e íris. Mandrágora e labdanum concluem a composição.

nectarineblossomhoney40. Nectarine Blossom and Honey (Jo Malone, 2005). “Flor de Nectarina e Mel” é um floral frutado gourmand de nuances verdes, polvorosas e amadeiradas. O perfume abre com um acorde energizante de petitgrain, cassis e folhas verdes. Minutos depois, seu coração se revela com notas de nectarina e folha de algodão. Na conclusão, um dueto de pêssego e ameixa encerra a fragrância com uma base de vetiver.

pomegranatenoir41. Pomegranate Noir (Jo Malone, 2005). Pomegranate Noir (ou “Romã Negra”) é um aromático frutado de traços especiados e balsâmicos. A composição abre fresca e suculenta com melancia, ruibarbo, ameixa, romã e framboesa. Em seguida, o perfume desabrocha um buquê de jasmim, lírio-do-vale e rosa temperados com pimenta rosa e cravo-da-índia. Na conclusão, notas de cedro, patchouli, gaiaco, elemi, opoponax, âmbar e musk emergem para arredondar a fórmula.

morabella42. Mora Bella (Comptoir Sud Pacifique, 2005). Desta vez, Comptoir Sud Pacifique sai um pouco do tema de baunilha para fazer uma composição floral frutada, no auge da sua moda. Mora Bella abre com um acorde suculento de bergamota, limão e romã, adentrando aos poucos um centro gracioso de framboesa, amora, cíclame e jasmim. A secagem fica por conta de um fundo de sândalo e musk. Um perfume para o público feminino mais jovem.

DoSon43. Do Son (Diptyque, 2005). Dedicada à nota de tuberosa, esta fragrância faz uma rendição mais delicada e macia do que o habitual. Em vez de valorizar seu caráter indólico e canforado, Do Son trabalha o lado suave e brilhante da tuberosa com notas de flor de laranjeira, rosa e íris. Uma dose de pimenta rosa dá um toque moderno à composição, enquanto uma base doce e cremosa de benjoim e musk confere uma aura inebriante e polvorosa. Ótima opção para mulheres românticas.

VanilleMadagascar44. Vanille Sauvage de Madagascar (La Maison de la Vanille, 2005). La Maison de la Vanille é uma casa francesa que reúne fragrâncias à base de baunilha de diferentes fontes (Antilhas, Madagascar, Tahiti e México). A variedade africana é o destaque da casa com suas nuances aromáticas e especiadas. Vanille Sauvage de Madagascar abre com notas refrescantes de bergamota e lavanda, antes de mostrar um acorde central gelado e picante de gerânio e coentro. Na base, notas de vetiver, sândalo, labdanum, incenso e baunilha propiciam uma atmosfera quente e doce, mas também leve e macia.

vanillenoire45. Vanille Noire du Méxique (La Maison de la Vanille, 2005). A interpretação da baunilha encontrada no México ganha a forma de um oriental vanilla com nuances amadeiradas e florais. La Maison de la Vanille escolheu um topo refrescante de bergamota, um coração atacaldo de rosa, jasmim e íris, e um fundo balsâmico de patchouli, opoponax e baunilha.

vanillefleurie 46. Vanille Fleurie de Tahiti (La Maison de la Vanille, 2005). O tema para a rendição da baunilha do Tahiti é tropical, com o uso específico da alegre nota de ylang-ylang, compondo desta vez um oriental floral. Vanille Fleurie de Tahiti ganha ainda um topo fresco e divertido de bergamota e um fundo cremoso e esfumaçado de incenso, benjoim, fava tonka e baunilha.

vanillegrivee47. Vanille Givrée de Antilles (La Maison de la Vanille, 2005). A “Baunilha Gelada das Antilhas” é um fougère oriental de nuances amadeiradas e balsâmicas. Para esta composição, La Maison de la Vanille decidiu trabalhar em torno de um potente acorde de saída composto de bergamota, tangerina e lavanda. Minutos depois, a composição desabrocha um buquê de rosa e tuberosa apoiado sobre uma base oriental de patchouli, opoponax, fava tonka e baunilha.

vanilledivine48. Vanille Divine des Tropiques (La Maison de la Vanille, 2005). De acordo com a casa francesa, a baunilha que cresce nos trópicos é floral. Ou pelo menos assim esta fragrância foi composta. Vanille Divine des Tropiques abre com gardênia e jacinto, caminhando para um buquê de jasmim e tuberosa. Na secagem, uma base de heliotrópio, âmbar e baunilha assumem a finalização do perfume.

eaudelierre49. Eau de Lierre (Diptique, 2006). “Água de Hera” é um floral verde de nuances ozônicas e almiscaradas. Diptyque preparou uma fragrância com o puro cheiro do jardim orvalhado com este perfume que abre com notas de hera e cíclame, anunciando um coração de gerânio e pau rosa. No dry-down, Eau de Lierre recorre a um acorde base de madeiras nobres, âmbar gris e musk.

LadyVengeance50. Lady Vengeance (Juliette Has a Gun, 2006). Este chipre floral moderno recorre ao poder das moléculas sintetizadas ambroxan e Iso E Super para criar um efeito “anabolizado” e hipnótico. A nota principal de rosa é cercada de lavanda, patchouli, baunilha e almíscar, resultando numa fragrância soapy e polvorosa, com um toque gelado. Extremamente sexy, Lady Vengeance é um perfume potente e chamativo que perde pontos apenas por ser tão sintético. E quem liga? Existem também na versão “extrême”, mais amendoada.

Miss Charming51. Miss Charming (Juliette Has a Gun, 2006). Mais lúdico do que sensual, mais menina do que mulher, Miss Charming trabalha a nota de rosa na companhia de frutas como morango, lichia e framboesa. A combinação de notas frutadas amplifica o caráter suculento da rosa, que recebe ainda uma camada de musk. Mais frutado na saída e mais polvoroso no dry-down, o perfume mantém sempre a atenção na nota principal. Leve e inofensivo, Miss Charming cai bem para moças inocentes.

LAirdeRien52. L’Air de Rien (Miller Harris, 2006). L’Air de Rien é uma composição única e original que reúne notas de néroli, musk, âmbar, musgo de carvalho, baunilha e patchouli. Centrado no âmbar, o perfume trabalha diferentes aspectos como o floral-cítrico do néroli, o herbáceo-defumado do patchouli e o polvoroso-animálico do almíscar. O resultado é uma atmosfera nebulosa que começa saponácea e evolui para uma base seca e balsâmica. L’Air de Rien é estranho, mas no bom sentido.

FleursdeSel53. Fleurs de Sel (Miller Harris, 2007). Este inovador chipre herbáceo une flores como muguê, rosa, narciso e íris a ervas finas como sálvia, alecrim e tomilho. Notas de musgo de carvalho, vetiver e angélica contribuem com uma aura seca e herbácea, enquanto âmbar e couro fornecem uma base sólida e refinada. Fleurs de Sel constitui um aroma vegetal e salgado, com nuances florais e de couro, bem natural e realístico. Uma excelente opção para os amantes da natureza que não têm preconceitos.

EncensFlamboyant54. Encens Flamboyant (Annick Goutal, 2007). Este inovador oriental reúne bálsamos, especiarias e ervas finas para interpretar a nota de incenso. Encens Flamboyant abre com um forte odor resinoso e queimado de lentisco (resina vegetal). A nota de incenso surge logo depois com um fundo de sálvia, noz moscada e pimenta. Agulhas de pinho contribuem com um aroma intensamente verde. Depois de uma evolução turbulenta, o perfume tem um dry-down macio e contemplativo.

AmbreFetiche55. Ambre Fétiche (Annick Goutal, 2007). Para interpretar a nota fantasia de âmbar, Annick Goutal recorreu a notas doces e cremosas de benjoim e baunilha, balsâmicas e esfumaçadas de labdanum, estoraque e olíbano, e secas e escuras de couro e patchouli. Para atenuar a composição, notas de gerânio e íris são empregadas. O resultado é um perfume opulento e pesado que mostra um âmbar seco e defumado. Com tom animálico e soturno, Ambre Fétiche não é o âmbar da loja mais próxima.

MuscNomade56. Musc Nomade (Annick Goutal, 2008). Annick Goutal introduziu com este perfume uma abordagem complexa da nota fantasia de musk. Com uma combinação de ingredientes naturais e sintéticos, Musc Nomade busca produzir uma atmosfera seca e polvorosa, levemente animálica, correspondente ao almíscar original. Para tanto, a fragrância utiliza muscone, angélica, ambrette, fava tonka, labdanum e baunilha. O resultado é limpo e gostoso, mais para pele de bebê do que para bicho do mato.

CitizenQueen57. Citizen Queen (Juliette Has a Gun, 2008). Ousado e exótico, Citizen Queen é floral polvoroso com fortes traços orientais. O perfume tem uma saída esquisita de notas florais com um fundo de borracha queimada devido ao encontro de couro com aldeídos. Na evolução, o aroma se torna atalcado com íris, rosa e violeta, e a nota de couro se suaviza. Uma base de resinas e immortelle acrescentam um efeito doce e açucarado, elevando sua vulgaridade, no bom sentido.

LePetitGrain58. Le Petit Grain (Miller Harris, 2008). Miller Harris faz uma homenagem a um ingrediente pouco falado, mas incrivelmente multifacetado. Ao mesmo tempo cítrico, herbáceo, especiado e floral, o petitgrain é aqui trabalhado com notas de laranja, limão siciliano e tahiti, angélica, zimbro, lavanda, alecrim, estragão, alcarávia e flor de laranjeira. A base não poderia ser diferente: um acorde seco e terroso de vetiver, musgo de carvalho e patchouli. Tudo é muito bem balanceado para enfatizar cada faceta do petitgrain. Le Petit Grain é refrescante e natural ao extremo, bem ao estilo da casa.

DarkAmberGingerLily59. Dark Amber & Ginger Lily (Jo Malone, 2008). A partir de 2008, a casa inglesa passou a oferecer colônias mais encorpadas. Um bom exemplo é Dark Amber & Ginger Lily, um oriental amadeirado que abre com um acorde quente de cardamomo, pimenta rosa e gengibre. Em seguida, a fragrância revela um buquê floral de rosa, jasmim, lírio aquático e orquídea, suportado por uma base resinosa de patchouli, sândalo, elemi, couro e âmbar gris. Elegante e sensual.

eauneroli60. L’Eau de Néroli (Diptyque, 2008). Seguindo o gênero cítrico aromático, L’Eau de Néroli abre cítrico e verde com notas de bergamota, limão, verbena, estragão e petitgrain. Minutos depois, um coração floral emerge com flor de laranjeira, néroli e gerânio. Tudo isso é “amarrado” por uma base macia e transparente de cera de abelha, cedro e musk.

eauhesperides61. L’Eau des Hespérides (Diptyque, 2008). “A Água dos Cítricos” segue um estilo que brinca com o quente e gelado. De um lado, a composição apresenta um acorde refrescante de laranja amarga, mandarina, limão, petitgrain, grama, alecrim, immortelle e menta. De outro, L’Eau des Hespérides traz uma combinação picante de alcarávia, pimenta, cedro e almíscar sintético. Um cítrico para quem gosta de especiarias.

eautarocco62. L’Eau de Tarocco (Diptyque, 2009). L’Eau de Tarocco é um aromático especiado de traços florais e amadeirados. Inicialmente, o perfume exala um acorde adstringente de toranja, laranja, gengibre, canela e açafrão. Minutos depois, a fragrância desabrocha um elegante e misterioso buquê de rosa incensada. A secagem fica por conta de uma base seca e crispy de cedro, sândalo e musk.

mandragorepourpre63. Mandragore Pourpre (Annick Goutal, 2009). Preservando a essência amadeirada aromática do original, Mandragore Pourpre vem com uma nota “púrpura” de heliotropina (amendoada), tornando-o levemente polvoroso. Tirando isso, a construção é basicamente a mesma: topo de bergamota, menta e anis, coração de gerânio, zimbro e alecrim, e fundo de heliotrópio, patchouli, âmbar, incenso e mirra.

matindorage64. Un Matin d’Orage (Annick Goutal, 2009). “Uma Manhã de Chuva” é um floral verde de traços cítricos e amadeirados. A perfumista Isabelle Doyen se inspirou num jardim floral japonês depois da chuva, trabalhando em torno da nota orvalhada de gardênia. Assim, Un Matin d’Orage abre com limão siciliano, folhas verdes e gengibre, anunciando um buquê de flores brancas como magnólia, gardênia, champaca e jasmim. Uma base discreta de sândalo propicia corpo e longevidade.

vanillaanise65. Vanille & Anise (Jo Malone, 2009). Segundo o site de Jo Malone: “Vanille & Anise é uma exótica composição inspirada pelo florescer da orquídea de baunilha de Madagascar. Sua composição abre com acordes de bergamota siciliana fresca juntamente com néroli tunisiano, erva-doce selvagem e anis estrelado. Um coração desabrocha com tuberosa, violeta, jasmim, jasmim-manga e cravo-da-índia, enquanto uma base incorpora âmbar gris, vetiver, baunilha e fava tonka.” Sem mais.

cocofigue66. Coco Figue (Comptoir Sud Pacifique, 2010). Coco Figue é um oriental vanilla de nuances frutadas e lactônicas. A casa francesa aproveita a sinergia entre as notas de coco e figo para compor um perfume cremoso e tropical que lembra de praia e protetor solar. Coco Figue contém ainda notas de trigo, baunilha e açúcar, resultando num perfume semigourmand.

Calamity67. Calamity J (Juliette Has a Gun, 2009). Diferente dos outros perfumes de seu portfólio, Calamity J não é ancorado na nota de rosa. Esta é uma fragrância que traz em primeiro plano o acorde âmbar-patchouli, tendo como coadjuvantes almíscar, íris e canela. Essa combinação produz um delicioso e confortável aroma atalcado picante que é, também, bastante incomum. Na base encontra-se a dupla animálica de civet e castoreum para dar um efeito mais “natural” ao perfume, sem causar calamidade.

MidnightOud68. Midnight Oud (Juliette Has a Gun, 2009). A grife Juliette Has a Gun introduz mais uma fragrância feminina e erótica, desta vez construída em torno do acorde rosa-oud. Com uma saída de bergamota, açafrão e papyrus, Midnight Oud em seguida faz emergir o acorde central recortado de gerânio, para ressaltar a delicadeza, e castoreum, para acentuar o selvagem. Notas de patchouli, sândalo, âmbar e musk compõem a base oriental e sexy. Apesar de ser classificado como feminino, Midnight Oud é bem compartilhável.

FeuillesTabac69. Feuilles de Tabac (Miller Harris, 2009). Este chipre amadeirado toma como base a nota de tabaco, valorizando seu aspecto aromático com agulhas de pinho e patchouli, e sua sensualidade com fava tonka, sálvia e pimenta. Feuilles de Tabac tem uma saída aromática e picante envolta numa nuvem de fumaça. Na evolução, todavia, o perfume vai se aquecendo, atenuando o seu lado picante e acentuando a nota principal com uma base de patchouli e fava tonka.

OudBergamot70. Oud & Bergamot (Jo Malone, 2010). Em Oud & Bergamot, Jo Malone faz um tributo ao tema de oud, amenizando seu aspecto esfumaçado e medicinal por meio de um grande acorde cítrico de bergamota, mandarina e limão. Uma injeção de cedro e camurça na base propicia um aspecto sedoso e confortável no dry-down. Apesar de seu minimalismo, Oud & Bergamot é um grande perfume.

NinfeoMio71. Ninféo Mio (Annick Goutal, 2010). Um dos mais polêmicos perfumes de Annick Goutal, Ninféo Mio se inspira na nota de folha de figo. Para acentuar seu caráter aromático, a composição leva notas de laranja amarga, cidra, gálbano, lentisco e petitgrain. A mistura de ingredientes confere um aroma herbáceo e canforado com fundo lactônico. Ninféo Mio é controverso porque se situa no limite do funcional – algumas pessoas podem achá-lo parecido com detergente ou desinfetante.

EauDuelle72. Eau Duelle (Diptyque, 2010). Eau Duelle é um oriental picante que reúne notas de ervas, resinas e especiarias. O perfume abre doce e frutado com pimenta rosa e baunilha, além de um fundo aromático de chá e zimbro. Notas especiadas emergem com toda força, com predominância de cravo e cardamomo. Uma base de olíbano, baunilha e âmbar gris potencializa toda a composição, que ganha corpo e brilho. Um fundo de açafrão e zimbro propicia um efeito nebuloso e místico.

Vetyverio73. Vetyverio (Diptyque, 2010). Para amenizar uma riqueza de vetiver, Vetyverio conta com uma boa dose de cítricos (bergamota, mandarina, limão siciliano, toranja) na saída, anunciando um buquê de gerânio, rosa e ylang-ylang temperado com cravo-da-índia. A base fica por conta de um acorde seco e farelento de cenoura, vetiver, noz moscada, cedro e musk. Um vetiver gostoso e bem equilibrado.

OrangeSanguine74. Orange Sanguine (Atelier Cologne, 2010). Esta fragrância é baseada na laranja vermelha, incomum no Brasil. Feito para ser energizante, Orange Sanguine é praticamente o próprio sumo da laranja engarrafado. Notas de gerânio e jasmim trazem luminosidade e frescor, enquanto sândalo e fava tonka fazem a transição entre perfume e pele com sua textura cremosa e consistente. Durante sua evolução, Orange Sanguine exala um aroma limpo e revitalizante, ultranatural e irradiante.

GrandNéroli75. Grand Néroli (Atelier Cologne, 2010). Atelier Cologne oferece uma elaborada e realística rendição do néroli. Na primeira parte da evolução, Grand Néroli é verde e ácido com notas de bergamota, limão siciliano, néroli, petitgrain, gálbano e musgo de carvalho. Crispy até não poder mais, o perfume atinge o ápice do frescor. Na segunda parte, Grand Néroli passa a ser musgoso e amadeirado, com nuances ambaradas. Uma pequena dose de musk suaviza a secagem, deixando uma sensação aveludada.

oolanginfini76. Oolang Infini (Atelier Cologne, 2010). Oolang é um tipo de chá branco chinês. Para Atelier Cologne, é um perfume amadeirado aromático de nuances florais e especiadas. Depois de uma abertura cintilante de bergamota e néroli, Oolang Infini adentra um elegante acorde de chá, jasmim e couro. Na secagem, um fundo de flor de tabaco, gaiaco e vetiver ficam responsáveis por manter o clima translúcido da fragrância.

boisblonds77. Bois Blonds (Atelier Cologne, 2010). Segundo Atelier Cologne, Bois Blond é “uma mistura incomum de aromas frescos, amadeirados e profundos.” O perfume abre adstringente com pimenta rosa e néroli, conduzindo-se para um coração esfumaçado de flor de laranjeira e incenso. O tema da fragrância aparece mesmo no dry-down, composto por um acorde de vetiver, cedro e sândalo, entre outras madeiras nobres.

notaperfume78. Not a Perfume (Juliette Has a Gun, 2010). Juliette Has a Gun pegou na carona a mesma ideia de Escentric Molecules e lançou um perfume (ou um “não-perfume”) inteiramente feito de ambroxan, uma molécula sintética que busca emular o odor do âmbar gris, porém sem o seu lado animálico. Assim, Not a Perfume é mais uma textura do que um cheiro, algo macio como a pele de um bebê, mas sem cheiro.

romantina79. Romantina (Juliette Has a Gun, 2011). Segundo site da marca: “A história é uma história de amor: ela é sobre uma moça visitando Roma. Ela se apaixona loucamente por um cara local, mas vai embora dentro de 24 horas para que sua história de amor permaneça intocada”. Romantina é um chipre floral com topo de bergamota e flor de laranjeira, centro de rosa, íris, tuberosa, patchouli e vetiver, e fundo de benjoim, fava tonka, baunilha, âmbar gris e castoreum.

earlgreycucumber80. Earl Grey and Cucumber (Jo Malone, 2011). Earl Grey and Cucumber é um aromático aquático que junta os aromas de chá e pepino, fazendo parte da coleção de Jo Malone dedicada a chás com cinco membros no total. A perfumista Christine Nagel (hoje da Hermès) foi inspirada pela tradição inglesa do ritual de chá diário para compor uma fragrância com cítricos, chá preto, maçã, jasmim, pepino, angélica, davana, baunilha, cedro, cera de abelha e musk.

vanilleinsensee81. Vanille Insensée (Atelier Cologne, 2011). A “Baunilha Insensata” de Atelier Cologne é uma composição oriental amadeirada de traços cítricos e orientais. Vanille Insensée abre com um inusitado acorde de limão tahiti, cidra e coentro, anunciando um centro “chiprado” de jasmim, musgo de carvalho e vetiver. Na evolução, contudo, o perfume segue um caminho oriental com um acorde base de carvalho, âmbar e baunilha.

34BlvdStGermain82. 34 Blvd St Germain (Diptyque, 2011). Concebido em homenagem aos 50 anos da casa Diptyque, 34 Blvd St Germain é um oriental floral e amadeirado. A saída é dominada por figo e eucalipto, acompanhados de cítricos, cassis e especiarias. A composição segue um caminho floral refrescante e unissex com rosa, violeta, íris, gerânio e tuberosa. No dry-down, o perfume é quente, doce e cremoso. 34 Blvd St Germain é formal e elegante, apropriado tanto para mulheres como homens.

EauMage83. Eau Mage (Diptyque, 2011). Como um nicho dentro de um nicho, Diptyque conta com uma coleção exclusiva chamada Les Invités du 34. Nela se encontra Eau Mage, perfume feito em comemoração ao quinquagésimo aniversário da marca. Buscando contrapor o brilhante e o escuro, a fragrância combina um acorde tangerina-rosa e outro especiarias-âmbar gris. Assim, Eau Mage (ou “água mágica”) resulta num confortável e elegante aroma rosáceo e musky.

LaFuméeClassic84. La Fumée (Miller Harris, 2011). La Fumée é um oriental picante e esfumaçado à base de mel, bálsamos e especiarias quentes. A partir de um topo adstringente de cítricos, especiarias, elemi e incenso, La Fumée faz emergir um acorde central seco e crispy de cedro, papyrus e sândalo. Em seguida, uma base de labdanum e bétula confere um aspecto de couro defumado, enquanto um toque mel traz certa doçura e viscosidade. O resultado é quente e sofisticado, com nuances aromáticas e resinosas.

VelvetRoseOud85. Velvet Rose & Oud (Jo Malone, 2012). Possivelmente o melhor da coleção “Cologne Intense”, esta composição é feita em torno do famoso acorde rosa-oud, como sugere o nome. Para conferir uma atmosfera sensual e envolvente, Velvet Rose & Oud incorpora também notas de cravo-da-índia e chocolate ao leite. Com tudo muito bem equilibrado, o perfume transmite uma sensação macia e gostosa de usar, sem ser muito picante ou muito doce.

RoseAnonyme86. Rose Anonyme (Atelier Cologne, 2012). Fora do contexto de colônia, Rose Anonyme segue o gênero floral oriental ao incorporar um acorde central de rosa e oud. Para refrescar, a composição agrega notas de bergamota e gengibre e, para criar textura, notas de patchouli e papyrus. O acorde rosa-oud tem seu aspecto balsâmico e esfumaçado enfatizado com benjoim, opoponax e almíscar. Como o próprio nome insinua, a nota de rosa é sutil e minimalista, nem por isso menos atraente.

VetiverFatal87. Vétiver Fatal (Atelier Cologne, 2012). Vétiver Fatal oferece uma criativa interpretação de seu tema principal com notas de ameixa e folha de violeta. Doce e suculento, o perfume sai do lugar comum das composições secas à base de vetiver. A combinação de notas cítricas com folha de violeta confere uma aura úmida e nebulosa, enquanto a nota de ameixa corta o aroma potencialmente verde e áspero. O vetiver per se completa o quadro de floresta tropical com seu caráter natural.

AmbreNue88. Ambre Nue (Atelier Cologne, 2012). A interpretação de âmbar por Atelier Cologne é um oriental floral com nuances picantes. Ambre Nue abre cítrico e quente com notas de mandarina e calêndula, antes de revelar um coração floral e sensual de orquídea e canela. Durante o dry-down, patchouli, labdanum, fava tonka e benjoim criam um aspecto resinoso e apenas ligeiramente doce. O truque de Ambre Nue está na eficiente contraposição entre o cítrico-vívido e o balsâmico-escuro.

NuitEtoilée89. Nuit Etoilée (Annick Goutal, 2012). Mantendo a assinatura aromática da casa, Annick Goutal faz a ilustração olfativa de uma noite estrelada. Nuit Etoilée abre com laranja, cidra e menta, antes de evoluir para um coração de agulhas de pinho. Para a base, foram escolhidas as notas de immortelle, angélica e fava tonka. O resultado é verde, canforado e musky para remeter a uma noite passada na natureza a céu aberto. Nuit Etoilée é relaxante e contemplativo, perfeitamente unissex.

madmadame90. Mad Madame (Juliette Has a Gun, 2012). Mad Madame é um chipre floral com traços de couro e notas animálicas. A partir de uma saída de frésia, cassis e rosa, o perfume vai revelando um centro de rosa, peônia, tuberosa, jasmim, patchouli e musgo de carvalho. A finalização fica por conta de um acorde base de bálsamo tolu, baunilha, castoreum e almíscar sintético. Em outras palavras: uma bomba.

Volutes91. Volutes (Diptyque, 2012). Diptyque reúne três acordes diferentes para criar esta moderna composição aromática: o herbáceo (íris, tabaco, immortelle e feno), o picante (açafrão, mel, frutas secas, pimenta rosa e preta), e o balsâmico (mirra, estoraque, benjoim e opoponax). Volutes resulta num perfume denso, polvoroso, doce e quente, com os acordes alinhados e equilibrados. É uma fragrância acima de tudo macia e sofisticada, igualmente sensual, diferente do lugar comum.

eaurose92. Eau Rose (Diptyque, 2012). Para a colônia de rosa, Diptyque reservou uma composição floral frutada bem ao gosto moderno. A partir de uma saída refrescante de bergamota, cassis e lichia, Eau Rose mergulha num centro luminoso de rosa, gerânio e jasmim. Na secagem, o perfume ganha um toque adocicado de mel, mas conta com uma base seca e transparente de cedro e musk.

eaumoheli93. Eau Moheli (Diptyque, 2013). Desta vez com uma proposta de colônia mais tropical, Diptyque apresenta uma criação feita em torno da complexa nota de mimosa. O perfume abre com gengibre e pimenta rosa, antes de revelar sua flor protagonista. Na evolução, surgem notas de patchouli, vetiver, benjoim e incenso. Talvez a mais encorpada de todas as colônias no portfólio da casa.

silveriris94. Silver Iris (Atelier Cologne, 2013). Seria parecido com Iris Silver Mist de Serge Lutens? Nem de longe. Ambas são excelentes composições, mas cada qual com seu caráter. O perfume de Atelier Cologne gira em torno de um polvoroso acorde central de íris, violeta e mimosa. Além disso, Silver Iris ganha um topo de tangerina, cassis e pimenta rosa, e um fundo de patchouli, âmbar e musk. Bem mais usável que o “primo” de Serge Lutens.

MistralPatch95. Mistral Patchouli (Atelier Cologne, 2013). Distante do uso moderno da nota de patchouli, Atelier Cologne buscou inspiração em sua forma in natura, ou seja, com aroma terroso, canforado e incensado. Mistral Patchouli tem o seu lado aromático reforçado com anis e gerânio, enquanto seu lado semi-oriental conta com incenso e almíscar. Uma nota de íris propicia nuances atalcadas. O resultado é uma fragrância natural e bem-balanceada, cumprindo com o seu objetivo principal.

CédratEnivrant96. Cédrat Enivrant (Atelier Cologne, 2013). Com sua característica única de confortar e refrescar ao mesmo tempo, a nota de cidra é o tema central desta colônia. A saída energizante de bergamota, limão tahiti e cidra logo evolui para um centro herbáceo quente e gelado de menta, zimbro e manjericão. A base de vetiver, elemi e fava tonka traz calor e substância, propiciando uma excelente harmonia entre o cítrico e polvoroso. Relaxante e sofisticado.

BlancheImmortelle97. Blanche Immortelle (Atelier Cologne, 2013). Tomando como centro a complexa nota de immortelle (também conhecida por sempre-viva) e suas facetas herbácea, floral e polvorosa, esta fragrância de Atelier Cologne incorpora também rosa, acácia (mimosa) e jasmim. Um topo de bergamota e mandarina traz frescor, enquanto uma base de vetiver, sândalo e patchouli traz textura. O resultado é doce, atalcado e levemente picante.

geraniumodorata98. Geranium Odorata (Diptyque, 2014). Dentre a linha de colônias da casa Diptyque, destaca-se um de seus últimos lançamentos: Geranium Odorata. Na forma de um floral com nuances especiadas e cítricas, a composição abre com bergamota e pimenta rosa. Minutos depois, um coração emerge com seu buquê gelado de gerânio. Tudo isso é sustentado por um fundo de vetiver, cedro, fava tonka e musk.

GoldLeather99. Gold Leather (Atelier Cologne, 2014). Para seu tributo à nota fantasia de couro, Atelier Cologne adiciona à composição notas frutadas, herbáceas, especiadas e amadeiradas. Gold Leather abre com um acorde intoxicante de laranja amarga, ameixa, rum e açafrão, evoluindo para um coração verde e gelado de artemísia e eucalipto. A verdadeira personalidade da fragrância surge durante o dry-down, com um acorde sofisticado de cedro, gaiaco, oud e, é claro, couro.

SantalCarmin100. Santal Carmin (Atelier Cologne, 2014). Santal Carmin mostra a nota de sândalo sob um aspecto mais natural, ou seja, menos doce-cremoso e mais seco-esfumaçado. Equilibrando facetas aromática e oriental, a composição abre com bergamota, limão tahiti e açafrão, antes de evoluir para um acorde central de madeiras nobres como sândalo, cedro e gaiaco, além de uma transparente nota de papyrus. Um toque de baunilha e musk na base é o suficiente para trazer maciez e elegância, sem exageros.

Veja também: Nicho Luxo e Nicho Ultraluxo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s